domingo, 14 de abril de 2013

Pregação e Vislumbres do Calvário


C. J. Mahaney
calvario.jpg (7K)
Na segunda metade da minha entrevista com Mark Dever, ele descreve um momento importante no início da sua trajetória como pregador, quando ele recebeu uma crítica atenciosa e perscrutadora de um presbítero da igreja chamado Bill Behrens. Depois que Mark pregou um sermão, o presbítero amavelmente chamou a atenção para uma ausência percebida por ele: o Evangelho.
Mas Mark não está só.
Lembro-me da correção dada a um certo um jovem pastor chamado Martyn Lloyd-Jones (na época ainda na faixa dos seus20 anos). Depois que Lloyd-Jones pregou como convidado em certa igreja, um dos pastores da cidade aproximou-se dele para corrigi-lo quanto à sua negligência da cruz. Mais tarde, Lloyd-Jones refletiu nessa correção e escreveu:
Eu era como Whitefield no início da minha carreira de pregação. Primeiro eu pregava a regeneração; que os esforços pessoais de qualquer homem na moralidade e na educação são inúteis, e que nós precisamos de um poder externo a nós mesmos. Eu assumia a expiação, mas não a pregava e nem a justificação pela fé somente. Este homem me fez refletir e eu comecei a ler mais amplamente em teologia.
Se um pastor como Lloyd-Jones precisava dessa correção, se Mark Dever precisava dessa correção, quanto mais todos os pastores precisam dessa correção!
"Depois que Mark pregou um sermão, o presbítero amavelmente chamou a atenção para uma ausência percebida por ele: o Evangelho."
Aqui vai minha experiência pessoal.
Anos atrás, na Inglaterra, eu estava pregando uma série sobre a vida de Davi, recomendando o seu exemplo e comparando-o a Salomão. Ao longo da série eu comparei e contrastei Davi e Salomão e tirei das vidas deles lições pertinentes para pastores.
Ao término do seminário, fui abordado por um homem piedoso, mais velho, chamado Henry Tyler (que havia servido sob Lloyd-Jones). Embora Henry esteja agora com Deus, minha memória dele permanece vívida.
Henry aproximou-se de mim depois da segunda das duas sessões do seminário e – com peculiar cuidado – proporcionou-me encorajamento específico. É claro que me encorajava o fato de que este pastor mais velho, mais bem treinado, mais experiente, tomasse tempo para me encorajar.
Depois de ter me encorajado, Henry sábia e adequadamente fez a transição para manifestar uma preocupação e uma crítica. Com um sorriso carinhoso no semblante, ele levantou a mão direita e apontou para o céu e disse: "C.J., lembre-se: alguém maior que Salomão veio!"
Naquele momento eu ouvi mais que a voz de Henry Tyler. Eu estava imediatamente preso e afetado por aquela declaração. Até hoje posso me lembrar até mesmo do lugar onde eu estava de pé momentaneamente congelado por aquela correção.
"...os puritanos sabiam que o viajante pelas terras bíblicas perde-se no caminho tão logo perca de vista a colina chamada Calvário."
Tudo o que eu ensinei naqueles sermões estava claramente fundamentado nas Escrituras. Entretanto, eu havia falhado em chamar atenção para o enredo da Bíblia. Eu não tinha chamado a atenção para aquele que é maior que Davi. Eu não preguei o Evangelho.
Esta breve e profunda crítica alterou minha pregação daquele dia em diante.

Nunca assuma o Evangelho

Nós nunca devemos assumir o Evangelho. Sempre temos que assumir que aqueles a quem nós servimos precisam ouvir o Evangelho sempre novamente. Qualquer sermão que pregarmos estará incompleto e insuficiente até que nós explicitamente façamos referência a Cristo e este crucificado.
No livro A Quest for Godliness: The Puritan Vision of the Christian Life (Uma Busca pela Piedade: A Visão Puritana da Vida cristã), J.I. Packer escreve:
A comissão dos pastores é declarar todo o conselho de Deus; mas a cruz é o centro daquele conselho e os puritanos sabiam que o viajante pelas terras bíblicas perde-se no caminho tão logo perca de vista a colina chamada Calvário.
Todo sermão deve ter um vislumbre da colina chamada Calvário, porque cada passagem das Escrituras aponta para a cruz. No livro Christ-Centered Preaching (Pregação Cristocêntrica), Bryan Chapell escreve:
Em seu contexto, toda passagem possui um ou mais de quatro focos redentivos. Todo texto é profético quanto à obra de Cristo, preparatório para a obra de Cristo, refletivo da obra de Cristo, e/ou resultante da obra de Cristo.
"Seja na leitura bíblica pessoal de um pastor ou na pregação semanal das Escrituras, nós nunca podemos perder de vista o Calvário. Em todo sermão deve haver algum vislumbre do Calvário."
E porque todo texto bíblico aponta para a cruz, todo tópico deveria igualmente dirigir-nos à cruz. Thomas Jones diz: "Nenhuma doutrina bíblica pode ser fielmente estabelecida diante dos homens a menos que seja exibida em sua relação com a cruz."
A mensagem da cruz é central à comissão do pregador. Deve estar presente em todo sermão, ser cultivada a partir de todo texto da Bíblia e estar embutida em todo tópico e doutrina cuja intenção seja nutrir a igreja.

Estrabismo

Seja na leitura bíblica pessoal de um pastor ou na pregação semanal das Escrituras, nós nunca podemos perder de vista o Calvário. Em todo sermão deve haver algum vislumbre do Calvário.
Minha oração pelos pastores da Sovereign Grace é para que eles construam igrejas que se reúnem esperando por um vislumbre do Calvário. Oro para que até mesmo enquanto a Bíblia é lida antes do sermão, nossas igrejas aguardem com profunda expectativa pelo ponto no sermão em que o Calvário será tornado visível. E quanto mais aparentemente obscura for a passagem, mais excitados eles ficarão de que desta passagem, em algum ponto durante o sermão, a visão espiritual deles será guiada para a colina chamada Calvário.
Por isso nunca perca de vista o Calvário e nunca deixe que aqueles a quem você serve percam de vista o Calvário. Em cada sermão deixe que haja um vislumbre da colina do Calvário e do que estava sendo realizado lá por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Notas:
• Martyn Lloyd-Jones citado por Iain H. Murray, D. Martyn Lloyd Jones: The First Forty Years (1899–1939) (Edinburgh: Banner of Truth, 1982), p. 191.
• J.I. Packer - A Quest for Godliness: The Puritan Vision of the Christian Life (Wheaton: Crossway Books, 1990), p. 286.
• Bryan Chapell - Christ Centered Preaching: Redeeming the Expository Sermon (Grand Rapids: Baker Books, 2004), p. 275.
• Thomas Jones citado em Christ Centered Preaching: Redeeming the Expository Sermon, p. 271.

Fonte: Extraído do blog do Sovereign Grace Ministries

Tradução: Juliano Heyse