quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A IRA DA DEUS




“Pelo que a ira do SENHOR se acendeu contra esta terra, trazendo sobre ela toda a maldição que está escrita neste livro.” (Deuteronômio 29.27). Não podemos comparar a ira de Deus com a ira humana. A ira humana está alicerçada no pecado, porém a de Deus está relacionada à justiça que é um dos Seus atributos. Para entendermos a ira de Deus, precisamos entender como o Senhor manifesta a Sua justiça:

Justiça Absoluta – Deus é infinitamente justo em si mesmo.

Justiça Relativa – Justiça que se manifesta em dar a cada um segundo o seu merecimento (Deuteronômio 4.5-9; Apocalipse. 16.7).

1 - Distinções aplicadas à Justiça de Deus

Justiça governativa – Deus é governante dos bons e dos maus. Ele é o Legislador ou aquele que aplica leis: “Porque o SENHOR é o nosso juiz, o SENHOR é o nosso legislador, o SENHOR é o nosso Rei; ele nos salvará.” (Isaías. 33. 22 ver também Tiago. 4.12).

Justiça distributiva – Está relacionada à distribuição das recompensas para os obedientes ,e, dos castigos aos desobedientes e rebeldes:”Dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas ações. Ai do perverso! Mal lhe irá; porque a sua paga será o que as suas próprias mãos fizeram.” (Isaías. 3.10-11), e também: “Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um, portai-vos com temor durante o tempo da vossa peregrinação,” (1Pedro. 1.17),

Justiça Remunerativa – Recompensa distribuídas aos seres racionais homens e anjos, em virtude daquilo que fazem de bom: “Será, pois, que, se, ouvindo estes juízos, os guardares e cumprires, o SENHOR, teu Deus, te guardará a aliança e a misericórdia prometida sob juramento a teus pais; ele te amará, e te abençoará, e te fará multiplicar; também abençoará os teus filhos, e o fruto da tua terra, e o teu cereal, e o teu vinho, e o teu azeite, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas, na terra que, sob juramento a teus pais, prometeu dar-te. Bendito serás mais do que todos os povos;” (Deuteronômio. 7.12-14a). Obs. Essa justiça faz parte do pacto de Deus com o homem. O homem não merece, mas é uma expressão da bondade de Deus.

Justiça Retributiva - Ou justiça punitiva: “Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.” (Romanos 1. 32), a própria natureza santa de Deus não permite que ele deixe o pecado sem punição.


2 - DEFINIÇÃO DE IRA DE DEUS

É uma manifestação da vingança divina contra os transgressores da sua Palavra. Para os quais não há manifestação da Sua misericórdia (Deuteronômio 32.39-43; Ex. 22.23-24).

Muitos destacam o amor Deus e se esquecem que ele também é justiça. E nessa justiça está a Sua ira contra o pecado (cf Romanos 1.18, 3.5-6, 9.22). A ira de Deus foi pronunciada pela primeira vez no Éden e se manifestará em plenitude na vinda de Cristo: “Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da face daquele que se assenta no trono e da ira do Cordeiro, porque chegou o grande Dia da ira deles; e quem é que pode suster-se?” (Apocalipse 6.16-17).

2.1 - Características da ira divina.

Sua manifestação é necessária – A santidade de Deus foi manchada pelos homens e exige que a ira de Deus venha sobre os transgressores da sua lei: “Ora, a qual dos anjos jamais disse: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés?" (Hebreus. 1,13).

Deus não odeia o pecado porque ele deseja odiar, mas ele odeia porque a sua natureza santa o obriga a isso: “Longe de ti o fazeres tal coisa, matares o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio; longe de ti. Não fará justiça o Juiz de toda a terra?” (Gênesis 18.25).

Deus quer que o pecador seja punido, embora Ele não tenha alegria nisso – Ezequiel 18.23, 32; 33.11). Não existe distinção entre pecador e pecado, pois o homem é por natureza pecador. Dessa forma não existe a idéia de que “Deus ama o pecador, mas odeia o pecado”. Não há distinção, pois o pecado faz parte do caráter humano.

