sábado, 11 de junho de 2016

O Amor de Deus: Limitado, Universal ou Incompreendido? - John Kulp

Na raiz de algumas das questões doutrinárias mais difíceis da fé cristã está a falta de entendimento do amor de Deus e sua relação com a graça de Deus. Existem aqueles, por exemplo, que declaram que o amor de Deus não iria permitir que algum pecador viesse a perecer ou ir para o inferno; este ensino é chamado de "Universalismo". Há cinco anos o líder de uma mega-igreja chamado Rob Bell escreveu um livro neste sentido no qual afirma que as pessoas recebem uma eternidade de oportunidades após a morte para responderem ao amor de Deus, e por isso ninguém iria se perder no final. Do outro lado do espectro teológico, por assim dizer, estão aqueles geralmente conhecidos por "hiper calvinistas", que afirmam que quando o Senhor Jesus disse a Nicodemos em João 3:16 que "Deus amou o mundo de tal maneira", o que ele teria realmente dito foi que Deus amou o mundo dos "eleitos", e não todos os seres humanos.

Sabedoria é, em parte, a capacidade de distinguir entre conceitos similares que diferem de maneira significativa. Os conceitos de amor e graça, apesar de estarem intimamente ligados, não são usados indistintamente nas Escrituras. Em 1 João 4 lemos que "Deus é amor", e entendemos por essa expressão que amor é a natureza inerente de Deus. Alguém já disse que a declaração de que "Deus é amor" nos revela a energia de Sua natureza, enquanto "Deus é luz" (1 João 1:5) nos fala da pureza de Sua natureza, a qual exige Sua justiça. Acredito que seria correto declarar que o amor de Deus é a mola de toda a Sua atividade no universo, começando com a criação e culminando na reconciliação de todas as coisas com base na infinita obra de Seu Filho na cruz para tirar o pecado, a qual foi feita de uma vez para sempre "na consumação dos séculos" (Hebreus 9:26).

A graça de Deus, por outro lado, é o meio pelo qual Deus, na perfeição de Seu amor, executa Seus propósitos nas vidas dos pecadores perdidos e incapazes. A graça é eficaz, pois Deus sempre cumpre o que Ele determina fazer por graça nas vidas de Seus eleitos (Filipenses 1:6; Efésios 2:10). Por mais difícil que possa ser compreender isso, esta graça nos foi dada "antes da fundação do mundo", a nós que somos salvos (2 Timóteo 1:9). As Escrituras não mencionam o amor de Deus como tendo esta particularidade, pois o amor é o motivo e o modo como Ele opera para com todos, enquanto a graça tem em vista a bênção eterna da alma individualmente, e a graça infalivelmente atinge sua meta em conformidade com o propósito de Deus (Efésios 1:3-12). João Calvino escreveu sobre a "graça irresistível", mas já que este termo possui uma conotação questionável, como se indicasse uma entrada forçada em alguém, podemos com mais precisão e cuidado falar da "graça eficaz" de Deus. Na verdade, dizer que "a graça vence" seria muito mais correto do que repetir o mantra Universalista que diz que "o amor vence", pois a graça é eficaz, enquanto o amor é o que motiva.

E que tremendo motivo foi o amor de Deus! Tanto que podemos declarar e pregar enfaticamente que Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Jesus como propiciação por "todo o mundo" (1 João 2:2), e que todos os homens são convidados, tanto a irem a Ele como a se arrependerem, já que a propiciação permite que Deus seja misericordioso ao mesmo tempo em que permanece perfeitamente justo. Quando pecadores rejeitam e desobedecem o chamado do evangelho até seu derradeiro fôlego, eles sofrem a separação permanente do amor de Deus e do Deus de amor (Romanos 8:39; Mateus 22:13; Lucas 14:24). Todavia, o amor de Deus não fica comprometido ou diminuído por ele ter de julgar o ímpio, pois julgamento é Sua "estranha obra" (Isaías 28:21). Portanto, tanto o "Universalismo" como o"Hiper calvinismo" são pontos extremos da discussão do amor de Deus, e por isso nem valem a pena serem levados a sério.

Mas graça é o favor imerecido de Deus para com pecadores individualmente, os quais não são nem um pouco melhores do que "os que perecem" — é por graça que Deus os escolhe, vivifica, salva e glorifica. O mais elevado prazer de Deus agora e sempre é o de glorificar a Si mesmo na Pessoa de Seu Filho por intermédio de nós que somos salvos, que somos os beneficiários das "riquezas de Sua graça". E para que não nos tornemos demasiadamente ocupados com nossos próprios interesses e benefícios na questão de Deus agir em graça, lembremo-nos de que a redenção, aceitação e adoção do crente será, ao longo de toda a eternidade, "para o louvor da glória de Sua graça" (Efésios 1:3-12).