quarta-feira, 17 de julho de 2013

Benditas provações


“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação!” - 2 Coríntios 1.3-14

"Li sobre um cristão devoto que foi preso por sua fé e condenado a ser queimado na fogueira. Na noite da execução, ficou imaginando se teria graça suficiente para se transformar em uma tocha humana; assim, testou sua coragem colocando o dedo na chama de uma vela.


Claro que se queimou e, ao sentir a dor, removeu imediatamente o dedo do fogo. Estava certo de que não poderia enfrentar o martírio sem falhar. No entanto, no dia seguinte, Deus lhe deu a graça de que precisou, e ele deu um testemunho jubiloso e triunfante diante de seus inimigos". (Wiersbe.v5.p.826)

1 - As provações nos levam a entender a ação do Pai em nossa vidas
“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação!” (3).
Vejamos o que Paulo diz sobre o nosso Deus:

a) É o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. O fato de ser o Pai do nosso Salvador já indica os nossos privilégios santos.
b) É o Pai de Misericórdias. Misericórdia é a mão do Deus Poderoso que desvia a fúria sobre nós devido o pecado.
c) É o Deus de toda Consolação. Ele é o Deus e Pai que nos consola e nos conforta. Que nos ajuda com força.

Quando os problemas vêm, como você reage? Você reclama ou procura Deus pedindo ajuda?

2 - As provações nos levam a nos aproximar das pessoas em suas necessidades
“É ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus” (1.4,6,7).
Há sempre muitas pessoas que precisam de ajuda. “para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus.

Wiersbe escreveu que: “Quem sente o consolo de Deus na vida pode “consolar os que estiverem em qualquer angústia” (2 Co 1.4b)."

Conta-se que o Revdo. George W. Truett, que pastoreou a Primeira Igreja Batista de Dallas, Texas, durante quase cinquenta anos. Em um de seus sermões falou de um casal de incrédulos, cujo bebê morreu de repente. 

O pastor Truett realizou o funeral e, posteriormente, teve a alegria de levar os pais a Jesus Cristo. Vários meses depois, uma jovem mãe perdeu o bebê; mais uma vez, Truett foi chamado a consolar a família. No entanto, nada do que ele dizia parecia ajudar. 

No culto do funeral, porém, a mãe recém-convertida aproximou-se da moça que havia acabado de perder o filho e disse: -- Também passei por isso e entendo você. Deus me chamou e, através da escuridão, fui até ele. Deus tem me consolado e fará o mesmo por você! 

Disse Truett: ‘O consolo que a primeira mãe ofereceu à outra foi mais significativo do que qualquer coisa que eu poderia ter feito por ela em dias e meses, pois a primeira mãe havia trilhado com os próprios pés o mesmo caminho de sofrimento.”. (Wiersbe)

3 - As provações nos levam a estar mais próximos de Cristo
“Porque, assim como os sofrimentos de Cristo se manifestam em grande medida a nosso favor, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo” (5).
“Aprender a verdade de Deus e assimilá-la em nossa mente é um coisa, mas viver a verdade de Deus e incorporá-la a nosso caráter é outra bem diferente. Deus permitiu que o jovem José passasse por treze anos de tribulação antes de fazer dele o segundo no governo do Egito; e que grande homem José se tornou. Deus sempre nos prepara para o que tem reservado para nós, e parte desse preparo consiste em sofrimento” (Wiersbe).
Cristo sabia o que era ser pobre, cansado, faminto, tentado, desolado, desapontado, odiado, rejeitado, em dor e falsamente acusado. Quando nós sofremos como povo Seu estamos compartilhando em algo que Ele conhece. Nós também podemos saber que Ele irá nos ajudar e nos confortar. Tudo isto ajuda o crescimento de nosso relacionamento com Ele.

Conclusão
O que estes três pontos significam para você?

Antonio Coine é Pastor Emérito da Igreja Presbiteriana Monte Sião (Botucatu)