Todos têm de pagar pelo pecado – Alguns pagarão pessoalmente e outros (os crentes) com um substituto (Jesus).

2.2 - A terrível manifestação da ira de Deus

Os pecadores brincam com os pecados e esquecem que a ira de Deus se manifestará: “Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.” (Hebreus. 10.30 -31).
Julgará o “seu povo”, isto é, os rebeldes de Israel. O autor está encorajando seus leitores a abandonarem seus pecados (cf v.26), para escapar da ira divina.

“…Deus vivo” – contrastando com as divindades pagãs mortas; Deus realmente punirá o pecado (cf Apocalipse 6.16-17), todos estarão diante do Cordeiro.

2.3 - A ira parcial de Deus

Ela está no tempo presente, de modo constante: “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça” (Romanos. 1.18):

Deus destruiu o homem devido ao seu pecado - Gênesis 6.5;
Deus destruiu cidades devido às suas iniqüidades - Gênesis 19.19, 23-29 ;
Deus pune o pecado hoje: “Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem.” (Mateus 24. 37)

2.4 - A ira final de Deus

No Antigo Testamento, o profeta Sofonias fala da ira final de Deus: “Está perto o grande Dia do SENHOR; está perto e muito se apressa. Atenção! O Dia do SENHOR é amargo, e nele clama até o homem poderoso. Aquele dia é dia de indignação, dia de angústia e dia de alvoroço e desolação, dia de escuridade e negrume, dia de nuvens e densas trevas,”(Sf. 1.14-15)

No Novo Testamento vemos a confirmação dessa verdade: “Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam; porquanto estabeleceu um dia em que há de julgar o mundo com justiça, por meio de um varão que destinou e acreditou diante de todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17.30-31 e Apocalipse 6.16-17)

2 – JESUS E A IRA DE DEUS

1 – Ele é o recebedor da ira divina: “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Isaías 53.5)

2 – Ele é o salvador da ira: “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus,… Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo;” (Romanos 3.24; 5.1) - Cristo é o representante dos crentes. Ele retirou a ira de Deus que veio através do pecado de Adão (Gênesis 3).

3 – Ele é o aplicador da ira (será aplicada aos ímpios): “… os perversos não prevalecerão no juízo, nem os pecadores, na congregação dos justos.” (Salmo. 1.5), em outro texto: “E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem.” (João 5.27)

Aplicação Final:

Todos estes aspectos da ira de Deus devem te incentivar a ter:

1- Uma vida de retidão diante de dele: “Mas a impudicícia e toda sorte de impurezas ou cobiça nem sequer se nomeiem entre vós, como convém a santos;” (Efésios 5.3).
2- O arrependimento para escapar da ira de Deus: “Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.” (Romanos 5.9).
3- Consciência de que Deus pune o crente também: “Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio.” (Salmo 32.4).

Infelizmente, não se ouve muito esta mensagem nos púlpitos “poderosos” por aí. Ouvimos muito de um “deus” semelhante ao homem. Às vezes, uma marionete que faz aquilo que é “determinado”. Porém Deus é justo, e essa justiça se manifestará. A irá de Deus pode se acender contra o pecado do homem que brinca de servi-lo. Tomemos cuidado para não criarmos um Deus inclinado para o pecado: “Tens feito estas coisas, e eu me calei; pensavas que eu era teu igual; mas eu te argüirei e porei tudo à tua vista.” (cf Salmo. 50.21). Exorte as pessoas sobre a presente e vindoura ira de Deus: “E assim, conhecendo o temor do Senhor, persuadimos os homens e somos cabalmente conhecidos por Deus; e espero que também a vossa consciência nos reconheça.” (2Coríntios 5.11)

“Portanto, santificai-vos e sede santos, pois eu sou o SENHOR, vosso Deus.” (Levítico 20.7).


Autor do estudo: Rev. Ronaldo P. Mendes