terça-feira, 9 de julho de 2013


Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo; não te queimarás, nem a chama arderá em ti. - Isaías 43.1-5

Fala-se muito sobre “A Cura da Alma”. As pessoas oferecem os mais diferentes recursos para isso. Mas, o que, na realidade, a Palavra de Deus nos apresenta para uma cura verdadeira? Vivemos uma época de grande ansiedade, muito estresse e de depressões sérias e profundas.  Podemos dizer sem constrangimento que a alma humana moderna está saturada e enferma. 

Mas, será que ela deve permanecer nesse estado de conflito e dúvidas lancinantes? Será que não tem nenhum remédio que a alivie, nenhuma ‘”tábua de salvação”, nenhum consolo? Neste monumental texto de Isaías 43.1-5, vemos Deus falando de maneira tão veemente e ao mesmo tempo repassada de profunda ternura quando nos ensina que não há motivo para temer:
1 - A POSSIBILIDADE DA DOR E DO SOFRIMENTO HUMANO 
“Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo; não te queimarás, nem chama arderá em ti.” 

Deus nunca engana aqueles que são seus!
Ao registrar a Palavra de Deus o profeta escreve em letras garrafais e explícitas: quando passares. Isto significa a possibilidade de todo crente passar pela dor, pela angústia, pela tribulação, pelo sofrimento.
Se olharmos atentamente as Escrituras veremos quantos deles foram submersos de corpo inteiro nas profundezas das águas do sofrimento: José, no Egito; Daniel, na cova dos leões; Sadraque, Mesaque e Abednego, na fornalha de Nabucodonosor; Jesus, na agonia do Getsêmani e na dor da cruz.
Quando passares quer dizer que ninguém é isento, de uma maneira ou de outra, dos revezes próprios dos pecadores mortais neste mundo de dor.
2 – A PROMESSA DA PERMANENTE AJUDA DE DEUS
“Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo; não te queimarás, nem chama arderá em ti.” 
Se for provável a dor e o sofrimento, no entanto, não é verdade que os venhamos enfrentar sozinhos. Isaías nos mostra a divina promessa de ajuda quando escreve: eu serei contigo;...eles não te submergirão;...não te queimarás.
Deus nos mostra que sairemos ilesos. Isso se deve ao fato dEle estar com cada um de nós na nossa tribulação, na nossa angústia, na nossa dor, no nosso sofrimento.
Se sempre existiram os santos de Deus que passaram pelo “tribulum” da dor e do sofrimento, também houveram as mãos santas, ternas e carinhosas de Deus, nosso grande amigo e companheiro permanente. 
Assim como o bom pastor que cuida de seu rebanho, o Senhor Jesus cuida de cada um de nós.
3 – O MOTIVO DA GRANDE AJUDA NO LIVRAMENTO 
“porque eu sou o SENHOR, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Visto que foste precioso aos meus olhos, digno de honra, e eu te amei,...” (vv. 1,3-4)

O motivo de toda ajuda e proteção poderá ser visto destas maneiras:
a) Remissão. Eu te remi. Significa que Deus nos reconduziu para o seu aprisco, comprando-nos pelo precioso sangue do seu Filho Jesus.
b) Chamada. Chamei-te. Deus, àqueles a quem escolheu desde os tempos eternos também os chama pelo seu nome.
c) Valor. Foste precioso. O grande valor da alma humana é incomparável e não há nada que pague a não ser o sangue de Jesus.

Portanto, somos livres do poder do diabo e do mundo pelo fato da maneira como Deus nos amou, do modo como nos chamou, nos ajudou e nos livrou. “Porque eu, o SENHOR, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, porque eu te ajudo.” - Isaías 41.13.


Antonio Coine é Pastor Emérito da Igreja Presbiteriana Monte Sião (Botucatu)