segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O que é a verdade?


image from google

A pergunta de Pilatos a Jesus permanece: “O que é a Verdade?” (João 18.38). Vários sentidos têm sido dados à palavra “verdade” dependendo dos pressupostos epistemológicos e antropológicos de uma determinada visão. Metafísicos, realistas, naturalistas, racionalistas, empiristas, kantianos e marxistas têm dado diferentes conceituações para a palavra “verdade”, mesmo que algumas delas sejam contraditórias em seus fundamentos. Um nietzschiano, por exemplo, não pode admitir a ideia de “verdade absoluta”. Mas se isso é assim, como podemos eticamente identificar uma “mentira” se não existe imutabilidade e objetividade na verdade?

A Ciência Moderna, geralmente, adota a tese popperiana de verdade, segundo a qual a verdade é a meta da Ciência. No entanto, a verdade é vista como um padrão inatingível ao qual devemos buscar nos aproximar cada vez mais, mas não podemos nunca estar certos de tê-lo alcançado. Os ajustes feitos nos erros que nossas teorias vão apresentando diante de novas evidências seria aquilo que nos possibilitaria aproximar cada vez mais da verdade. Não obstante, ainda que chegássemos a essa verdade, não poderíamos estar certos disso. 

O Relativismo por sua vez se apresenta como uma forte aversão pela verdade, e não se preocupa em se aproximar ou buscar a verdade. Para o filósofo Richard Rorty a verdade é por demais sublime para ser alcançada por meros mortais, deveríamos abandonar o desejo pela verdade. Já para William James a verdade seria aquilo que é útil ou bom para uma comunidade num determinado contexto.  

A Epistemologia Cristã, evidentemente, precisa adotar alguma teoria sobre a natureza da verdade. Para Kierkgaard, a subjetividade é a verdade. Deus seria a Verdade Plena, que é alcançada por meio da fé e que se encontra na interioridade do indivíduo. Será que a teoria cristã sobre o conhecimento deve reivindicar uma noção subjetiva de verdade? A Ortodoxia Cristã ou o Cristianismo alega possuir a verdade absoluta, no entanto, precisamos definir o que é essa verdade. 

TEORIAS FALSAS SOBRE A VERDADE

A Verdade tem sido definida de várias formas, algumas dessas definições, porém errôneas, são apresentadas abaixo:

Pragmatismo: De acordo com o Pragmatismo a verdade é aquilo que funciona ou produz resultados úteis. Geralmente a verdade irá depender de um contexto, sendo portanto aquilo que é bom para uma situação específica. O problema com essa visão é que muitas das vezes mentiras e enganos funcionam muito bem. Com base numa epistemologia pragmatista poderíamos justificar o erro e o engano como “verdades” por produzirem bons e úteis resultados. O Pragmatismo também é uma cosmovisão restritiva, já que a verdade é determinada pela utilidade, isso descartaria algumas verdades puramente teóricas, metafísicas e abstratas. 

Coerentismo: Conceitua verdade como aquilo que em seu todo é logicamente consistente, coerente e que faz sentido. O que define uma teoria como verdadeira é o fato dela ser lógica em seus pressupostos e apresentar um todo coerente e consistente. No entanto construções lógicas e com sentido nem sempre são verdadeiras. Por exemplo, a sentença “São Paulo é a capital do Brasil”, é uma frase lógica, que faz sentido e que é coerente em si mesma, contudo é evidentemente falsa. 

Intencionalismo: Essa visão entende que algo é verdadeiro se a pessoa que afirmou uma proposição tinha a intenção de dizer a verdade e falso se a pessoa que afirmou determinada pressuposição não tinha a intenção de dizer a verdade. Nesse sentido a sinceridade da pessoa é o que importa. Sabemos, no entanto, que pessoas podem estar sinceramente enganadas. A Bíblia Sagrada, claramente refuta o Intencionalismo. Levítico 4. 27 declara: “Se for alguém da comunidade que pecar sem intenção, fazendo o que é proibido em qualquer dos mandamentos do Senhor seu Deus, será culpado. ” 

Abrangencionismo: Uma teoria verdadeira seria aquela que consegue abranger e explicar uma coisa da forma que mais abranja os aspectos e elementos dessa coisa. No entanto, é evidente que é possível existir uma cosmovisão ampla sobre algo que é falso e uma visão incompleta daquilo que é verdadeiro. 

