terça-feira, 4 de julho de 2017

Jó: Um estudo sobre o sofrimento do justo (parte 1) por John Piper

Jó: reverência em meio ao sofrimento - Estudo de Jó (parte 1) por John Piper

Jó: reverência em meio ao sofrimento - Estudo de Jó (parte 1) por John Piper

A resposta correta do justo ao sofrimento e a calamidade

Um dos meus deveres como seu pastor é pregar e orar de tal maneira que você esteja preparado na mente e no coração para não amaldiçoar a Deus no dia da sua calamidade. Mas, que você possa, em vez de amaldiçoar, adorar a Deus e abençoá-lo como o vosso Pai livre e soberano, não importa quão intensa ou profunda a dor que ele trouxer para sua vida.

A dor desconcertante e inesperada

Praticamente todos vamos experimentar uma calamidade amarga, mais cedo ou mais tarde, na vida. E, você pode anotar que, sem dúvida, a calamidade irá parecer ser algo absurdo, sem sentido e imerecido quando vier. Você pode estar sentado em um restaurante em El Salvador ou a pé em uma rua de Paris ou fazendo uma conexão no vôo de Atenas. Você pode estar se barbeando e cantando um hino quando você começa a sentir o nódulo em seu pescoço.Você pode estar comprando a comida para a família, quando, de repente você percebe que seu filho de dois anos de idade, está desaparecido. Parecerá muito absurdo, e você vai gritar: "Por quê?" uma centena de vezes antes que a nuvem desapareça de cima da sua cabeça. A maioria de nossa dor não vem claramente como um castigo pelos nossos pecados. A maior parte dela vem do nada e confunde nosso senso de justiça. É por isso que o livro de Jó é tão relevante. O sofrimento de Jó parece vir do nada e não tem conexão com seu caráter. Sua história foi registrada para nós para que possamos ter alguma ajuda na vida no meio destas calamidades, e não apenas manter um senso de dignidade, mas para nos curvarmos de forma reverentemente e confiante diante da bondade soberana de Deus. Hoje vamos olhar para a seção de Jó, que se estende até o capítulo 2:10. Vamos atravessá-la primeiro para obter uma visão geral e, em seguida, recuar e tirar algumas verdades úteis para as nossas vidas.

O caráter de Jó e suas bênçãos

O versículo 1 nos apresenta ao homem Jó e ao seu caráter. Ele era "íntegro e reto, temente a Deus, e afastava-se do mal". Se o sofrimento é concebido como um castigo para o mal, Jó não era um candidato provável. Ele se desviava do mal, porque ele temia a Deus. Ele perseguia o que era correto e evitava o mal. Sua reputação é inocente. Sua reverência a Deus governa tudo que ele fazia. Os versículos 2-3 descrevem a forma como Deus o tinha abençoado em sua justiça. Ele tinha sete filhos, três filhas e um grande número de ovelhas e camelos, bois e servos. Ele foi o maior de todos os povos do oriente. Os versículos 4-5 descrevem uma situação específica que mostra o temor que Jó tinha de Deus e a retidão em relação a seus filhos. Toda vez que seus filhos e filhas se reuniram para um banquete, Jó se levantava cedo na manhã seguinte e oferecia holocaustos para cada um apenas no caso de algum deles tivesse pecado ou amaldiçoado Deus nos seus corações. Em outras palavras, ele era extremamente zeloso, pela honra do nome de Deus, para que não fosse profanado, e ele era extremamente vigilante para o bem de seus filhos, não querendo que qualquer um deles chegasse à ruína. Ele era um homem bom.

A calamidade de Jó

Em seguida, veio a calamidade. Vá até o versículo 13. Foi em um desses dias de festa, quando todos os dez de seus filhos estavam reunidos na casa do irmão mais velho. Primeiro (14-15) vem um mensageiro a Jó e lhe diz que os sabeus tinha atacado e roubado todos os seus bois e jumentos, e matado todos os servos com eles. Então (v. 16) outro mensageiro chega e diz que o fogo de Deus caiu e destruiu todas as suas ovelhas e os servos com eles. Então (v. 17) outro mensageiro chega e diz que os caldeus invadiram o rebanho de camelos e levado todos eles e matou os servos. E, finalmente, (v. 18-19) vem a mensagem de que todos os seus filhos foram esmagados até a morte, quando um tornado provocou que a casa onde estavam desabasse. Note-se que duas das calamidades foram causadas por homens maus, os sabeus (v. 15) e os caldeus (v. 17). E duas foram causadas pelo o que chamaríamos de "atos de Deus", o fogo no versículo 16 e um tornado no versículo 19.

