quarta-feira, 17 de julho de 2013

Quem foi que não provou a morte em Mateus 16.28?


Por Denis Monteiro


"Em verdade vos digo, alguns dos que aqui estão de modo nenhum provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino"  Mateus 16.28 (Cf. Mc 9.1; Lc 9.27)

Quando se cumpriu o que Jesus disse isso?

Para alguns o que Jesus disse se cumpre no Apocalipse, com o apóstolo João e sua visão. E outros interpretam que isso se cumprirá na volta de Cristo. Que pode até ser, mas propriamente dito, em primeira instância não.

Primeiro, porque esta predição não aponta para o apóstolo João e no Apocalipse.

O substantivo "alguns" aponta para uma pluralidade e não para uma única pessoa. O substantivo não diz quantas pessoas são, mas afirma que não será somente uma. Ou seja, no Apocalipse mostra que somente o apóstolo João teve a visão; nisto o texto de Mateus mostra o contrário.

Segundo, porque o que Jesus disse não é futurístico.

Devemos definir o que é Reino. Para alguns, Reino de Deus e Reino dos céus são duas coisas distintas, o que é um engano. Para uma boa compreensão, basta olhar para as parábolas que o evangelista Mateus escreve e as mesmas parábolas que o evangelista Lucas as escreve:

Mateus 13.11 "Respondeu-lhes Jesus: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado;"

Lucas 8.10 "Respondeu ele: A vós é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; mas aos outros se fala por parábolas; para que vendo, não vejam, e ouvindo, não entendam."

Vejam que Mateus diz "Reino dos céus" e Lucas diz que é "Reino de Deus". Logo, Reino de Deus e Reino dos Céus são a mesma coisa.

Então, isso não acontecerá no futuro, propriamente dito, quando Jesus estabelecer o Seu Reino porque o Reino de Deus já está entre nós (Lucas 17.21 Cf. Mateus 3.2; 10.7).

Então quando aconteceu o que Jesus disse?

Como provado acima que tais interpretações estão equivocadas, resta-nos aceitar que Pedro, Tiago e João não passaram pela morte e viram a majestade de Cristo. A Transfiguração satisfaz as exigências do contexto (todos os sinóticos dão logo a seguir a Transfiguração: Mc. 9:1; Lc. 9:27). Mais ainda, Pedro, que era um dos que estavam lá, referiu-se à transfiguração nas mesmas palavras (II Pe. 1:16-18). [1]

De fato, não seguimos fábulas engenhosamente inventadas, quando lhes falamos a respeito do poder e da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo; pelo contrário, nós fomos testemunhas oculares da sua majestade. Ele recebeu honra e glória da parte de Deus Pai, quando da suprema glória lhe foi dirigida a voz que disse: "Este é o meu filho amado, em quem me agrado". Nós mesmos ouvimos essa voz vinda do céu, quando estávamos com ele no monte santo. (2 Pe 1.16-18 - NVI).

Nota:
[1] Comentário Moody (programa Theword)
Fonte: Bereianos