sábado, 22 de fevereiro de 2014

AS TRÊS QUESTÕES MAIS ANTIGAS DA HUMANIDADE


 Ah, se eu soubesse onde o poderia achar! (Jó 23.3)

O livro de Jó é o livro mais antigo da Bíblia. Nele encontramos as três questões clássicas sobre Deus e a eternidade, cujas respostas somente Deus pode nos dar. O raciocínio humano não nos leva um passo adiante, sendo totalmente inadequado para alcançar Deus.

O que Jó quis dizer com as palavras acima? Ele queria o próprio Deus. Estando separado dEle desde a queda, o homem tenta de tudo para encontrá-Lo. Cada religião é uma expressão dessa busca e desse anseio.

Os seres humanos possuem a capacidade de concluir, a partir das maravilhosas obras visíveis na criação que o Criador invisível existe (Romanos 1:20). Somente podemos encontrar Deus quando Ele mesmo Se revela, e a criação é uma das maneiras pelas quais Ele revelou Sua existência, Seu poder e glória.

A revelação de que Deus é luz e amor, contudo, está em outro lugar. A Pessoa do Senhor Jesus satisfaz todos os três questionamentos colocados por Jó. A resposta sobre onde se pode achar Deus foi a encarnação de Cristo: “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou” (João 1:18).

O que nenhuma religião pode nos conceder, o Senhor Jesus Cristo nos dá em Sua Pessoa. Ele veio a este mundo para revelar Deus.

Portanto, se você deseja saber onde encontrar Deus, observe a vida e a morte do Senhor Jesus Cristo. NEle você pode contemplar a grandeza e o amor de Deus, que excedem todo o entendimento humano.

Como se justificaria o homem para com Deus? (Jó 9.2)
Quando alguém reconhece que Deus existe e que Ele é santo, a pergunta feita por Jó no versículo acima começa a surgir: “Como se justificaria o homem para com Deus?”. Ou em outras palavras: “Como pode um ser humano culpado estar diante de um Deus santo sem ser consumido?”

Desde Adão se tem tentado resolver este problema. As respostas se resumem em “obras de justiça”. Os seres humanos tentam realizar o máximo possível de boas obras para atingirem certo grau de justiça que lhes permita obter o favor de Deus. Mas a Palavra de Deus afirma claramente: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23).

Boas obras não podem expiar um único pecado. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie”(Efésios 2:8-9).

Será então que não existe uma saída? Será que essa é uma pergunta sem resposta? De jeito algum! A morte e a ressurreição do Senhor Jesus Cristo é a resposta e a solução. Somente nesse fundamento Deus pode justificar um pecador.

Se Deus simplesmente ignorasse o pecado, Ele Se contradiria. Na cruz, Jesus Cristo suportou o julgamento do pecado e o castigo por nossa culpa. A obra de redenção cumprida pelo Senhor Jesus satisfez plenamente todas as justas demandas de Deus em relação ao pecado. E, por isso, Deus agora pode declarar justa cada pessoa que crê no Senhor Jesus e em Sua obra.

Morrendo o homem, porventura tornará a viver? (Jó 14.14)
A terceira questão que tem preocupado os humanos desde os tempos imemoriais é a questão da vida após a morte. Cada indivíduo carrega em sua alma a consciência de que a morte não é o final de todas as coisas.

A cosmogonia e a cultura dos povos antigos testificam que eles criam em vida após a morte. A doutrina da reencarnação e da transmigração das almas, que reapareceram nas últimas décadas, não são nada novas. Já existiam nas culturas mais ancestrais. Deus colocou “no coração do homem o anseio pela eternidade” (Eclesiastes 3:11 – NVI). E longe ou fora de Deus não há resposta satisfatória nem verdadeira. Aqui também apenas a revelação divina tornará a verdade conhecida.

A Bíblia contém duas afirmações importantes sobre esse assunto:

1. Há vida após a morte, sim! Observe as palavras do Senhor Jesus em Lucas 16:22-23: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos”.

2. Essa parábola torna claro que a decisão quanto ao destino eterno tem de ser feita nesta vida, pois após a morte é muito tarde (Lucas 16:26-31).

Ninguém se engane! Hoje é o tempo de decidir onde você passará a eternidade. “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna” (João 6:47).

Extraído do Devocional Boa Semente