sexta-feira, 1 de abril de 2016

CRENTES SOFREM COM POSSESSÃO DEMONÍACA?

E Pedro, chamando-o à parte, começou a reprová-lo, dizendo: Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá. Mas Jesus, voltando-se, disse a Pedro: Arreda, Satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens.”(Mateus 16.22-23).
Há muito tempo tem sido ensinada, em alguns púlpitos, uma doutrina que traz uma enorme insegurança e desespero para a vida de crentes professos. Trata-se da doutrina que admite a possessão demoníaca na vida de crentes salvos por Jesus. Afirma que Satanás e seus anjos têm o poder de tomar o corpo do crente. Acredito que esse erro está baseado em acontecimentos com crentes nominais que só participam da igreja, mas nunca foram transformados pelo poder do Espírito Santo. E isso realmente pode acontecer. Eu particularmente (e infelizmente) já presenciei um caso assim.  
O Novo Testamento revela várias características de Satanás e seus demônios. Frequentemente, muitas enfermidades físicas estavam relacionadas a ações demoníacas. Por exemplo, o mudo que Jesus libertou, registrado em Mateus 9.32-33 e o jovem que estava possesso em Marcos 9.17-18.  Mas o fato de um homem ser mudo não quer dizer que ele esteja possuído por demônios. E não devemos concluir que pessoas com algum distúrbio mental estejam possuídas por demônios. Nem todas as enfermidades são sinais da manifestação demoníaca.
Os demônios temiam e sentiam-se sujeitos à autoridade de Jesus. Além disso, eles tinham um conhecimento superior ou sobrenatural e habilidade de predizer o futuro. Podemos claramente ver isso no livro de Atos. Lucas relata que eles encontraram na segunda viagem missionária de Paulo, uma jovem possessa por um espírito adivinhador (Atos 16.16-18).  Esta dava lucro aos seus senhores. Mas Paulo, com a autoridade de Cristo, expulsou o espírito: “… Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela. E ele, na mesma hora, saiu.”(v.18).
Os Reformadores reagiram fortemente contra os exageros nas práticas e supertições que envolviam demônios na Idade Média. No final do século XVI, a prática de expelir demônios tinha sido abolida na Igreja Luterana. Algo que muitas igrejas modernas têm abraçado. O demônio hoje está em alta. É a celebridade da igreja. Algumas denominações o colocam em pedestal e o chama para dar entrevista.   
Embora os demônios continuem a agir, o nível e severidade das atividades deles descritas no Novo Testamento são únicas. Satanás, por assim dizer, lutou como pode para evitar a vitória do Messias. Com a Ressurreição e o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes, o reino satânico foi severamente restrito (cf Mateus 12.29; Marcos 3.27; Colossenses 2.15; Apocalipse 12.5,9-12). Entretanto, os apóstolos Paulo e João advertiram os crentes que no final dos tempos as atividades de Satanás e seus demônios aumentariam (cf 2Tessalonicenses 2.7-12; 1Pedro 5.7-8).
Mesmo os demônios sendo reais e poderosos, não há razão para acreditarmos que possam possuir um cristão verdadeiro. Podemos ser assediados, tentados ou acusados pelos demônios, mas nunca controlados por eles. O texto de Mateus 16.22-23 nos traz o exemplo de Pedro. O apóstolo tinha permitido ser influenciado por Satanás. Assim o seu ponto de vista insensatamente humano, o fazia como um instrumento do diabo. Mas ali estava a graça de Jesus que não permitiu que ele fosse tomado pelo demônio. O diabo pode, sim, nos influenciar. Por isso há advertência na Bíblia para não darmos lugar a ele (cf Efésios 4.27; Tiago 4.7).
Crentes em Cristo não ficam possessos por Satanás. Veja as razões:
1. O crente é habitado pelo Espírito Santo – “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?”(1Coríntios 3.16). Ele jamais se ausenta. E  de forma alguma há possibilidade de convivência do maligno no corpo onde o Espírito Santo habita (Romanos 8.9; Efésios 2.1-2). Se somos convertidos ao Senhor Jesus, nossa vida é outra. Ele nos libertou do império das trevas onde Satanás escraviza o homem (cf Colossenses 1.13). O nosso coração e nosso corpo é o templo do Espírito e não de Satanás. O sangue de Cristo nos garante isso.
2. O crente verdadeiro pertence a Deus – “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”(1Pedro 2.9). Se pertencemos a Deus, o maligno não nos toca (cf 1João 5.18). A propriedade é exclusiva. Ou seja, propriedade particular de Deus e mais ninguém.
Paulo declara em Efésios 1.14 que os crentes são "propriedades de Deus". O maravilhoso é que  o Espírito Santo é o "penhor" da nossa futura ressurreição, ou seja, a garantia de que não estamos órfãos (João 14.18) e a nos garante também a vida eterna (1 Coríntios 15.52).
3-Somos guardados no amor de Cristo: “Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”(Romanos 8.38-39). O crente jamais será esquecido pelo Senhor Jesus, Ele o ama de forma perfeita. Judas escreveu: “Judas, servo de Jesus Cristo e irmão de Tiago, aos chamados, amados em Deus Pai e guardados em Jesus Cristo”(Judas 1). Jesus é o Senhor absoluto de sua casa (cf I Pedro 2.5) que somos nós.
Conclusão:
Não podemos negar que Satanás e seus anjos podem exercer certa influência na vida do crente. Eles investem com todas suas armas para nos destruir. Como Pedro escreveu, o diabo quer nos devorar como um leão feroz (cf 1Pedro 5.8). No entanto, a Bíblia nos dá a direção para  não cairmos em seus laços: Resistindo-o (Tiago 4.7), ou seja, lutando contra suas artimanhas e para isso, dependendo apenas do poder de Deus; Evitando toda forma de mal (cf 1Tessalonicenses  5.22), quando damos lugar para o pecado, Satanás se aproveita das fraquezas. Precisamos também controlar o nosso temperamento, como por exemplo, a ira, amargura etc., quando não controlamos damos lugar ao diabo (cf Efésios 4.27).
Que Satanás é um inimigo feroz, não há dúvida. Mas possessão demoníaca para um crente é conversa de quem não conhece a Palavra de Deus. Somos do Senhor, salvos verdadeiramente em Cristo. Tornamos-nos a morada do Espírito Santo. E essa morada é permanente. É bem certo que com pecados, nós o entristecemos (cf Efésios 4.30), que temos que vigiar para não apagar o seu fogo em nós (cf 1Tessalonicenses 5.19). Mas não significa que ele vá nos abandonar e deixar nosso corpo livre para o diabo. O Salmo 90 nos traz promessas maravilhosas para aquele que tem o Senhor como o seu refúgio e confia nele: “… ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo.”(Salmo 90.3-4). E Cristo nos diz: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”(João 8.36). Amém! 
Por Rev. Ronaldo P. Mendes