segunda-feira, 17 de março de 2014

Apocalipse 4 - JoÃo É levado ao céu

"Depois destas coisas, olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu, como também a primeira voz que ouvi, como de trombeta ao falar comigo, dizendo: Sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas."
O que mais chama a atenção neste versículo são as duas vezes em que João menciona "depois destas coisas...". Esta afirmação marca uma distinta mudança no livro de Apocalipse. A mensagem de Cristo às sete igrejas já está completa. Agora, Jesus falará acerca do que ocorrerá depois do tempo das igrejas, ou seja, o período de Tribulação.
Segue um detalhe importantísso para ajudar o entendimento sobre o livro de Apocalipse: Jesus diz a João a frase "Sobe para aqui...". É importantíssimo saber, em cada versículo de Apocalipse, se João está descrevendo algo revelado por Jesus do ponto de vista dos céus, ou da terra. De Apocalipse 4 em diante, ele começa a descrever eventos nos céus e na terra, mas tendo o seu ponto de vista a partir dos céus. E nem por isso, o que ele descreve deixará de ser literal.
Muitos se confundem e usam simbolismos em excesso para situações que devem ser interpretadas literalmente. Para não haver confusão, segue um trecho muito interessante do texto escrito pelo Dr. Tim Lahaye, em seu livro Revelation Unveiled (Apocalipse Revelado):
"Siga a regra de ouro da interpretação: quando o significado simples das Escrituras tem sentido comum, não busque outra interpretação; tome cada palavra de acordo com o seu significado primário, comum, geral e literal, a menos que os fatos de um texto imediato, estudado à luz de passagens relacionadas e verdades incontestáveise fundamentais indiquem claramente o contrário. Esta regra sugerida por David L. Cooper proporciona guias básicos para interpretação adequada mu itos símbolos e sinais que se encontram neste livro... Localize a cena exata da atividade... se a cena em discussão ocorre nos céus ou na terra. Também temos que seguir a atividade prestando muita atenção, porque muitas vezes a cena nos céus tem como resultado uma atividade na terra. Por exemplo, os capítulos 4 e 5 são cenas do céu, e o capítulo 6 é uma cena na terra... Com excessão dos capítulos 12 e 17, a maior parte de Apocalipse se desenvolve de forma cronológica. É mais fácil entendermos este livro se esperarmos uma ordem cronológica das seqüências, com excessão destes dois capítulos."
"Imediatamente, eu me achei em espírito, e eis armado no céu um trono, e, no trono, alguém sentado;"
Esta é a tradução literal vinda do grego "me achei em espírito". Achar-se em espírito, no contexto do original em grego, significa que a pessoa foi arrebatada por ação divina. A tradução SBTB (Sociedade Bíblica Trinitariana Brasileira) diz "fui arrebatado no Espírito". Não é coincidência que, logo após a descrição das sete igrejas, João tenha sido arrebatado. A perspectiva que João teve da Tribulação é a mesma da verdadeira igreja que será arrebatada - desde o céu. Ele visualiza o trono de Deus, no terceiro céu.
"e esse que se acha assentado é semelhante, no aspecto, a pedra de jaspe e de sardônio, e, ao redor do trono, há um arco-íris semelhante, no aspecto, a esmeralda"
João finalmente vê Jesus em sua roupa sacerdotal, coberto das mais preciosas jóias. O jaspe descrito em Apocalipse não é a pedra avermelhada opaca que conhecemos. Mais adiante, ela é descrita como sendo um cristal (Apocalipse 21:11). Trata-se, provavelmente, de um rubi, vermelho e cristalino. Pedras preciosas faziam parte das roupas sacerdotais do hebreus.
Havia também o arco-íris, símbolo da aliança de Deus com Seu povo, reforçando a aliançca de Jesus com os que realmente o servem em espírito e em verdade. Este arco-íris tinha cor esverdeada, ao ser comparado com esmeralda.
"Ao redor do trono, há também vinte e quatro tronos, e assentados neles, vinte e quatro anciãos vestidos de branco, em cujas cabeças estão coroas de ouro."
Continuando a descrição do que João viu no céus, há 24 anciãos sentados ao redor do trono principal. Anciãos vestidos de branco. A identidade dos anciãos é a pergunta que até hoje causa controvérsia entre os teólogos. Existe a corrente que sugere que tais anciãos sejam humanos, porque baseiam-se em 1 Crônicas 24, quando Davi dividiu os anciãos em 24 grupos. As coroas, que na Bíblia são a dadas a todos os que merecem o reconhecimento do Senhor, também reforça a hipótese de que sejam seres humanos.
