sábado, 6 de junho de 2015

Por que a punição é infinita? – Jonathan Edwards


“...como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?”

Gênesis 39:9


Deus é um ser infinitamente amável, porque Ele tem excelência e beleza infinita. Ter excelência e beleza infinita é a mesma coisa que ter infinito encanto. Ele é um ser de infinita grandeza, majestade e glória, e, portanto, Ele é infinitamente honrado.


Ele é infinitamente exaltado acima dos maiores soberanos da terra e os mais altos anjos no céu, e, portanto, Ele é infinitamente mais honrado do que todos estes. Sua autoridade sobre nós é infinita, e o chão firme e imutável do seu direito a nossa obediência é infinitamente forte, pois Ele é infinitamente digno de ser obedecido, e temos uma dependência absoluta, universal e infinita dEle. Assim, o pecado contra Deus, sendo uma violação das obrigações infinitas, deve ser um crime infinitamente hediondo e, portanto, merecedor de punição infinita.


Nada é mais agradável para o senso comum da humanidade de que os pecados cometidos contra qualquer pessoa deva ser proporcionalmente hediondo à dignidade do ser ofendido e maltratado.


Este foi o agravamento do pecado que fez José temê-lo em Gênesis 39:9:“...como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?” Este foi o agravamento do pecado de Davi em comparação com o qual ele estimava todos os outros como nada, porque era infinitamente grande o Deus ofendido  por ele: "contra ti, contra ti somente, pequei" - Salmo 51:4


A peso do castigo dos homens ímpios é infinito, e isso porque não temos palavras para expressar algo mais e maior do que infinito e, portanto,  este castigo é proporcional à hediondez do que eles são culpados. Se houver algum mal ou culpabilidade em um pecado sequer contra Deus, certamente há nele um mal infinito.

Jonathan Edwards - “The Justice of God in the Damnation of Sinners”