domingo, 24 de maio de 2015

Minha breve confissão cristã. Respostas para alguns argumentos



Por Klarystone P. Leal


1° - Com base nas Escrituras Sagradas, tenho menção e entendimento que o "Amor" que foi ensinado e dito por Jesus Cristo é amar a Deus de toda a alma, coração e entendimento; semelhantemente, amar ao próximo (Mt 22.37-40). Amar também é julgar e ponderar erros contrários aos ensinamentos das Escrituras, isto é, não é discórdia condenar algo que se contradiz aos ensinamentos de Cristo. Saibamos que amar é o mesmo que se colocar ao pé de justiça, porque o amor não é omisso e nem se comporta de modo inconveniente (1Co 13.5,6).

2° - Ser verdadeiro servo de Deus, não é o mesmo que basear-se em crer nEle somente, e sim, testificar os frutos da fé. Acreditar que Deus existe e dizer que Ele é Senhor, até os próprios demônios creem e se estremecem (Tg 2.18-26), fé é muito mais além do que simplesmente acreditar em Deus, fé é produzir frutos.

3° - Condenar de "discórdia" uma refutação sem antes ter base no conhecimento da mesma é pretensioso. Cristo não deixou de julgar de maneira veemente os fariseus, escribas, saduceus e mestres da lei quando eles não estavam em conformidade com as Escrituras, primeiro como base, eles não tinham amor a Deus de todo o entendimento e também não amavam ao próximo, mas eles se colocavam como superiores aos demais (Mt 15.1-6; 23.1-7; Lc 18.10-13). Quando as Escrituras dizem (Mateus 7.22,23): "Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres? Então eu lhes direi claramente: Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês que praticam o mal!"

Com base nos estudos das Escrituras, por meio de oração e amor, argumentar isso contra um irmão é excelente, a partir do momento que ele estiver dando total valor ao pecado e praticando heresias, pois acredito que eu como os demais seres humanos somos imerecedores da graça de Deus porque somos pecadores, mas por meio de Cristo, os seus são justificados, salvos e vivem para a justiça e retidão sem querer se vangloriar (Sl 53.2,3; Rm 3.23,24; Rm 8.29). Não esqueçamos que antes dos versículos 22 e 23 de Mateus 7, também tem os versos 21 e 24, isto é, "observar os mandamentos de Deus e os por em prática", aqueles que isto não fazem e se dizem "servos de Cristo", realmente, serão comparados a aqueles que Cristo dirá: "Apartai-vos de mim, vocês que praticam o que é mal".

4° - Sobre o evangelismo, as Escrituras são claríssimas; para evangelizar não depende da permissão do pastor ou de algum líder para isso fazer, a partir do momento que me foi anunciado o evangelho e eu cri, e conheço as coisas acerca do Reino de Deus e de Cristo, é meu dever quanto aos demais ir evangelizar. As Escrituras não dizem: "Peça permissão ao seu pastor ou líder, e, se ele te autorizar, vá por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura." na verdade, as Escrituras dizem: "Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado." e mais, "Pois, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, porque me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!" (Mc 16.15-16; 1Co 9.16).

5° - Dizer ser homem ou mulher mais do que alguém, exaltar as suas obras e não conhecer as Escrituras, nas quais nos falam acerca da vontade de Deus e de Cristo, não só é um absurdo como também é uma terrível tolice. Primeiro é que tanto Cristo como os demais cristãos, conheciam e tinham acesso as Escrituras (Mt 4.3-10; At 6.3; At 8.4,30-35; At 17.11). O servo de Deus exala sabedoria, e para ser realmente sábio, é necessário antes temer a Deus; quem realmente é servo do Senhor, também o teme (pois o temor é o que faz o homem andar em retidão e integridade para com o próprio Deus) e quem teme, torna-se sábio (Jó 28.28; Sl 19.9; Pv 1.2-7; Pv 2.5; Pv 9.10; Pv 14.27; Pv 15.33; Pv 16.6).

Fazer as coisas para o serviço de Deus envolve de tudo, e não se pode haver restrição; limitar a caprichos é completamente tolice.

6° - O Cristão não interpreta a Bíblia para os seus meios próprios, jamais deve, e sim para exaltar o nome de Cristo e glorificá-lo; interpretar a Bíblia para falar com animais é a pior barbaridade já houvida, agora, compare essa confissão com a interpretação de "ler a Bíblia para falar com animais", como isto é incrivelmente diferente. Vamos lá, qualquer tipo de ensinamento, doutrina ou pregação que não condizer com o evangelho já ensinado pelos apóstolos e profetas de Cristo (At 2.42; Gl 1.6-9; Ef 2.20; Ef 3.5; Hb 1.1; Hb 3.1; 2Pe 3.2; Jd 1.17), isto é, a Bíblia, que esse herege seja maldito e mentiroso, seja ele anjo ou qualquer outro, quem permanece na heresia e aprova aos que fazem o mesmo, não lhe será em vão a condenação do fogo do inferno, não lhe será em vão esta maldição, porque as coisas que eles falam são do mundo e o mundo os houve (Gl 5.20; Rm 1.29,32; 2Pe 2.1; 2Ti 4.3,4; 1Jo 4.1-6; Jd 1.18; Ap 20.10).

Submetemo-nos a vontade de Deus por aquilo que Ele nos diz por meio de Sua Escritura, não sejamos ouvintes, mas praticantes da Palavra, porque se a vide não produz frutos ela é cortada e lançada fora ( Jo 15.1-6; Tg 1.21-24).

***
Divulgação: Bereianos