Um olhar para o céu para compreender os acontecimentosna Terra

Toda a prosperidade de Jó se foi em uma única tarde. Mas, o que está acontecendo aqui? Para ver o que está acontecendo, temos de olhar para fora do mundo. Este mundo sozinho nunca responde às grandes questões da vida. A resposta se encontra no céu. Assim, o escritor nos dá um vislumbre do céu para entender melhor o que está acontecendo na Terra.

Um encontro entre Deus e Satanás

Os versículos 6-12 descrevem um encontro entre Deus e Satanás. No versículo 7 Satanás diz que ele passa seu tempo indo para lá e para cá na terra. Então Deus coloca em exibição um troféu em que ele se deleita muito. Ele diz: "Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus, e que se desvia do mal. " É como se um ladrão de diamantes se encontrasse com o proprietário de uma joalheria tarde da noite. O proprietário diz: "O que você está fazendo?" E o ladrão responde: "Estou apenas passeando em sua loja." E, em seguida, o proprietário diz: "Você viu o nosso diamante mais precioso lá na frente?"

Deus coloca Jó em um problema

Agora eu quero descartar a possibilidade de que Deus é um trapalhão. Deus nunca diz, "Opa errei!". Isso nos deixa com uma possibilidade: Ele está criando um problema para Jó. Ele está muito orgulhoso de Jó. O temor que Jó tem de Deus, encantou o Senhor de uma forma muito profunda. Mas, Satanás não se impressiona. No versículo 9 ele insinua que Jó não é um exemplo tão grande de reverência para com Deus. Ele diz que o temor de Jó, para com Deus, é porque Deus o fez ficar rico. "Porventura teme Jó a Deus debalde?” Satanás insinuou que Jó teme a Deus, apenas porque isso vai significar riqueza, saúde e prosperidade, isso é tudo. E Satanás disse a Deus no versículo 11: "Mas estende a tua mão, e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se não blasfema contra ti na tua face. " Deus poderia ter dito: "Eu não preciso provar nada para você ou qualquer outra pessoa. Eu sei o que está no coração de meu servo Jó, e isso é suficiente para mim." Ele poderia ter, mas neste caso ele não o fez. Deus escolhe obter uma vitória sobre Satanás para a sua própria glória. Um teste vai mostrar que no coração de Jó o próprio Deus está em mais alta estima do que qualquer posse ou qualquer membro de sua família. Então, Deus diz no versículo 12: "Eis que tudo quanto ele tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão."

A resposta reverente de Jó

Em seguida, vêm as calamidades. Jó perde toda a sua riqueza e seus filhos. Que diabos está acontecendo? A resposta é que algo de imensa importância celestial está acontecendo. Deus está no processo de demonstração para as hostes celestiais (e quaisquer outros que têm olhos para ver) que ele próprio é o mais importante no coração de Jó. A reverência de Jó não é mercenária, como se o próprio Deus não fosse de valor. Não, a reverência de Jó é baseada no valor de Deus por quem Deus é em si mesmo. A revelação desta verdade é tão importante que Deus está disposto a submeter o seu servo ao sofrimento e à pobreza, a fim de torná-la conhecida. Os versículos 20-21 registram a vitória. "Então Jó se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou. E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o SENHOR o deu, e o SENHOR o tomou: bendito seja o nome do SENHOR. " Satanás provou estar errado. Jó não amaldiçoou a Deus quando ele perdeu sua riqueza e seus filhos. Ele adorou e ele louvou a Deus. E assim o valor superior de Deus tornou-se evidente para todos. E o propósito de Deus na criação de Jó foi cumprido, a revelação do valor de Deus.

A doença de Jó

Mas, assim como Jó estava se recuperando do choque de perder a sua riqueza e seus filhos, ele contrai uma doença fatal. Em 2:7-8 diz que foi ele angustiado "com úlceras malignas, desde a planta do pé até ao alto da cabeça. E Jó tomou um caco para se raspar com ele; e estava assentado no meio da cinza." De acordo com Jó 07:05, ele estava coberto de furúnculos, como feridas que se abriram e corria com pus e depois ficou obstruído com sujeira e infestada de vermes. Não foi um caso leve de sarampo. Foi uma coisa horrível a partir do topo de sua cabeça até a planta de seus pés.

