segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Por que o Diabo é nosso inimigo?

Por Thiago Oliveira


Sei que pode parecer uma pergunta estranha. Mas, você já parou para pensar o porquê que o Diabo é nosso inimigo? Antes de você achar que estou ocioso o bastante para este tipo de elucubração, peço encarecidamente que releia a pergunta e reflita sobre as implicações que resultarão da resposta.

Pois bem, se o Diabo não fosse nosso inimigo, ele seria nosso aliado. Este seria um problema muito grave. Sabemos que Satanás se rebelou contra Deus e que por isso tornou-se o seu opositor. Por não ter condições de intentar contra o Senhor dos Senhores, o Inimigo devota todo o seu furor para perseguir e destruir os crentes em Cristo Jesus que formam a Santa Igreja Universal. Devemos glorificar a Deus por termos Satanás como o nosso arquirrival.

Glorificar a Deus por isso? Como assim? Calma que tem uma explicação. E ela se encontra no primeiro livro da Bíblia, aquele mesmo que relata a nossa origem e a origem das coisas criadas: o Gênesis. Lá, no relato da Queda, veremos que a nossa inimizade com o Diabo, a antiga serpente, faz parte do plano gracioso da redenção. Deus por sua providência criou esta inimizade. Tudo faz parte do seu decreto eterno e imutável de eleger para si um povo exclusivamente seu. Isso mesmo, a nossa inimizade com o Príncipe das Trevas tem a ver com a nossa Eleição.

Vejamos o que diz Genesis 3:15:

Porei inimizade entre você e a mulher, entre a sua descendência e o descendente dela; este ferirá a sua cabeça, e você lhe ferirá o calcanhar".

A Serpente tentou Eva. Esta por sua vez convenceu Adão e ambos caíram em desgraça quando comeram do fruto da árvore proibida. Ali, homem e mulher, morreram espiritualmente e desfiguraram a Imago Dei (Imagem e Semelhança Divina). Deus, como de praxe, caminhava pelo Éden e o primeiro casal ao ouvir os seus passos procurou fugir da sua presença. Eles sabiam muito bem o que tinham feito... Deus os chama e Adão responde: “
Nos escondemos de ti, estávamos nus”. O Criador retruca: “Quem lhes revelou isso? Por acaso vocês comeram do fruto da árvore que eu proibi que comessem?” Logicamente Deus já sabia de tudo o que acontecera, afinal, Ele é soberano. Mas ali ele dá uma oportunidade para que Adão confesse a sua culpa. Todavia, Adão estava envolto pelo pecado e transfere a culpa para Eva. A mulher faz a mesma coisa e coloca a culpa na Serpente. Que desastre!

Mas é aqui que encontramos a misericórdia de Deus de uma maneira vívida e clara. Ao invés de destruir aquele primeiro casal rebelde e obstinado, o Senhor, vai separar aquela aliança maldita para preservar a humanidade de ter o mesmo destino derrotado de Satanás. Note que Gênesis 3:15 diz que:

1. Foi Deus que pôs em lado oposto a Serpente e a Mulher. Senão fosse esta iniciativa Divina, o primeiro casal ainda estaria em oposição contra o seu Criador e Senhor.
2. A inimizade se perpetuará através da descendência da Serpente e da descendência da Mulher. Serão dois “exércitos” opostos que vão ter enfrentamentos até a consumação do mundo.
3. Da descendência da Mulher virá aquele que esmagará a cabeça da Serpente, ou seja, destruirá definitivamente as obras malignas de Satanás.

Aqui temos a primeira promessa messiânica. Gênesis 3:15 aponta para Cristo e sua obra redentora. Se há homens e mulheres que tem Satanás por inimigo, apesar da associação natural com a causa satânica, isto só é possível porque Deus fez uma aliança com aquele primeiro casal e separou uma linhagem para si. Esta linhagem que surge da semente da mulher está desde aquele episódio guerreando contra a semente do pecado. Uma semente provém de Deus, a outra provém de Satanás. Uma é a semente da degeneração (Adão) e a outra é a semente da redenção (Cristo).

Isto é observável desde Caim e Abel, passando por egípcios e hebreus, Davi e Golias e etc. De um lado aqueles que são do “exército do mundo ou do Diabo”. Do outro temos os soldados do “exército de Deus”. Não existe meio termo nesta batalha. É por isso que o próprio Jesus vai dizer em Lucas 11:23: “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha”. Escrevendo aos efésios, Paulo diz que éramos integrantes das hostes do Inimigo (Ef 2.2), satisfazendo nossos desejos carnais e não a vontade de Deus (Ef 2.3) e que apenas por ter sido Deus misericordioso (Ef 2.4) ele nos deu uma nova vida por meio de Cristo nos salvando sem merecermos (Ef 2.5). Isto é graça!

Tudo o que acontece no mundo pode ser explicado por este prisma. Como não existe ninguém neutro, os que não servem a Cristo são servos de Satanás e fazem o que lhe agrada. Se sofremos com os ataques do vil tentador, devemos nos lembrar que só sofremos tais investidas por conta do beneplácito do Senhor que nos colocou em oposição a Serpente. Também temos a nosso favor o registro da vitória mediante a Cristo. Fincados nele somos mais-que-vencedores (Rm 8.37). Os nossos sofrimentos presentes não se comparam com o que nos será revelado no porvir (Rm 8.18).

Em Apocalipse 12, uma visão dada ao apóstolo João nos assegura a vitória concreta e certa. O Dragão (a antiga Serpente) foi derrotado e a Igreja triunfou sobre eles por meio de Cristo. O Dragão, o que acusava incansavelmente os cristãos, foi derrubado (v.10). A Igreja vence não pelos seus recursos humanos, mas como está escrito: “E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho” (v.11). Reitero que devemos nos regozijar pelo fato de sermos oponentes desse Dragão, pois isso revela que fomos selados para estarmos com Deus por toda Eternidade. Ser inimigo do Diabo é ter a evidência de que fomos salvos pela graça.

Louvado seja Deus!

***
Divulgação: Bereianos
.