sábado, 9 de novembro de 2013

O MISTÉRIO DAS ERAS [As Dispensações de Deus]

1
Introdução - Escrevendo a Timóteo, Paulo disse: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2 Timóteo 2:15).

        O estudioso da Palavra de Deus é tratado neste verso como um ”obreiro”. Este não pode fazer inteligentemente o seu trabalho sem ter um plano. Ele precisa de gráficos e especificações. Deus falou a Moisés, referindo-Se ao Tabernáculo: “...Olha, faze tudo conforme o modelo que no monte se te mostrou” (Hebreus 8:5).

        O estudioso da Palavra de Deus deve compreender o Seu plano e propósito para todas as eras, a fim de evitar confusão em sua obra de interpretar as Escrituras.  A palavra “dispensação” é usada quatro vezes na Bíblia. Em cada caso se torna óbvio, a partir do contexto, que Deus está Se referindo a um período de tempo. Em Colossenses 1:25-27 e Efésios 3:2-5, a palavra “era” está subentendia nos vocábulos “séculos” e “dispensação”. Na 1 Coríntios 9:17, Paulo discute sobre o Evangelho especial que lhe foi confiado. Também é interessante observar que a Palavra “dispensação” não aparece antes de Paulo começar a escrever suas epístolas. A razão óbvia é que o mistério das eras, até então, não tinha sido revelado (Efésios 3:5-7). Sem observar essas dispensações e divisões que elas criam, o resultado será uma grande confusão.

Devemos também distinguir entre os “tempos” e as “estações”  das Escrituras (Daniel 2:21). Jesus disse aos Seus discípulos: “Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (Atos 1:7). Jó testificou que “Visto que do Deus Todo-Poderoso não se encobriram os tempos...” (Jó 24:1). Dos filhos de Issacar foi dito que estes eram “destros na ciência dos tempos,” (1 Crônicas 12:32). Por “estações”, devemos entender as mudanças climáticas da Terra, em razão dos movimentos e das características mudanças do sol, da lua e das estrelas, aos quais Deus ordenou que regulassem as “estações”.  (Gênesis 1:14). Quanto aos “tempos”, eles foram designados como “tempos da ignorância” (Atos 17:30); “tempos dos gentios” (Lucas 21:24); “tempos da restauração” (Atos 3:21) e “dispensação da plenitude dos tempos” (Efésios 1:10).




 I - O PLANO ORIGINAL


         Pare se entender de modo correto o que se encaixa entre os dois extremos da eternidade, é necessário possuir algum insight do plano original de Deus, o qual declara que Ele formou a Terra para que fosse habitada (Isaías 45:18). A 2 Pedro 3:13 se refere a este plano, o qual será realizado não apenas no presente, mas também na eternidade.



II - A CRIAÇÃO ORIGINAL - “No princípio criou Deus os céus e a terra”. (Gênesis 1:1).

        Esta criação aconteceu num passado não especificado. Sem dúvida foi uma criação perfeita, pois não há registro de que Deus tenha criado coisa alguma imperfeita.  Até mesmo Satanás era perfeito, quando foi criado (Ezequiel 28:15). Existem pouquíssimas informações na Bíblia sobre a criação original, sobre o que lemos em Gênesis 1:3-31, onde vemos uma recriação e restauração da Terra à sua condição original, antes que ela tivesse se tornado “sem forma e vazia” e submersa em água e trevas (verso 2).



III - O REI DA CRIAÇÃO

Satanás é apontado como “o deus deste século” (2 Co 4:4), na era atual, mais parece que ele também havia ocupado esta posição, já na eternidade. (Ezequiel 28:11-19). É importante perceber que Satanás foi rei sobre uma criação física e espiritual. (Jó 1).



IV - A QUEDA DO REI

A condição caótica da Terra – (Gn 1:2): É geralmente associada à queda de Satanás. O texto mais usado para respaldar essa conclusão é encontrado em Isaías 14:12-16. Na realidade, esta pode ser uma passagem profética, mas, certamente, descreve um tipo de queda anterior de Satanás. Sua queda na eternidade passada é respaldada por uma recriação. Somente uma coisa de tal magnitude poderia ter deixado a Terra “sem forma e vazia”.