Outra visão do Céu

É esta a recompensa para resposta reverente de Jó, em relação a perda de seus filhos? Mais uma vez perguntamos: "O que está acontecendo aqui?" E mais uma vez a resposta não é dada no mundo, mas no céu. Em 2:1-6 o Senhor coloca novamente Jó em exibição diante de Satanás.Versículo 3: "Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal, e que ainda retém a sua sinceridade, havendo-me tu incitado contra ele, para o consumir sem causa." E novamente Satanás desafia a autenticidade da reverência de Jó. Ele diz que Jó só é reverente, porque Deus preserva sua saúde. O versículo 4 diz: "Então Satanás respondeu ao SENHOR, e disse: Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida. Porém estende a tua mão, e toca-lhe nos ossos, e na carne, e verás se não blasfema contra ti na tua face!" Então, novamente a dignidade de Deus é desafiada. É o próprio Deus que Jó adora ou é os prazeres terrenos da família, dos bens e da saúde? Jó tem mostrado que Deus é mais valioso para ele do que a família e os bens. Mas e sobre a saúde? Então, para mostrar que ele é o único tesouro de Jó, Deus dá o seu servo na mão de Satanás para a destruição de sua carne. Versículo 6: "Eis que ele está na tua mão; porém guarda a sua vida." Em outras palavras, por trás dessas calamidades terrenas aparentemente absurdas, há transações celestiais de importância infinita. Quando Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev se encontraram para uma conferência, em Genebra, o mundo inteiro estava olhando, porque eles sabiam que essa conferência, devia ser sobre assuntos importantes. Quanto mais importante deve ser o assunto em jogo quando o próprio Deus se reúne para conversar com o seu arqui-inimigo Satanás! A demonstração do valor de Deus na fé e reverência de seu povo é a questão mais importante no mundo.

A vitória da fé de Jó

Mas, quando a saúde de Jó começa a falhar, isso prova ser demais para sua esposa. Ela tinha sofrido com ele a perda de seus filhos e de suas riqueza. Mas agora com a vida de seu marido se esvaindo deixando-a totalmente desamparada, a sua fé desmorona. Verso 9: "Então sua mulher lhe disse: “Ainda reténs a tua integridade? Amaldiçoa a Deus, e morre." Isso deve ter criado um sorriso esperançoso no rosto de Satanás. Mas depois vem a vitória esmagadora da fé de Jó. No versículo 10, ele diz: "Porém ele lhe disse: Como fala qualquer doida, falas tu;
receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios." Confortos e calamidades vêm das mãos de Deus. Essa confiança sólida, na soberania de Deus, Jó não abriu mão e nem devemos nós abrir mão! Imagine Satanás no céu rodeado por 10.000 anjos aguardando a resposta de Jó. Então Jó responde, e, sem saber, 20 mil braços são levantados e 10.000 vozes poderosas gritam, "Digno é o Senhor Deus de Jó!" E o que Satanás faz? Ele foge da presença do louvor de Deus. Você já se perguntou o que Pedro quis dizer quando disse (em 1 Pedro 5:8), “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo."? Ele quer dizer que quando você sofre, o caminho para resistir a Satanás é ser como Jó e manter a confiança na bondade livre e soberana de Deus, não para amaldiçoá-lo,
mas para reverenciá-lo. Quando você assim o fizer, todo o céu grita a vitória e Satanás
é derrotado. "Que aqueles que sofrem segundo a vontade de Deus, fazer o certo em
confiar suas almas ao fiel Criador" (1 Pedro 4:19). Agora vamos voltar e tirar do texto quatro verdades teológicas e três implicações
pessoais.

Quatro verdades teológicas

1. O objetivo de Satanás é destruir a nossa alegria em Deus.

Ele usa duas armas: a dor e o prazer. Ele usa a dor para nos fazer sentir que Deus é impotente ou hostil. Ele usa o prazer para nos fazer sentir que Deus é supérfluo. Ele falhou ao tentar afastar Jó de Deus nos dias de seu prazer e prosperidade. Então, ele ataca a alegria de Jó centrada em Deus através da dor. Ele falha novamente. Mas não há dúvida do que Satanás procura nossa vida: seu objetivo é destruir a nossa alegria em Deus e substituir o tesouro de Deus com os tesouros terrenos de riqueza, família e saúde.

2. Deus tem como objetivo ampliar o seu valor na vida de seu povo.

O grande objetivo de Deus na criação e redenção é preservar e mostrar o infinito valor da sua glória. A maneira como ele faz isso é através do resgate de um povo que o ama e se uni a ele e o adore acima de todos os tesouros e prazeres terrenos. O espelho que ele escolheu para a refletir seu valor é a alegria indestrutível de seu povo. Eles não vão trocá-lo por nada que este mundo pode oferecer.

