segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

A ortodoxia no abismo semântico



Ao lidar com uma questão semântica no atual cenário religioso brasileiro – com um recorte na problemática da identidade teológica da igreja no país – é impossível ignorar que o linguajar evangélico é um fator que tem sido correntemente crescente e curiosamente dissidente de uma explosão religiosa no Brasil e que tem raízes no liberalismo teológico e no sincretismo nascente do colonialismo com o catolicismo europeu, pajelança, espiritismo de mesa branca e religiões afrodescendentes.

De fato, e de verdade, a questão não passa somente por uma ambiguidade presente no estudo da ciência da religião, mas também por uma ambivalência de termos. Embora tenhamos uma linguagem cristã aparentemente bíblica no contexto apontado aqui, temos uma disparidade de questões que separam a falsa teologia da verdadeira teologia.

Francis Schaeffer desenvolve esse raciocínio de forma singular em seu livro O Deus que Intervém, quando fala do misticismo semântico empregado na relação religiosa e a linguagem teológica do cristianismo. Schaeffer diz algo muito interessante:
Uma ilusão de comunicação e conteúdo é dada de forma que, quando uma palavra é usada deste modo deliberadamente indefinido, o ouvinte “pensa” que sabe o que ela significa.*

Temos com isso uma questão muito interessante de que muitas vezes a teologia é expressa de forma descritivamente escriturística, mas, aquilo que foi dito se instala no campo do subjetivismo e de outra forma leva o receptor da mensagem a um campo epistemologicamente estranho a sã doutrina.

Ao ouvirmos falar de sangue, expiação, cruz, inferno, condenação, ira, juízo, salvação, espiritualidade, santificação, eleição, justificação, reino de Deus; estamos num campo comum em relação aos termos vocabulares da linguagem cristã. Mas, ao investigarmos como cada palavra recebe conotações diferentes, percebemos como existe um abismo entre o que foi escrito e o que foi inscrito pelo homem, pela cultura, pela tradição religiosa. Reconhecemos a clara diferença entre exegese e eixegese. O que notamos é que muitas instituições chamadas de evangélicas professam documentalmente uma fé bíblica, mas, na prática a Bíblia não é suficiente, a Palavra de Deus deve ser “acrescentada”, isso é um trágico contexto. O interessante aqui é que esse acréscimo se dá com palavras que estão na Bíblia, “mas não são da Bíblia”, portanto, uma hermenêutica que não serve a Palavra de Deus e não é fiel ao genuíno ensino das Escrituras Sagradas.

Sem sombra de dúvida, há uma forte influência ainda que inconscientemente da escola de interpretação de Alexandria, posteriormente seu crescente desdobramento com Orígenes deram suporte para muitos problemas na igreja cristã, fornecendo aparato para interpretações estranhas as verdades sagradas do Evangelho de Deus. Temos também o presente pensamento do Iluminismo nesse processo de subjugação da Escritura as ideias filosóficas presentes nesse período histórico.

Ao se falar de salvação em Cristo, nos deparamos muitas vezes com conotações muito distantes do que realmente é a obra salvadora de Jesus Cristo na cruz. Para muitos a salvação é um passaporte para uma vida melhor sob vários ângulos, fornecidos por gurus que maculam as verdades santas do Evangelho Eterno. Ao se tratar de fé, nos deparamos com uma série de amuletos, herança do sincretismo e pluralismo religioso que se desenvolveu do corolário das Escrituras.

Interessante notarmos que quando o protestantismo chegou ao Brasil, não ouve aqui o mesmo impacto cultural que a teologia reformada causou em países europeus. Tivemos aqui uma ênfase na espiritualidade e numa postura em relação ao reino de Deus muito próxima das visões de Lutero e dos Anabatistas e um tanto quanto distantes do que Calvino tinha ensinado em Genebra e sua perspectiva sobre cosmovisão cristã, embora que esse termo ainda não era utilizado. Essa questão trouxe um afrouxamento na educação do povo e no interesse pelo estudo da Sagrada Escritura, consequentemente o crescimento do fanatismo, legalismo, ignorância a respeito do reino de Deus cresceram.

