sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O movimento carismático na Igreja Reformada



Por Rev. Alderi Souza de Matos

Introdução

1. A Igreja Reformada

Igrejas que resultaram da obra teológica de João Calvino (1509-1564), Ulrico Zwínglio (1484-1531), João Knox (c.1513-1572) e outros reformadores, e que adotaram a forma presbiteriana de governo eclesiástico. Distinguem-se dos outros ramos da Reforma: luteranos, anglicanos e anabatistas. No continente europeu foi adotado o nome Igreja Reformada (Suíça, França, Holanda, etc.) e nas Ilhas Britânicas e América do Norte (Escócia, Irlanda, Inglaterra, Canadá e Estados Unidos), Igreja Presbiteriana.

Doutrinariamente, as Igrejas Reformadas adotam, entre outras, as definições aprovadas pelo Sínodo de Dort (1618-1619) e pela Assembléia de Westminster (1643-49). Além dos princípios aceitos pelos protestantes em geral (Escrituras, Cristo, graça, fé, sacerdócio universal ), o sistema calvinista dá ênfase à plena soberania de Deus na criação, providência e redenção.

2. O Movimento Carismático

O nome vem de chárisma (pl. charísmata) = dádiva, dom (como expressão da graça divina = cháris). O termo ocorre 17 vezes no Novo Testamento, todas, exceto uma, nas cartas de Paulo, sendo dez vezes no singular e sete no plural. Rm 1.11; 5.15,16; 6.23; 11.29; 12.6; 1 Co 1.7; 7.7; 12.4,9,28,30,31; 2 Co 1.11; 1 Tm 4.14; 2 Tm 1.6; 1 Pe 4.10. A expressão “dom espiritual” somente ocorre em Rm 1.11.

Os carismas ou dons carismáticos podem ser entendidos como dons da graça concedidos pelo Espírito de Deus para a edificação da igreja cristã. Sua enumeração é encontrada em Rm 12.6-8; 1 Co 12:8-10,28; Ef 4.11 e 1 Pe 4.10-11. Os dons carismáticos dividem-se em naturais e sobrenaturais, extraordinários ou miraculosos.

“Movimento carismático” (lato sensu): todo movimento que dá ênfase aos dons carismáticos do Espírito, principalmente os de natureza extraordinária, como profecia, curas e glossolália. Geralmente, também tem um forte componente apocalíptico (milenismo).

3. Aspectos históricos

Ao longo da história da igreja tem havido vários movimentos de natureza “carismática.” Um dos primeiros foi o montanismo, no segundo século. Montano começou a pregar sua mensagem na Frígia, por volta de 155 AD. Ele e duas mulheres, Priscila e Maximila, afirmando serem profetas, anunciaram com base no Evangelho de João o início do último e mais elevado estágio da revelação, a era do Parácleto. Daí sua ênfase aos dons espirituais (principalmente a profecia), proximidade do fim do mundo, ascetismo e exaltação do martírio. Protesto contra o formalismo e mundanismo da igreja, e contra a dependência de líderes humanos (bispos) ao invés do Espírito Santo. Rejeitado por seu fanatismo e reivindicação de possuir revelações mais altas que as do Novo Testamento. Surgiram outras manifestações dessa natureza nos séculos seguintes, muitas vezes em grupos dissidentes, minoritários. 

O termo se aplica com maior propriedade a um fenômeno do século XX composto de três estágios ou “ondas”: 

(1) Primeira onda: Movimento Pentecostal – teve início em 1900-1901 com Charles F. Parham, evangelista, pregador da cura pela fé e diretor de uma escola bíblica em Topeka, Kansas. Adquiriu maior ímpeto com o pastor negro William J. Seymour e sua famosa missão da Rua Azuza, em Los Angeles. Tanto Parham como Seymour eram ligados aos movimentos Holiness (“santidade”) que haviam surgindo dentro do metodismo norte-americano. Dentre as primeiras igrejas pentecostais estavam as Assembléias de Deus e o Evangelho Quadrangular.