3. Deus concede a Satanás poder limitado para causar dor.

Em 1:12 Deus diz a Satanás: "Eis que tudo quanto ele tem está em teu poder; somente contra ele não estendas a tua mão." E em 2:06 Deus diz: "Eis que ele está em seu poder, apenas guarde sua vida." Deus estabelece os limites do poder de Satanás para causar dor. Nosso Deus não é frustrado pelo poder e sutileza de Satanás. Satanás não pode fazer um movimento sem a permissão do Deus Todo-Poderoso. Ele pode ser um leão. Mas ele é um leão em uma coleira. E Deus tem as rédeas dele e lhe dá folga de acordo com seus propósitos de Deus soberano. William Henry Green, em seu grande livro, ‘O argumento do Livro de Jó revelado’ (.1874, reeditado 1977, James e Klock, pp 63f), diz de Satanás: Com todo o seu ódio contra Deus e contra o seu povo, ele não pode emancipar-se do controle soberano, que o liga ao serviço de Deus. Em todos os seus desenhos blasfemos ele está, apesar de si mesmo, fazendo o trabalho de Deus. Em seus esforços rebeldes para destronar o Altíssimo, ele está
realmente pagando-Lhe homenagem submissa. Em mover céus e terra para realizar a perdição daqueles a quem Cristo redimiu, ele está na verdade equipando-os e
preparando-os para a glória. Maligno como ele é, cheio de amargura e malignidade, e com toda intenção para o mal, ele é obrigado a ser o que ele mais detesta, e está sempre distante de suas intenções e desejos, servindo de forma útil e auxiliando os projetos de graça divina. Assim como os filhos de Deus, que se reúnem na presença da infinita majestade para receber as comissões do Rei dos reis, prontos para realizar suas ordens e para executar a sua vontade, Satanás é, embora de forma relutante, e em um sentido diferente, um espírito que ministra aos que hão de herdar a salvação.

4. A obra de Satanás é, em última análise a obra de Deus.

Você notou que, nas duas cenas celestiais, Deus entregou Jó ao poder de Satanás? Mas, quando Satanás tinha feito seu trabalho de tirar a riqueza e a família de Jó, Jó disse em 1:21: "O Senhor o deu e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor". Jó diz que foi, em última análise o próprio Senhor que tirou sua família e riqueza. Em seguida, o escritor inspirado do livro faz um comentário para evitar um mal-entendido. Para que ninguém diga que Jó não deveria ter atribuído a obra de Satanás para Deus, ele escreve (v. 22), "Em tudo isto Jó não pecou, nem atribuiu a Deus falta alguma." Não é pecado dizer que o que Satanás fez, Deus fez em última instância, porque Deus reina sobre Satanás. Da mesma forma na segunda cena celestial Deus diz (02:06) a Satanás: "Eis que ele está em seu poder, apenas guarde sua vida." Em seguida, o versículo 7 faz com que seja muito explícito que "Satanás saiu da presença do Senhor e afligiu Jó com feridas terríveis." Mas, novamente no versículo 10 Jó diz: "Devemos receber o bem das mãos de Deus, e não receberemos o mal?" Em outras palavras Jó novamente reconhece a soberania de Deus sobre Satanás e diz que sua doença veio de Deus. Satanás pode ter sido a causa mais próxima, mas em última análise, é de Deus.
E mais uma vez o escritor inspirado nos adverte para não criticar Jó aqui. Ele escreve no final do versículo 10, "Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios." Não é um pecado dizer que uma doença que Satanás causou "vem do Senhor." A rocha de refúgio para Jó e a esperança quando tudo parecia estar se desintegrando era a soberania absoluta de Deus. O que me leva, finalmente, para. . .

Três implicações pessoais

1. Vamos nos juntar com Jó e afirmar com todos os nossos corações asoberania absoluta de Deus.

Digamos com o salmista (115:3), "Nosso Deus está nos céus; ele faz o que lhe agrada." Vamos dizer com Daniel (4:35), "Ele faz segundo a sua vontade no exército do céu e os moradores da terra, e ninguém pode deter a mão ou dizer-lhe: 'Que fazes?'" Vamos fazer a soberania absoluta de Deus a rocha sobre a qual construímos nossas vidas e nossa igreja.

2. Deixe suas lágrimas fluírem livremente quando sua calamidade vem.

"Então Jó se levantou, e rasgou o seu manto, e rapou a sua cabeça, e se lançou em terra, e adorou" (1:20). Os soluços de tristeza e dor não são o sinal de incredulidade. Jó não conhece as declarações irreverentes, insensíveis, e superficiais de "Louvado seja Deus de qualquer maneira" como resposta ao sofrimento. A magnificência de seu culto é porque ele estava em luto, não porque ele substituiu a tristeza. Deixe suas lágrimas fluírem livremente quando sua calamidade vem. E que o resto de nós chore com os que choram.

3. Confie na bondade de Deus, e que ele seja o seu tesouro e sua alegria.

Mesmo se Deus tivesse deixado Satanás tirar a vida de Jó, nós sabemos o que Jó teria dito. Ele teria dito o Salmo 63:3, "A benignidade do Senhor é melhor que a vida." Quando a sua calamidade vem, que o Senhor lhe dê a graça para afirmar a soberania de Deus, deixar suas lágrimas fluírem livremente, e deixar que o próprio Deus seja o seu tesouro e sua alegria. Amém!