Sobre esse descompromisso com a correta interpretação das Escrituras surgem oceanos de heresias e ventos de doutrinas como dizia Paulo, que enganam o povo e lhe arrastam para os falsos ensinos. Ao lidarmos com essa questão semântica, devemos estar submissos a Palavra de Deus, devemos ser zelosos pela suficiência das Escrituras, sua exposição e sua regra áurea da hermenêutica Bíblica que diz que: a Escritura interpreta a Escritura. A desvalorização do ensino bíblico e da exposição da Escritura tem causado muitos males. A preguiça de muitos pastores em dar a sua congregação alimento espiritual tem sido um preço muito alto e um campo muito vasto para lobos que enganam o rebanho. Seminários teológicos que são centros liberais de teologia, professores apostatas e ateus que não creem no que está escrito, causam efeitos trágicos na vida de muitos alunos.

Como podemos lidar com essa situação? Como a igreja cristã pode vencer o liberalismo prático e o secularismo em seu seio? Como o cristianismo atual poderá sobreviver em frente a uma avalanche de ideias megalomaníacas que transformaram igrejas em clubes, cultos em shows, louvores em encenação performática? Com lidar com uma cultura que se afasta de Deus numa era pós-cristã?

Os desafios que temos hoje circulam mais no campo das ideias do que na perseguição física como no passado. Doravante ser cristão, é ser discípulo de Jesus e apegados a sua revelação nas Santas Escrituras. Um dia desses conversando com um jovem cristão universitário ele me disse que o grande problema do esfriamento espiritual da igreja moderna é que ela não lê as Escrituras; mas, tenho uma fundamental discordância desse ponto. É claro que concordo que o relaxamento na leitura da Palavra é evidente, porque temos crentes analfabetos de Bíblia na igreja, cristãos que estão a muitos anos frequentando uma igreja, mas, não sabem o que é o pentateuco, ou os evangelhos e muito pior do que termos técnicos, não sabem que é o Espirito Santo, nem o Jesus das Escrituras. Em muitos casos o que muitos cristãos creem são figuras folclóricas com nomes de personagens bíblicos, ou seja, sua crença não está fundamentada no ensino bíblico de determinado assunto ou pessoas da Bíblia. A dificuldade não é somente na leitura, mas na compreensão do texto lido. A falta de exposição da Bíblia nos púlpitos tem causado isso. Os pregadores através de exposições bíblicas ensinam o povo a ler devidamente a Bíblia, é claro que temos a dependência do Espírito Santo de Deus para nos ensinar e nos guiar na verdade (Jo 16.13), no entanto fomos dotados de intelecto e capacidade de aprendizado, por isso temos tantas instruções na Bíblia para que meditemos, leiamos, guardemos, examinemos as Escrituras Sagradas.

O fator semântico é algo que pode impedir o crescimento de um crente e a fé na verdadeira Palavra de Deus, a verdade é a verdade de Deus como dizia Calvino. É claro que não digo com isso que um crente precisa aprender as línguas bíblicas para ouvir a voz de Deus, acredito que a Escritura fala com o povo de Deus na língua vernácula. Mas o trabalho dos pregadores e ensinadores é de fundamental importância para a igreja, esses sim devem ter um conhecimento abalisado das Escrituras e estarem sempre procurando aperfeiçoamento nos estudos teológicos para ensinarem o povo.  

Ao tratarmos com o princípio Sola Scriptura e Tota Scriptura da reforma (Somente a Escritura e toda a Escritura), estamos incluindo nisso uma correta interpretação da Palavra de Deus, respeitando seu contexto histórico e sua gramática, por isso usamos o método histórico-gramatical. Evidente que a Palavra alcança o crente leigo, mas existem casos que exigem esforço intelectual para uma correta compreensão do que Deus revelou, por isso insisto na importância da ortodoxiaortopraxia eortopatia. Temos que crer na verdade de Deus revelada, como Ele a revelou (ortodoxia), viver por essa verdade que nos foi dada (ortopraxia) e ter nossos sentimentos (ortopatia) regidos por ela.

__________

O Deus que Intervém, Francis Schaeffer - Ed. Cultura Cristã

***
Divulgação: Bereianos