Há outra corrente que defende que os anciãos sejam seres angelicais, porque afirmam que os anciãos jamais testemunham sobre suas próprias salvações e baseiam-se em Apocalipse 5:8-9.
Não é foco deste estudo descobrir se são seres humanos ou anjos. O fato é que anciãos são líderes, e Deus honra os verdadeiros líderes assentando-os ao redor Dele.
"Do trono saem relâmpagos, vozes e trovões, e, diante do trono, ardem sete tochas de fogo, que são os sete Espíritos de Deus."
Relâmpagos, vozes e trovões são sinais do juízo de Deus sobre a terra. Desde os tempos mais remotos, estes sinais eram associados à idéia de juízo. Portanto, conclui-se que os relâmpagos, as vozes e os trovões anunciam a iminência do juízo de Deus que cairá sobre a terra entre Apocalipse 6 e 19.
Os sete espíritos de Deus falam novamente sobre Isaías 11:2, onde se encontram os sete ministérios do Espírito Santo. Clique aqui para mais detalhes. A menorá é a fotografia do Espírito Santo - sete tochas de fogo. A menorá é o único objeto na Bíblia desenhado pelo próprio Deus e justamente retrata o Espírito Santo.
"Há diante do trono um como que mar de vidro, semelhante ao cristal, e também, no meio do trono e à volta do trono, quatro seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás. O primeiro ser vivente é semelhante a leão, o segundo, semelhante a novilho, o terceiro tem o rosto como de homem, e o quarto ser vivente é semelhante à águia quando está voando. E os quatro seres viventes, tendo cada um deles, respectivamente, seis asas, estão cheios de olhos, ao redor e por dentro; não têm descanso, nem de dia nem de noite, proclamando: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir."
O mar de vidro, devido ao vidro ser plano, representa um mar calmo, ou seja, uma estabilidade nos céus, enquanto o caos ocorrerá na terra durante a Tribulação. Existem duas sugestões quanto ao que venha a ser o mar de vidro propriamente:
  1. A igreja repousando após o Arrebatamento
  2. A Palavra de Deus, idéia que vem das águas que saem do Templo e purificam tudo ao redor (ver Ezequiel 47). Sendo assim, a Palavra lava a igreja (Efésios 5:26)
Os quatro seres viventes são os anjos serafins. Suas descrições muito semelhantes às de João estão em Isaías 6:1-3:
"No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava. E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória."
Ezequiel completa as mesmas descrições de muitas asas e inclui mais detalhes dos seres viventes, em Ezequiel 1:5-11:
"Do meio dessa nuvem saía a semelhança de quatro seres viventes, cuja aparência era esta: tinham a semelhança de homem. Cada um tinha quatro rostos, como também quatro asas. As suas pernas eram direitas, a planta de cujos pés era como a de um bezerro e luzia como o brilho de bronze polido. Debaixo das asas tinham mãos de homem, aos quatro lados; assim todos os quatro tinham rostos e asas. Estas se uniam uma à outra; não se viravam quando iam; cada qual andava para a sua frente. A forma de seus rostos era como o de homem; à direita, os quatro tinham rosto de leão; à esquerda, rosto de boi; e também rosto de águia, todos os quatro. Assim eram os seus rostos. Suas asas se abriam em cima; cada ser tinha duas asas, unidas cada uma à do outro; outras duas cobriam o corpo deles."
"Quando esses seres viventes derem glória, honra e ações de graças ao que se encontra sentado no trono, ao que vive pelos séculos dos séculos, os vinte e quatro anciãos prostrar-se-ão diante daquele que se encontra sentado no trono, adorarão o que vive pelos séculos dos séculos e depositarão as suas coroas diante do trono, proclamando: Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas."
Tanto os anciãos como os quatro seres viventes estão adorando a Jesus, que está assentado no trono. Os versículos, no tempo futuro, indicam que esta adoração será por causa da igreja que será arrbatada neste momento e, pela primeira vez na história, os crentes estarão reunidos em volta do trono com seus corpos ressuscitados, cumprindo o propósito da encarnação de Cristo na terra. Ele, sendo Deus, encarnou como homem, morreu na cruz levando o pecado de toda a humanidade sobre si, e ressuscitou (Filipenses 2).
Os seres viventes e os anciãos cantam um lindo louvor de glória e honra a Deus porque Ele é o criador de todas as coisas.