quarta-feira, 28 de novembro de 2012

75% da perseguição religiosa mundial é contra cristãos


"E odiados de todos sereis, por causa do Meu Nome: mas, aquele que perseverar até ao fim será salvo."
Mateus 10:22

Por Terry Murphy, da Aid to the Church in Need:

A "Aid to the Church in Need" lançou uma nova reportagem que revela que os cristãos são o grupo religioso mais perseguido do mundo: 75% das perseguições religiosas feitas no mundo é feita contra cristãos.

‘Perseguidos e Esquecidos?’, uma reportagem feita com o propósito de estudar a perseguição aos cristãos, foi oficialmente lançada pelo arcebispo Bashar Warda de Erbil (Iraque) e o cardeal Keith Patrick O’Brien de Saint Andrews e Edinburgh, num evento em Glasgow, no passado dia 15 de Março.


O que a reportagem verificou, classificado como "chocante e entristecedor" pelo cardeal O’Brien, põe em relevo as palavras do Papa Bento XVI que no início do ano de 2011 disse:
Muitos cristãos vivem com medo devido à sua busca pela verdade, a sua fé no Senhor Jesus e o seu sincero apelo ao respeito pela liberdade religiosa.

De acordo com a reportagem, em dois terços dos países onde a perseguição aos cristãos é mais severa há fortes indicativos de que o problema piorou. Isto coloca um ênfase na ameaça severa à presença cristã em partes do Oriente Médio, especialmente no Iraque e na Terra Santa.

Em relação aos medos do futuro dos cristãos no Iraque, o arcebispo Warda disse:
Questiona-mo-nos se, como pessoas, vamos sobreviver em nosso próprio país. A reportagem ‘Perseguidos e Esquecidos?’ e o trabalho da "Aid to Church in Need" são fulcrais para nós, membros da comunidade cristã Internacional. 

Esta informação vai contribuir significativamente para a construção de suporte e solidariedade para os Cristãos um pouco por todo o mundo, onde quer que os nossos direitos humanos nos sejam negados e as nossas liberdades religiosas nos sejam retiradas.

A reportagem ‘Perseguidos e Esquecidos?’ ressalta também a ameaça do extremismo islâmico não só no Médio Oriente, mas também no norte de África e partes da Ásia. A reportagem revela ainda que as autoridades, em alguns países comunistas ou ateus estão a reafirmar o controle estatal sobre as atividades religiosas.

Antes do lançamento do estudo, o Arcebispo Vincent Nichols de Westminster disse:
O livro mostra a escala do sofrimento suportado pelos cristãos hoje em dia. [Nele] encontramos algumas pessoas espantosas que estão a entregar as suas vidas como testemunhos heróicos para Cristo. É uma leitura essencial para todos aqueles que se preocupam com a sobrevivência do Cristianismo... em lugares de onde os fiéis estão a fugir e onde a Igreja está em vias de desaparecer.