quarta-feira, 12 de julho de 2017

A Ordem dos Decretos no Supralapsarianismo - Robert L. Reymond

Resultado de imagem para a ordem dos decretos



Reymond menciona Clark explicitamente aqui:

À luz dessas dificuldades com o arranjo infralapsariano da ordem dos decretos divinos, os supralapsarianos, incluindo pensadores reformados eminentes como Theodore Beza de Genebra, William Whitaker e William Perkins na Igreja da Inglaterra do século XVI, Franciscus Gomarus e Gisbertus Voetius na Holanda do século XVII, William Twisse, primeiro presidente da Assembleia de Westminster e, nos últimos tempos, Geerhardus Vos, oferecem outro arranjo. Mas a maioria dos supralapsarianos, depois de colocarem o decreto discriminante na primeira posição, por alguma razão inexplicável, então abandonaram a percepção supralapsariana de que "ao planejar, a mente racional passa do fim aos meios em um movimento retrógrado" e organizam os decretos restantes não em uma ordem retrógrada, mas na ordem em que os eventos a que eles se referem ocorreram historicamente (o efeito de que tornar-se-á claro à medida que avançamos). Assim, o arranjo supralapsariano mais comum (porém inconsistente) é o seguinte:

1. A eleição de alguns homens para a salvação em Cristo (e a reprovação dos outros);
2. O decreto para criar o mundo e ambos os tipos de homens;
3. o decreto da Queda;
4. O decreto de redimir os eleitos, que agora são pecadores, pela obra de Cristo na cruz;
5. O decreto para aplicar os benefícios redentores de Cristo aos pecadores eleitos.

Uma análise desse arranjo da ordem dos decretos mostrará (porque o decreto discriminante é colocado como principal de todos os outros decretos com os outros, depois na ordem em que os eventos a que se referem ocorreram na história) que, no ponto de discriminação, Deus é representado como discriminante entre os homens simplesmente como homens, na medida em que o decreto relativo à queda não vem até o ponto 3.
Outros supralapsarianos, como (possivelmente) Jerome Zanchius (1516-1590) (47), Johannes Piscator (1546-1625), Herman Hoeksema (morreu em 1965) (48), e Gordon H. Clark (1902-1985) (49), sugeriram, com variações menores entre eles, que os decretos deveriam ser organizados na seguinte ordem:

1. A eleição de alguns pecadores para a salvação em Cristo (e a reprovação do resto da humanidade pecadora para dar a conhecer as riquezas da graciosa misericórdia de Deus aos eleitos);
2. O decreto de aplicar os benefícios redentores de Cristo aos pecadores eleitos;
3. O decreto de resgatar os pecadores eleitos pela obra de Cristo na cruz;
4. O decreto da Queda;
5. O decreto de criar o mundo e os homens.

Nesse último esquema, o decreto discriminatório está na primeira posição com o decreto de criação na última posição. Também deve ser notado que, nesse esquema, ao contrário do primeiro, Deus é representado como discriminante entre os homens vistos como pecadores e não entre os homens vistos simplesmente como homens. A eleição e salvação desses pecadores eleitos em Cristo torna-se o decreto que unifica todas as outras partes do único propósito eterno de Deus. Esta revisão do esquema mais comum aborda a objeção infralapsariana de que o supralapsarianismo descreve Deus como discriminatório entre homens vistos simplesmente como homens e não entre os homens vistos como pecadores. Como é que este esquema revisado é capaz de descrever Deus como discriminante entre os homens como pecadores, mesmo que o esquema infralapsariano (mas por uma razão obviamente diferente), ficará claro à medida que elucidamos os dois princípios que regem essa revisão da ordem supralapsariana.

A primazia do Princípio de Particularização

Por serem convencidos de que a Escritura coloca a graça particularizadora de Deus em Jesus Cristo, o Alfa e Ômega, no início, no centro e no fim de todos os caminhos e obras de Deus, os supralapsarianos que oferecem a revisão, ou consistentemente supralapsariana, tornam o princípio de particularização o princípio primário e unificador do propósito eterno de Deus (a propósito, todos os supralapsarianos compartilham essa preocupação). Portanto, esses supralapsarianos acreditam que é apropriado e necessário organizar os decretos de que cada decreto é feito para servir a esse princípio primário. Consequentemente, eles adotam as posições quarta e quinta respectivamente, após os decretos explicitamente redentores, o decreto lapsariano e o decreto de criação, a fim de tornar a própria Queda e até mesmo a própria criação o propósito particularista de Deus. Contrariamente à afirmação infralapsariana de que "na Bíblia, a criação nunca é representada como um meio de executar o propósito de eleição e reprovação" (50), todos os supralapsarianos insistem que o mundo criado nunca deve ser visto como à parte atividade redentora de Deus, totalmente divorciada do propósito particularizante de Deus, da preocupação última do "propósito eterno" de Deus, e como cumprindo algum(s) propósito(s) geral(s) não relacionado(s) com a obra redentora de Cristo. Eles insistem assim no fundamento de que tal representação da criação quebra a unidade do único propósito eterno de Deus e fornece uma base dentro do próprio decreto eterno para o desenvolvimento de uma teologia natural não bíblica. Como vimos, eles estão convencidos de que Efésios 3:9-11 afirma expressamente que o propósito da criação é subserviente ao propósito redentor de Deus e que a mesma subserviência é sugerida em Romanos 1:20 e 8:19-23. Em suma, eles estão convencidos de:

1. Que Deus criou todas as coisas para que Ele possa manifestar através da comunidade redimida, a Sua igreja, a glória da Sua sabedoria e graça, de acordo com o propósito eterno que consumou em Cristo Jesus, nosso Senhor (51);
2. Que Ele determinou que a revelação da criação por Seu "eterno poder e divindade" condenaria o reprovado; e
3. Que a criação, por sua aflição reflexiva e glória, se identificaria com a aflição e a glória da igreja.


Referências:
(47) Veja Jerome Zanchius, The Doctrine of Absolute Predestination, traduzido por Augustus M. Toplady (Grand Rapids, Mich.: Baker, 1977). Richard A. Muller em Christ and the Decree (Grand Rapids, Mich.: Baker, 1986) argumenta que Zanchius era um infralapsariano (112), mas Otto Gründler sustenta que ele era de fato um supralapsariano (Die Gotteslehre Girolami Zanchis und irhe Bedeutung für seine Lehre von der Prädestination [Neukirchen, 1965], 112). Veja também L. Leblanc, Teses Theologicae (Londres, 1683), pág. 183.
(48) Herman Hoeksema, Reformed Dogmatics (Grand Rapids, Mich.: Reformed Free Publishing Association, 1966), págs. 161-65.
(49) Gordon H. Clark, "The Nature of Logical Order" (documento não publicado apresentado no Third Annual Meeting of the Evangelical Theological Society [Terceiro Encontro Anual da Sociedade Teológica Evangélica]).
(50) Charles Hodge, Systematic Theology (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1954), vol. 2; pág. 318.
(51) Veja Efésios 1:6,12,14; 2:7, onde Paulo declara que tudo o que Deus fez para o cristão (de acordo com Seu propósito eterno), Ele fez "para louvor da glória de Sua graça, pela qual nos fez agradáveis a Si no Amado" e "para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da Sua graça pela Sua benignidade para conosco em Cristo Jesus".

Via: Comentário no Grupo Gordon Clark Discussions