A RECRIAÇÃO É RESPALDADA POR: {* NOTA: Hélio e SolaScriptura-TT rejeitam a Teoria da Brecha/Intervalo esposada pelo autor. Ver "TEORIA DO INTERVALO: MAIS UMA DEMÊNCIA TEOLÓGICA DOS EVOLUCIONISTAS TRAVESTIDOS DE CRENTES" - Pedro Almeida, em http://www.baptistlink.com/creationists/gaptheory.htm}

A) - A expressão: “E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom” (Gn 1:31), não aparece no segundo dia da criação. A razão para tal omissão, aparentemente, existe apenas se o leitor perceber a verdade contida em Efésios 6:10-13; Isaías 24:21 e Jó 41:31-32. O segundo céu, no qual se encontram os sistemas solares, as galáxias, as nebulosas, corpos estelares e as constelações, também hospeda os imitadores de Deus - os anjos decaídos e o próprio Satanás.

B) - instruções são dadas ao homem para encher a Terra (Gn 1:28). A definição de “encher’, no dicionário, é “reaver a plenitude anterior”.





A DISPENSAÇÃO EDÊNICA:



Introdução - a recriação da Terra é seguida pela criação dos habitantes da mesma (6º. dia da criação). O homem foi criado “à imagem de Deus” (Gênesis 1:28) e isto explica a razão pela qual o homem tem 2 faculdades, as quais nenhum animal jamais teve ou terá: a faculdade de falar (“No princípio era o verbo” - João 1:1)  e de escrever: “Tua palavra é a verdade desde o princípio” (Salmo 119:160). Por que deveria qualquer revelação legítima de Deus chegar ao homem, de qualquer outra maneira, senão na forma de palavras escritas em um Livro? (ver Salmo 119:89, 105, 130). A imagem é também definida em Hebreus 1:1-3; Colossenses 2:9; e 2 Coríntios 4:4, como sendo o Senhor Jesus Cristo. A imagem equivale a uma pessoa e Adão é tão semelhante a Cristo que Jesus é chamado “o segundo Adão” (1 Co 15:4). Além disso, a imagem prova que Adão era tricotômico (corpo, alma e espírito), do mesmo modo como Deus existe em três Pessoas. As três partes do homem podem ser vistas em Gênesis 2:7.

O corpo - é o pó (Salmo 119:25). O corpo volta ao pó porque, como diz o apóstolo Paulo, “na minha carne não habita bem algum” (Romanos 7:18). O corpo de Deus é Jesus Cristo (Hebreus 1:1-3).

A alma - equivale ao “Eu sou” e corresponde a Deus Pai, em tipo; ela constitui aquela parte da imagem que “nunca foi vista por alguém” (João 1:18, 1 Timóteo 6:16). Após a queda do homem, a alma foi transformada em um “corpo de morte” e, conseqüentemente, os escritores do Velho Testamento usaram a palavra “alma” como sinônimo de corpo (Gênesis 17:14, 19:20; Números 31:28; A alma abandona o corpo na morte e, muito antes do pó ser atirado sobre o morto (Gênesis 35:18, 49:33, 50:3).

O espírito - assim como o vento - ou ar - o espírito é comum a todos os homens (1 Coríntios 2:11) e a todos os animais (Eclesiastes 3:21). Após a queda, ele se tornou um espírito morto, precisando nascer de novo; não a alma (João 3:6). Na era atual, o homem não convertido assemelha-se a um pneu vazio. Ele é um corpo vivo, porém com um espírito morto (Efésios 2:1-6), ao mesmo tempo em que, quando ele se torna um filho de Deus é um espírito vivo com um corpo morto (Rm 6:2-10).



I - Inocência

- O estado do homem - Em um jardim de inigualáveis delícias, em meio a cenas de indescritível amor, tendo Deus como o seu conselheiro e seres angelicais como visitantes, com uma natureza impecável e um  ambiente por demais favorável para viver uma vida pura e santa, os progenitores da raça humana forma colocados. As condições eram ideais.