(2) Segunda onda: Movimento Carismático – também conhecido como Renovação Carismática. Resultou da penetração do movimento pentecostal nas denominações históricas ou tradicionais e também na Igreja Católica, a partir dos anos 50. Uma importante organização pioneira desse movimento foi a Adhonep (Associação de Homens de Negócios do Evangelho Pleno).

(3) Terceira onda: Igrejas neopentecostais – também conhecido como Movimento de Sinais e Maravilhas. Tem ligação com Peter Wagner, John Wimber e a Vineyard Christian Fellowship. Uma expressão mais recente é a Igreja Vineyard de Toronto, com suas manifestações de riso santo, rugidos e sons de animais. No Brasil, são exemplos desse grupo a Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus, Igreja Deus é Amor e outras.

4. O Movimento Carismático e as Igrejas Reformadas

Curiosamente, um dos precursores do moderno movimento carismático foi o pastor presbiteriano escocês Edward Irving (1792-1834). Irving trabalhou inicialmente em Glasgow, como auxiliar do famoso Rev. Thomas Chalmers. Aos 30 anos, assumiu o pastorado de uma pequena congregação da Igreja da Escócia em Londres. Sua poderosa pregação produziu tamanho crescimento, que cinco anos depois (1827), quando o novo templo foi inaugurado, a congregação se tornara a maior igreja de Londres. As mais altas personalidades íam ouvir seus sermões, que chegavam a estender-se por duas horas. Irving participava de um grupo que se reunia para estudar escatologia. Convictos da iminente volta de Cristo, ele e seus companheiros oravam por um derramamento do Espírito Santo. No início de 1830 ocorreram manifestações carismáticas na Escócia e no ano seguinte surgiram línguas e profecias na igreja de Irving. Crendo que essas eram expressões genuínas dos dons do Espírito, Irving recusou-se a proibi-las, e poucos meses depois foi afastado da igreja. Mais tarde, o grupo que o acompanhou (mais de 600 pessoas) criou a Igreja Católica Apostólica. Sua posição acerca dos dons estava ligada às suas idéias acerca de Cristo: este teria sido concebido com uma natureza humana pecaminosa, que foi plenamente santificada pelo Espírito Santo. O mesmo Espírito que santificou a Cristo também capacitaria os crentes para a obra de Deus no final dos tempos. Irving morreu com apenas 42 anos, vitimado pela tuberculose.

No Brasil, o movimento de renovação afetou as igrejas históricas em geral nas décadas de 1960 e 1970, inclusive a presbiteriana. Surgiu a Igreja Presbiteriana Renovada, que tornou-se inexpressiva. Práticas e ênfase carismáticas, no entanto, tem sido bastante aceitas em igrejas presbiterianas: estilo de culto (cânticos, instrumentos musicais, informalidade), testemunhos, batalha espiritual, crescimento da igreja. Nos Estados Unidos, existem grupos que se denominam carismáticos reformados.

5. Diferenças entre a Fé Reformada e o Movimento Carismático

a) Históricamente, apesar da experiência de Irving, não há conexão entre os dois movimentos. O movimento carismático procede do metodismo, via igrejas holiness e pentecostais.

b) Por sua teologia arminiana, o movimento carismático põe grande ênfase nas decisões humanas e na experiência pessoal. A fé reformada põe sua ênfase maior na ação soberana de Deus e na glória de Deus como o objetivo maior de tudo.

c) Essa ênfase primária em Deus, e não nos desejos ou bem-estar das pessoas, leva à preocupação com o estudo sério das Escrituras, culto solene e respeitoso, evangelismo equilibrado, harmonia entre razão e emoção, ética pessoal e social.

d) A centralidade das Escrituras como norma de fé e prática (acima da experiência individual). Tudo deve ser julgado pela Palavra. Daí, a preocupação com o preparo bíblico e teológico dos pastores. 

e) O Espírito e a Palavra andam juntos, assim como a obra do Espírito não pode ser separada da obra de Cristo. A função do Espírito Santo é exaltar a Cristo e testemunhar dele.

Contribuições positivas dos carismáticos: espiritualidade intensa e alegre, culto vibrante, fervor evangelístico, ênfase à santificação, valorização da pessoa e obra do Espírito Santo.

***