sábado, 10 de agosto de 2013


A Bíblia e o Espírito da Verdade
“Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir”. João 16:13.
Nas palavras de Jesus acima temos uma prova sobre um dos serviços que o Espírito veio prestar à humanidade. Em certo aspecto, Jesus foi um tipo de profeta que veio da parte de Deus anunciar e exortar a todos os homens que voltassem seus olhos para o Criador, abrindo-se às questões essenciais da existência humana, reprimidas em função da crescente corrupção.
Muito se fala sobre o Espírito de Deus, o Espírito Santo, o Consolador. No entanto, embora se diga que Ele é uma pessoa, entre os cristãos evangélicos da atualidade é notório o tratamento de “coisa” dado a esse mesmo espírito.
Digo coisa por notar que a atitude que se tem com relação a Ele, é a de uma força, de um poder místico, sendo sempre representado por elementos da natureza para ser explicado. Em alguns momentos ele é o fogo de Deus, em outros, as águas arrebatadoras, pode ser também um vento impetuoso, ou até um terremoto. Enfim, o Espírito é uma pessoa ou uma coisa?
Quando ouço os crentes orando, dizendo: “vem, Espírito Santo, e derrama sobre nós o seu poder”, assim como se o mesmo fosse uma energia, fico curioso. Já senti essas vibrações em minha vida e confesso que foi bem legal, mas hoje, determinadas experiências que tive têm sido profundamente analisadas sob novas perspectivas. Uma a uma tem sido passada por novos parâmetros de pensamento, revisadas com um juízo racional e teológico, mas também espiritual e objetivo.
Quero entender a razão das coisas e, mesmo que sejam razões das quais se diga ‘inexplicáveis’, quero ver nelas resultados que as justifiquem. Não tenho pressa, pois sei que determinadas ações espirituais só são compreendidas com o passar dos anos e suas razões compreendidas pela história. Também aprendi que as coisas espirituais devem ser avaliadas por pessoas espirituais. Quanto a isto, sinto-me alguém qualificado, pois me entendo por espiritual, não religioso, mas, sim, espiritual.
Voltando às palavras do Cristo, Ele disse que o espírito é Espírito da Verdade. Ora, Jesus é a verdade, como reconhecem os cristãos e o Espírito, que foi enviado por Ele próprio é um eco, uma representação de suas próprias palavras, ações, mandamentos e missão. Em Cristo esteve reservada toda sabedoria de Deus e, na terra, viveu a personificação do que sempre foi invisível aos homens.
O Espírito é a essência, a simbolização do projeto do coração de Deus, que compõe todo o ser interior de Jesus, que é a verdade de Deus revelada aos homens.
Ele disse que quando o Espírito vier, conduzirá os homens por esse caminho de verdade. Por quê? Porque não fala de si próprio, mas sim da Verdade de Deus, Jesus.
Outra questão de sumária importância nessa frase doutrinária de Jesus é que seu Espírito falará de coisas que está ouvindo neste momento e anunciará fatos que apontarão para o futuro.
O que quero propor? Que há uma Verdade sendo revelada neste tempo e uma Verdade sendo mostrada para o tempo futuro. Leia o versículo de novo e veja por si só!
Não estou falando aqui de certo e errado. Conceitos de certo e errado mudam de acordo com a cultura, com o tempo. Estou falando da Verdade, algo absoluto, supremo, que vem da perspectiva de Deus sobre o cosmos e não de uma visão unilateral, aprisionada num cérebro imperfeito, cheio de avarias, ou de uma convenção religiosa humana e corrupta.
Muitos bradam: “eu fico com a Bíblia”, ou “eu prefiro o que a Bíblia diz”. Ora, gente, por favor, me alguém me explique o que a Bíblia fala, senão um monte de palavras que servem de base para as maiores atrocidades da história da humanidade?
Não podemos decifras a Bíblia, tampouco penetrar no coração de Deus através dela. No evangelicalismo brasileiro, o que mais vemos são abusos teológicos e doutrinas estapafúrdias, exploratórias, enganadoras, opressoras.
O que precisamos é do Espírito da Verdade, que não fala de si, mas revela o próprio Deus encerrado no Filho.
Não quero desconstruir a Palavra escrita, mas clamo por uma reforma em nossa maneira de estudá-la. Visões literais, laterais, descontextualizadas, retrógradas estão sendo jogadas na cara das pessoas num tempo inoportuno. Existem coisas certas e erradas que serviram a momentos, mas que não servem mais para outros momentos.
Se assim fosse, andaríamos todos sobre as águas, dividiríamos semanalmente os mares, veríamos profetas subindo todos os anos em carruagens de fogo para o céu. Mas todos concordam que essas aconteceram em outro tempo!
Devemos andar em Espírito para que a revelação de Deus para nosso tempo seja revelada, o resto, é religião. Se precisássemos somente da Bíblia, já não haveria necessidade de existir o Espírito.
Equilibremos a relação da razão e da espiritualidade , entendendo melhor sobre o que é a Verdade em contraste ao que achamos ser certo e errado.