quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

SAUDADES...QUANTAS SAUDADES!

Quando olhamos para trás, sentimos saudades de tantas coisas pequenas, mas que eram ao mesmo tempo, tão preciosas.

Para uns, a bolinha de gude. Para outros, o jogar pião, a pipa, a amarelinha.
Também o futebol na rua, nas quadras...O sentar na calçada, e, simplesmente conversar.
Rir, sim, rir a toa. O abraço do pai, o beijo da mãe...

Agora, adultos, e, tão cheios de nós mesmos, conhecemos a Deus, fomos então a uma denominação, que, acreditavamos ser o "lugar ideal".

A gente louvava a Deus, sem pretenções, a não ser o louvar a Deus. A gente orava, para nossa familia ser salva, nossos amigos, o mundo...
As pregações falavam de arrependimento. A Palavra tinha imenso valor.

A gente se reunia para orar por uma só pessoa, buscando de Deus, resposta de salvação.
A gente estudava a Palavra de Deus, para compreendermos melhor as escrituras, e para anunciar o evangelho da graça, sim, do favor imerecido de Deus, sobre nossas vidas.

Eu me lembro que a gente chorava, pelos nossos pecados, pela nossa miséria.
Ahhh...e como doía o coração! Deus socorre-nos, ajuda-nos!
Quanto mais Deus se aproximava de nós, mais sentíamos o nosso pecado.

Havia prazer de ouvir uma pregação, que, exortava, consolava e edificava.
Como era bom ouvir Elias. Jeremias, para onde foi que não te ouvimos mais?

Ezequiel, suas palavras que vinham de Deus, aonde ficaram?
Paulo, onde estão as verdades que salvaram milhões de pessoas; pessoas que ousaram dar suas vidas por Jesus?

Pedro, Tiago e Tomés? Onde estão?
Silas, volte; suas palavras tão intensas...precisamos delas.

Saudades...quantas saudades!

Luiz Carlos