- As Coroas - Deus criou um rei e do seu reinado não pode haver qualquer dúvida, pois, no dia de sua criação foi dito que ele fora “coroado de glória e honra” e “constituído sobre as obras de suas mãos”, tendo “todas as coisas sujeitas debaixo dos pés” (Hebreus 2:6-8). Isto se refere à Sua Majestade, Adão, o Primeiro. Do mesmo modo que Satanás, ele era um filho de Deus (Lucas 3:38; Jó 1:6, 38:1-7). Este novo rei foi provido com uma ajudadora, a qual podia satisfazer suas necessidades; foi-lhe dada uma comissão e uma autoridade sobre dois Reinos, os quais lhe foram deixados por um querubim decaído.

Como rei, sobre o Reino de Deus, Adão é o “filho de Deus”, criado à Sua imagem. Como rei, sobre o Reino do Céu, foi-lhe dada uma comissão para encher e subjugar a Terra, tendo o domínio sobre todas as coisas (Gênesis 1:26-28).

Salvação - A salvação é definida como “o dom da vida eterna” (Romanos 6:23). De Adão, foram exigidas duas coisas, para que ele tivesse a segurança da vida eterna:

1. - Obediência - abster-se da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:17).

2. - Aceitar o dom - comer do fruto da árvore da vida (Gênesis 3:22-24) (OBS: esta passagem fala em “não comer” o fruto da árvore da vida...). A Bíblia parece fazer um círculo completo (Apocalipse 22:14). Deus vai completar o Seu plano? (Isaías 45:18). Ninguém pode ajudar, mas deve desejar saber se a árvore da vida é sinônimo de uma Pessoa (João 15:1), do mesmo modo como é a Palavra de Deus (Jo 1:1).



II- A QUEDA

        Os críticos da Bíblia procuram sempre culpar Deus pela queda de Adão. Vamos pensar e agir através de alguma racionalização:



Pergunta 1: - Por que Deus criou o céu e a Terra? (Gênesis 1:1).

Resposta: - Ele os criou para serem habitados. (Is 45:18 e 2 Pedro 3:13).  Aconteceu uma triste reviravolta nos eventos; será que a Bíblia e os não regenerados eruditos, cientistas, filósofos e historiadores têm o mesmo plano?

Pergunta 2 - Se Deus os criou (e Deus é perfeito), por que Ele não os fez perfeitos?

Resposta: Ele os fez perfeitos. Volte e observe que os versos de Gênesis 1:3-28 estão tratando de uma recriação da criação anterior, a qual terminou no verso 1. Até mesmo Satanás foi criado perfeito, conforme Ezequiel 28:15 e não como uma “serpente” ou um “diabo”, mas como um “querubim”.

Pergunta 3 - Se Deus os fez perfeitos, por que eles já não são perfeitos?

Resposta: Porque algo aconteceu à criação física, entre Gênesis 1:1 e Gênesis 1:3. E algo aconteceu à criação espiritual - o primeiro homem e a primeira mulher - entre Gênesis 2:7 e Gênesis 3:13.

Pergunta 4 - Se Deus é perfeito e ama a perfeição, por que Ele não evitou que esse “algo” acontecesse?

Resposta: porque embora a criação física fosse perfeita, o homem que Deus criou não era perfeito; ele era sem pecado, mas não perfeito. (ora, se até satanás era “perfeito” quando foi criado, por que o homem não era perfeito??? Creio que ele foi criado perfeito também, porém, era livre e optou por pecar)

Pergunta 5 - Deus não conhecia o resultado do teste, antes que isto acontecesse? (Se Ele é perfeito deveria saber).

Resposta - Pensando bem, Ele conhecia. Ele Sabia que Adão iria cair e por saber disso, Ele lhe deu liberdade de vontade e escolha (livre arbítrio), de modo que ele pudesse escolher entre pecar ou não pecar.

Pergunta 6 - Então, Deus não deve ser indiretamente (ou diretamente) culpado pelo que aconteceu no princípio de Sua Criação?

Resposta – Sim, o Senhor poderia ter evitado que o pecado entrasse no mundo, mas Ele não o fez (Lamentações 3:38; Jó 2:10).

