sábado, 26 de janeiro de 2013

NUNCA É TARDE E NADA ESTÁ PERDIDO

Lucas: 23.39-43
Um dos criminosos que ali estavam dependurados lançava-lhe insultos: “Você não é o Cristo? Salve-se a si mesmo e a nós! ” Mas o outro criminoso o repreendeu, dizendo: “Você não teme a Deus, nem estando sob a mesma sentença? Nós estamos sendo punidos com justiça, porque estamos recebendo o que os nossos atos merecem. Mas este homem não cometeu nenhum mal”. Então ele disse: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino”. Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso”. 
 NUNCA É TARDE E NADA ESTÁ PERDIDO
Jesus em Seu ministério não se limitou a ensinar a respeito do perdão, em diversas ocasiões colocou em prática o que pregava, como no caso do  ladrão que estava prestes a morrer e pediu para que fosse lembrado e Jesus não o rejeitou, pelo contrário, o aceitou e fez a promessa de que, ainda naquele dia, aquele criminoso estaria com Ele no paraíso.
Nesse artigo poderíamos tomar o caminho de focar na liberação do perdão ensinado e praticado por Jesus, porém gostaríamos de escrever esse texto a partir da perspectiva do bandido e nos ensinamentos deixados pela sua atitude.
O primeiro grande ensinamento que podemos tirar desse evento é que nunca é tarde para nos arrependermos e nos voltarmos para Deus.
Aquele ladrão estava prestes a morrer, já não havia nenhuma perspectiva de salvação para ele e, diferentemente do outro, que esbravejava, murmurava, e insultava a Jesus, ele se voltou para o Mestre e pede para ser lembrado, ou seja, em outras palavras demonstrou todo o seu arrependimento, pediu perdão e teve como recompensa a resposta que, ainda naquele dia, estaria entrando com Jesus no Paraíso.
A outra grande lição é que a grande maioria das pessoas que seguiam Jesus achara que tudo tinha acabado e ficara muito triste, como comprova o que está escrito em Lucas 24.21, quando um de seus discípulos diz: “E nós esperávamos que era ele que ia trazer a redenção a Israel. E hoje é o terceiro dia desde que tudo isso aconteceu”, ou seja, um total desânimo e descrédito com tudo.
Não contramão disso aquele ladrão viu que o Reino não tinha chegado ao fim, pelo contrário, por isso ele pede para ser lembrado quando Jesus chegasse lá, numa demonstração de fé sem limites. 
Precisamos refletir a respeito do comportamento desse bandido, da percepção que ele teve daquilo que poderia alcançar, de como percebeu quem era Aquele que estava ao seu lado, da visão que teve de que nada estava perdido, apesar da sua situação naquele momento, e da coragem e vontade em procurar se redimir, mesmo nos últimos minutos de sua vida. Nunca é tarde e nada está perdido.