quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O que significa ‘gloriar-se na cruz’?

Por Cristiano França, apóstolo
“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso
Senhor Jesus Cristo
, pela qual o mundo está crucificado para
mim e eu para o mundo.” (Gálatas 6:14
)
A imagem da cruz sempre causou controvérsia nos meios eclesiásticos, especialmente entre os protestantes e evangélicos. Isto ocorre, porque alguns acham natural as pessoas usarem uma cruz como símbolo da fé cristã: seja em um cordão pendurado no pescoço, um adesivo no carro etc.; para outros, porém, a imagem da cruz deve ser evitada por se tratar, segundo estes, de um símbolo de maldição:
“Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: ‘Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro’.” (Gálatas 3:13)
Eu faço parte do segundo grupo. Para mim, a cruz não deveria ser usada como símbolo de nossa fé, pois não há dúvidas que o madeiro representa maldição desde o Antigo Pacto:
O seu cadáver não permanecerá no madeiro, mas certamente o enterrarás no mesmo dia; porquanto o pendurado É MALDITO de Deus; assim não contaminarás a tua terra, que o SENHOR teu Deus te dá em herança.” (Deuteronômio 21:23)
Não obstante na cruz ter ocorrido o primeiro passo de nossa vitória, se a fé cristã precisasse de um símbolo visual, este deveria ser a imagem de um sepulcro vazio, pois a grande conquista de Cristo para nós ocorreu em Sua ressurreição:
“E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” (1ª Coríntios 15:14)
Está claríssimo no texto que a legitimação de nossa fé vem da ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo. Ainda assim, defendo que a nossa fé não precisa de representações visuais. Ela precisa, sim, ser vivida com toda plenitude — o que só é possível por meio do Evangelho da Graça.
Depois de tudo que foi dito até aqui fica evidente que a imagem do madeiro deve ser deixada de lado por nós. Contudo, Paulo diz que devemos nos gloriar justamente NA CRUZ. O que, neste caso, nosso apóstolo de fundamento está querendo dizer com isto?
Se observarmos o contexto geral da carta Aos Gálatas, veremos que o principal motivo para Paulo tê-la escrito é o envolvimento daquela igreja com as chamadasobras da Lei. É fato que as pessoas que vivem por obras têm a tendência de se gloriarem em seus esforços. Eu mesmo já vivi isto e vi muitos outros se gloriarem em suas supostas capacidades espirituais (que são carnais, na verdade). Quantas vezes, por exemplo, eu vi líderes “baterem no peito” chamando a atenção para o jejum que haviam feito e atribuindo a esta obra as possíveis manifestações futuras de bênçãos na vida dos membros de sua denominação. Isto é gloriar-se na carne, o que é extremamente lamentável.
Ao escrever aos gálatas, Paulo queria demovê-los de participarem das práticas religiosas da Lei de Moisés. E quando ele fala em “gloriar-se na cruz” está dizendo isto em oposição à glorificação que é feita na carne por meio das obras da Lei. Em outras palavras, gloriar-se na cruz é o mesmo que não gloriar-se na carne (nas obras da Lei). Quem se gloria na cruz está se gloriando não na imagem da cruz, mas em tudo que Jesus conquistou ao ser pendurado no madeiro. Ou seja, quem se gloria na cruz diz não às obras da Lei e a toda empáfia religiosa. Quem se gloria na cruz, se gloria nas conquistas de Cristo e sabe que tudo o que é, o é pela Graça de Deus:
“Mas, pela graça de Deus, sou o que sou…” (1ª Coríntios 15:10)
Quem se gloria na cruz de Cristo já entendeu que não precisa de mais nada além da Graça em sua vida espiritual (2ª Coríntios 12:9) e, consequentemente, vive sem as obras da Lei.