Pergunta 7 -  Então, Deus não é responsável pelo pecado de Adão e pela confusão em que ele se meteu?

Resposta - NÃO!!! Deus não tenta homem algum nem pode ser tentado: “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tiago 1:13-15).

Pergunta 8 - Nesse caso, quem tentou Adão?

Resposta - Eva (Gênesis 3:4-6; 1 Timóteo 2:12-14).

Pergunta 9 - E quem tentou Eva?

Resposta - Uma serpente (Gênesis 3:1-5; 2 Coríntios 11:1-3).

Pergunta 10 - E quem tentou a serpente, se não foi o próprio Deus?

Resposta - Antes de ser uma serpente, o querubim fora escorraçado do Céu por causa de sua ambição, do seu desejo de se elevar acima de Deus (Ezequiel 28:10-17; Isaías 14:12-15).

Pergunta 11 - Ora, se Deus é eterno e já conhecia o fim, desde o princípio, ele deveria ter evitado que o “Lúcifer” de Isaías 14 caísse ao nível de serpente!

Resposta - É verdade, porém, Deus permite que uma porção de coisas caiam, a fim de executar o Seu plano original (Romanos 11:11-33).

Pergunta 12 - Então, Deus não apenas deixa de ser responsável pelo pecado do homem, mas também da serpente. Afinal, Ele permitiu que AMBOS acontecessem. Não é verdade?

Resposta - Se eu disser que sim, como é que vai ser?

Pergunta 13 - Então Darwin e Marx têm razão: “Não há Deus!” (Salmo 14:1); mesmo porque um Deus tão imperfeito, responsável pela imperfeição, NÃO é perfeito.

Resposta - Vou-lhe fazer uma pergunta, olho no olho: “suponhamos que Deus consertasse tudo e endireitasse tudo o que foi feito errado; mesmo assim Ele não teria se livrado de TODA a culpa e responsabilidade no assunto” (Romanos 3:4-6).

“Se Deus é perfeito, então o AMOR é uma de suas qualidades (I João 4:8, 16). E este AMOR, precisa ser perfeito. Para que o amor seja perfeito deve haver duas partes (uma parte que ama a si mesma, não é AMOR, pois o AMOR próprio não é AMOR verdadeiro); então cria uma segunda parte, o HOMEM (Hebreus 2:6), para nele manifestar este atributo; se o homem não tem livre arbítrio então ele não pode retribuir ao AMOR de Deus. Um robô não pode “AMAR”. O HOMEM precisa do livre arbítrio (Josué 24:15). E para fazer uma livre escolha deve haver uma terceira parte. Assim, o ‘eterno triângulo é completado por um querubim, o qual vai se tornar uma serpente’. Você pode escolher esse querubim (2 Coríntios 4:4) ou escolher Deus (1 Reis 18:21). Deus permite que esse querubim apareça e tente a humanidade, a fim de que o homem possa escolher livremente o nosso DEUS como objeto do seu amor. Adão escolheu a esposa como um objeto e sua esposa preferiu o conhecimento. Como têm feito todos os ‘intelectuais’! O homem cai e Deus o redime, arcando com toda a culpa (Romanos 5:6-19), tanto do homem como do querubim; Ele Se fez pecado carregando-o, quando desceu à Terra para morrer como homem (Filipenses 2; Isaías 53; Romanos 10; 2 Coríntios 3). Tendo absolvido a Si mesmo de TODA a culpa, agora é possível que o homem seja declarado inculpável para sempre quando ele recebe um Salvador sem pecado, como o seu próprio Salvador (João 1:10-12). O resto é com você”. (Peter Ruckman).



III - O JULGAMENTO

Adão morreu espiritualmente (exatamente como Deus havia dito), e fisicamente, no devido tempo (Hebreus 9:27). Sua morte foi passada à frente (Romanos 5:12-14) e seus filhos nasceram à sua imagem e não à imagem de Deus (Gênesis 5:3). Ele perdeu sua coroa espiritual (Reino de Deus), por ter perdido a imagem de Deus, e sua coroa física (o Reino do Céu); então, o seu domínio foi amaldiçoado (Gênesis 3:17:19).