sexta-feira, 21 de março de 2014

Oito razões porque devo crer na Redenção Particular

 .

Por André Fernandes Dantas


1. Porque ela é bíblica. Embora existam tensões em torno dessa doutrina, ela tem embasamento escriturístico (Is 53.4-12; Mt 1.21; At 20.28; Ef 5.25).

2. Porque não há dois pagamentos pelo mesmo pecado. Seria absurdo Jesus morrer e levar os pecados de pessoas que pagarão eternamente pelos mesmos pecados no inferno.

3. Porque Cristo não morreria em vão por pessoas finalmente condenadas. Além do mais, seria o mesmo que pagar o preço de uma mercadoria valiosa sem nunca desfrutar da mesma, ou pior, jamais poder ser o dono dela. Morrer por pessoas que serão condenadas faria o sacrifício de Cristo parecer uma fraude (sabemos que isto não tem fundamento).

4. Porque não seria injusto Cristo morrer apenas pelos eleitos. Injustiça seria tirar o direito de alguém. Como pecadores não têm direito algum diante de Deus, então Ele é Soberano e tem o poder de usar de misericórdia com quem Ele quiser (Rm 9.15-16,18).

5. Porque ela é uma prova de amor salvífico de Deus. É uma falácia declarar que Deus deve amor a todos, e na mesma medida. Ao escolher os Seus amados, ele usa um amor todo especial, o qual é gracioso e se manifesta independentemente de nossas boas obras (Rm 8.29; Ef 2.8-10).

6. Porque é a opção que melhor se encaixa num relacionamento com as outras Doutrinas da Graça. É fato que o homem por estar morto espiritualmente não pode se achegar a Deus (Ef 2.1), e em virtude disso não pode ser escolhido por algo de bom encontrado nele. Por isso, a morte de Jesus foi necessária para consumar o plano de salvação na vida daqueles a quem Deus capacitaria a crer, persuadindo amorosa e docemente a todos os escolhidos, e assegurando pelo Espírito todo o processo rumo à eternidade com o Senhor.

7. Porque a mesma visa a glorificação do Criador, não da criatura decaída. Deus é glorificado não somente na salvação dos eleitos, mas também na reprovação dos ímpios (Rm 9.17-18). O maior alvo de Deus em seu plano não é nem sequer a nossa salvação, mas a Sua própria glória, pois nada pode se equiparar a Ele mesmo.

8. Porque a Bíblia trata a redenção como um fato consumado, não como remota possibilidade. Jamais se vê nas Escrituras Jesus ou qualquer outro mencionar a salvação em termos de mera possibilidade na vida daqueles que creem. A redenção universal ou expiação universal põe em risco esse fato. Se Jesus morreu por todos indistintamente, então todos deveriam ser salvos, pois o propósito da morte de Cristo foi trazer certeza de salvação àqueles por quem Ele morreu, mas a Bíblia fala que muitas pessoas passarão a eternidade no inferno. A doutrina da redenção universal na verdade afirma que a morte de Cristo não garantiu salvação para ninguém. Isso é um absurdo.

***