domingo, 30 de dezembro de 2012

Feliz homem novo! Vamos nos vestir de branco!




Com todo o respeito às crenças e religiosidades daqueles que lerão este artigo, gostaria de fazer um rápido comentário.

Tornou-se quase uma obrigação, por força da “crença” popular, romper o ano novo vestindo-se de “Roupas Brancas”. Acreditam que elas catalisam, imantam e atraem, forças positivas.

Pasmem! Até em algumas Igrejas (arrrfff!)

As lojas de departamentos entenderam que cultivar esta “Mandinga” bomba suas vendas; a mídia não perde a oportunidade de aumentar sua audiência propagando as várias simpatias do “Usar Branco”.

Enfim, para os supersticiosos, vale tudo para exorcizar toda a carga negativa do ano que se findou: os relacionamentos que sucumbiram, o emprego perdido, a saúde fragilizada, as dificuldades financeiras bem como todas as impossibilidades e impotências que possam, de alguma forma, ter causado alguma tristeza no ano que se finda.

É incrível como a humanidade não aprende com seus erros.

O homem não consegue compreender que a felicidade maior da auto realização não está relacionada com atividades exteriores tais como: aquilo que uso, me alimento, bebo, faço ou deixo de fazer. A verdadeira realização está em despir-se das más atitudes, pensamentos, palavras e sentimentos que infelizmente, para muitos, por estarem tão impregnados e internalizados no ser tornaram-se “vestes invisíveis”, “Lingeries” das mazelas da vida carnal,  são partes intransponíveis e irremovíveis da alma.

Outros acreditam que pulando as sete ondas no romper do ano novo os conduzirá às várias fases das dimensões do lugar comum em direção à  felicidade. Infeliz conclusão.

Certa vez Jesus repreendeu alguns religiosos judeus dizendo: Mateus 23:27-28 - “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia. Assim, também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.”(Grifo meu)

Veja como nossa exterioridade pode dizer exatamente o contrário daquilo que verdadeiramente carregamos no  interior de nosso coração.

Ano velho vai, ano novo vem e não mudamos, não nos rendemos, não nos entregamos às transformações do Espírito do Senhor. O Velho Homem permanece, piorando a cada ano.

Nos reunimos nas igrejas para romper o “Reveillon”, fazemos pactos a Deus, mas nos falta a fidelidade para cumpri-los. Não os cumprimos porque somos estes religiosos repreendidos por Cristo, vivemos de aparência, somos só casca sem essência, vinho sem sabor, figueiras mentirosas, duas vezes mortas, desarraigadas; cultivamos apenas a religião rotineira sem fruto e sem vida. Somos sepulcros caiados. Ritualmente cristãos, mas essencialmente cumpridores de rotina denominacional. Externamente em conformidade, puro, bem intencionado, “limpo”, “Branquinho”, arrumado, porém, não é necessário remover a tampa para contemplar o defunto que em nós jaz, nosso hálito já o denuncia.

Feliz Homem Novo

O Homem Velho obedece aos impulsos da carne – o Homem Novo é gerado e guiado pelo Espírito…

O Homem Velho só quer receber – O Homem Novo se realiza em doar…

O Homem Velho quer ser servido – O Homem Novo quer alegremente servir…


O Homem Velho não mede consequências para possuir – O Homem Novo renuncia para ser feliz…

O Homem Velho se torna idoso em plena juventude – O Homem Novo permanece jovem em plena velhice…

O Homem Velho espera o socorro humano – O Homem Novo entrega-se ao socorro e provisão dos Céus. Is 61.10

Deixo para ti, meu amado, uma receita infalível para começar o ano novo e uma vida nova, Isaias 61.10:

“Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus, porque me vestiu de vestes de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como noivo que se adorna com uma grinalda, e como noiva que se enfeita com as suas jóias.”

Um 2013 cheio das bênçãos de Jesus para todos.

Feliz HOMEM NOVO!!!

Autor: Armando Taranto Neto