domingo, 13 de abril de 2014

A LIBERDADE DO PODER DE DEUS

O Senhor se apresenta na Bíblia como o Deus Todo-Poderoso (Onipotente), com capacidade de fazer todas coisas segundo a sua vontade (cf Sl 115.3; Dn 4.35; Ef 1.11).
Deus não satisfaz necessariamente as nossas expectativas. Ele cumpre sempre suas promessas, nem sempre como imaginamos que ele vá fazer. Deus tem compromisso com o que prometeu, não com o que achamos que ele deveria ou não fazer.
Sadraque, Mesaque e Abede-Nego não sabiam se sobreviveriam à condenação do rei; no entanto, tinham certeza que nada, nem ninguém poderia impedir o Deus soberano. Eles conheciam o seu Deus e o serviam. Eles demonstravam também que a acusação feita era parcialmente verdadeira, eles não serviriam nem adorariam a deuses estranhos, que nada são: “Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste.”(Dn 3.17-18).
  Eles sabiam que Deus age como determina agir, tendo plenos poderes para levar adiante a sua determinação (cf Sl 115.3). Deus, através de Isaías, falando a respeito da futura destruição da Babilônia, diz: “… o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade”(Is 46.10b).
Os amigos do profeta Daniel estariam cheios de motivos para dizer que Deus os libertaria; afinal, eles estavam naquela situação devido à sua fidelidade a Deus. Mas eles não comprometeram a sua fé por um desejo natural de sobrevivência. Deus não lhes prometera preservá-los naquela prova, portanto, eles não poderiam falar por Deus. O que eles sabiam é que o Deus sábio é soberano tinha poder para livrá-los e, se assim desejasse, nem a fornalha nem o rei poderiam impedi-lo. Contudo, o seu poder não estaria condicionado a esta circunstância. Deus sabe o que é melhor para nós ainda que não entendamos perfeitamente isso.
Hoje tem-se ouvido pelo mundo certas “teologias” que ensinam  que o crente não deve aceitar as adversidades da vida. Assim, ele deve “determinar” a Deus o livramento. É engraçado que na Bíblia não existe nem um verso se quer que dá base para esse tipo de pensamento. Dizem que crente não sofre mais. Onde está escrito isso? O próprio Senhor Jesus nos diz que no mundo passaremos por aflições (cf Jo 16.33). Mas nele somos vencedores. Também não podemos cair no fatalismo e dizer: “bom já que é assim então, já era!” O que aprendemos na Bíblia é que Deus é soberano e seu cuidado para com seu povo também é soberano e perfeito.
Precisamos aprender a confiar em Deus e nas suas promessas; no entanto, devemos também aprender a não confundir os nossos anseios com o propósito de Deus, ainda que aqueles sejam considerados por nós santos e justos. No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada.”(Sl 115.3)

Por Rev. Ronaldo P. Mendes