Existencialismo: A verdade é aquilo que é subjetivamente relevante para o indivíduo e sua existência. Seria portanto verdadeiro tudo aquilo que possui um valor existencial para a nossa vida. Verdade é aquilo que faz sentido para a nossa vivência subjetiva. Esse pensamento apresenta os mesmos problemas semelhantes ao pragmatismo, pois nem tudo o que é essencialmente relevante é verdadeiro. 

Subjetivismo: A verdade é determinada por um sentimento subjetivo de que algo é bom. Um religioso, por exemplo, tem certeza de que sua fé é verdadeira porque sente isso no seu coração. Poderíamos estar certos da nossa missão na terra, da realidade de nossas experiências numinosas e da verdade de um livro sagrado porque isso nos faz sentir bem com o cosmos. Esse pensamento, no entanto, é falso. A verdade é que a verdade muitas vezes machuca. Uma notícia ruim não deixa de ser verdadeira porque não sinto bem com ela. A existência de um Deus Justo que pune os pecadores não deixa de ser uma verdade, mesmo que isso não nos faça sentir bem. 

A DEFINIÇÃO CORRETA DE VERDADE

Há algumas coisas em comum com todas as teorias apresentadas acima. A maioria delas confundem teste de verdade, com definição de verdade. Normalmente aquilo que é verdadeiro funciona, é coerente e é existencialmente relevante, mas nem tudo o que apresenta essas características é verdadeiro. Por exemplo, tudo que é verdadeiro é consistentemente lógico, mas nem tudo o que é logicamente consistente é verdadeiro.

Além disso, todas essas visões pretendem ser verdadeiras porque suponham corresponder à como as coisas são de fato. Isso indica que todas elas acabam tendo que afirmar algo que rompe com sua própria epistemologia. A Epistemologia Cristã, por outro lado, não é hipócrita e autodestrutiva em sua alegação. A verdade é definida justamente como aquilo que corresponde à realidade, seja ela concreta ou abstrata. Várias passagens Bíblicas mostram que verdade é aquilo que corresponde à realidade dos fatos e mentira, aquilo que não corresponde à realidade dos fatos:  O que é a Verdade?


Mandem algum de vocês buscar o seu irmão enquanto os demais aguardam presos. Assim ficará provado se as suas palavras são verdadeiras ou não. Se não forem, juro pela vida do faraó que ficará confirmado que vocês são espiões!” - Gn 42:16
Não darás falso testemunho contra o teu próximo. - Ex 20:16
Disse a serpente à mulher: Certamente não morrerão!” - Gn 3:4
Então perguntou Pedro: Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade?” - At 5:3
Se o que o profeta proclamar em nome do Senhor não acontecer nem se cumprir, essa mensagem não vem do Senhor. Aquele profeta falou com presunção. Não tenham medo dele.” - Dt 18:22
Vocês enviaram representantes a João, e ele testemunhou da verdade.” - Jo 5:33
Se tu mesmo o interrogares, poderás verificar a verdade a respeito de todas estas acusações que estamos fazendo contra ele.” - At 24:8

Uma visão de correspondência de verdade é muito importante eticamente, sem ela não poderíamos identificar uma mentira, nem dizer que a mentira existe. Ainda, sem uma visão de correspondência de verdade, não seriam possíveis nem mesmo comunicar fatos e informações sobre a realidade. 

_____________

Bibliografia:

A Subjetividade é a Verdade. Éder Junior Moraes, Fabio Junior Batistella e Leossandro Carlos Adamiski. <http://coral.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/014e1.pdf>
Filosofia Contemporânea: Lógica, Linguagem e Ciência. Marcelo Carvalho e Vinicius Figueiredo. <http://www.anpof.org/portal/images/XV_Encontro_ANPOF/textos_PDF/ANPOF_XV5.pdf#page=17>
Richard Rorty: Relativismo ou Etnocentrismo Sobre a Verdade. Eduardo Barbosa Vergolino. <http://www.mackenzie.br/fileadmin/Chancelaria/GT7/Eduardo_Barbosa_Vergolino.pdf>
Geisler, N. (2015). Teologia Sistemática 1. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembleias de Deus
Gretter, F. P. (2012). As possíveis verdades sobre a mentira. Filosofia Ciência & Vida, Ano IV – Edição 70. 

***
Autor: Bruno dos Santos Queiroz
Divulgação: Bereianos