sexta-feira, 12 de junho de 2015

A busca da felicidade - alegria


Todo mundo se esforça para alcançar a felicidade, mas ninguém concorda sobre como ela pode ser alcançada. 
O estilo de vida dos ricos, "descansar, comer, beber e se divertir", é atraente. Outros pensam que ela reside em ter poder, como Pilatos que disse: "Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar?" (João 19:10). Deixando de lado os caminhos dos que se esforçam para essa vivência, vamos ver o que deixa alegre o Senhor Jesus.

Enquanto Ele estava na terra, notamos que nos quatro evangelhos havia duas coisas que o fez se alegrar. Primeiro, ele se alegrou de Deus ser honrado e, em segundo, que a humanidade foi abençoada (João 4:36). Ele nunca se alegrou pelo que conseguiu ou por Suas benéficas circunstâncias. Ele era conhecido como homem de dores, assim como agora Ele é homem de paciência, esperando o reino vindouro, quando todos se alegrarão juntos. No entanto, no seu tempo de aflição e sofrimento, Ele se alegrou e nós também podemos. 

   
Ana 

Ao longo das escrituras, existem muitas máximas de alegria; a primeira é encontrada na oração, ou canção, de Ana. "Ana orou e disse: O meu coração exulta no SENHOR, o meu poder está exaltado no SENHOR; a minha boca se dilatou sobre os meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação" (1 Samuel 2: 1). Esta dupla menção a alegria está de acordo com o padrão que observamos no Senhor Jesus. Primeiro, ela se alegrou no Senhor, e, em seguida, na sua salvação para a humanidade. 

A experiência de receber um filho através de promessa do Senhor e, em seguida, dedicar esse filho para servi-Lo abriu seu coração para conhecer o Senhor. Isso permitiu que ela se alegrasse nEle. Esta alegria não tem nada a ver com as circunstâncias, mas é no próprio Senhor, apesar de uma série de circunstâncias era necessário fazê-la se alegrar no Senhor. Poderíamos nos referir a isso como uma forma vertical de alegria, enquanto alegrar-se na salvação do Senhor é horizontal; em relação as condições na Terra. 

Na medida em que passamos por dificuldades em nossas vidas, é bom lembrarmos o caso de Ana, percebendo que as circunstâncias atuais são pequenos tijolos para nos alegrarmos no Senhor. Nossa alegria na Sua salvação é completa no que diz respeito as nossas almas, mas no que se refere aos nossos corpos, a salvação será realizada no dia em que Cristo vier. Como Ana, que ao receber a promessa de um filho já não estava mais triste, pela fé nas promessas do Senhor podemos cantar durante a nossa viagem. 

Os Setenta Discípulos 

Quando os setenta discípulos voltaram para o Senhor, depois de terem realizado muitos milagres, alegraram-se que os demônios estavam sujeitos a eles. O Senhor “virou” suas almas para um motivo melhor do que superar o poder de Satanás. O Senhor Jesus disse a eles: "não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estar o vosso nome escrito nos céus" (Lucas 10:20). A bênção da humanidade estava em Seu coração. 

Naquele momento, o Senhor Jesus abre o seu coração para vermos mais do motivo da Sua alegria. "Naquela mesma hora, se alegrou Jesus no Espírito Santo e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim te aprouve"(v 21). O Senhor tem prazer em abençoar aqueles que possuem o mínimo, até os pequeninos e insensatos. Que o amor e a graça! 

Sacrifícios de alegria 

O apóstolo Paulo, escrevendo da prisão para os Filipenses, nos dá quatro exemplos de alegria dupla. A primeira causa de regozijo tem a ver com a pregação do evangelho. Ele desejou ardentemente a bênção das almas através da pregação do evangelho. Seu desejo ultrapassou as más línguas abrangendo a pregação daqueles que procuraram acrescentar aflição as suas obrigações. Ser caluniado não era nada para ele, desde que o evangelho fosse pregado e o Espírito Santo permanece ativo. 

Mesmo se isso significasse que ele seria mal falado devido a forma como alguns pregavam, ele desejava que Cristo fosse pregado. Ele diz: "Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento, ou em verdade, nisto me regozijo e me regozijarei ainda" (Filipenses 1:18). Mesmo isso significando que ele teria que sofrer mais por causa de seus métodos tortuosos de pregação, ele se alegraria tanto naquele momento, porque o evangelho foi pregado para a bênção das almas, e continuaria a se alegrar porque no dia futuro aqueles salvos estariam com o Senhor. 

A próxima causa da alegria da qual Paulo fala, tem a ver com o resultado da maneira como os filipenses pregavam o evangelho. Ele escreve a eles, "Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; retendo a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão. E, ainda que seja oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé, folgo e me regozijo com todos vós. E vós também regozijai-vos e alegrai-vos comigo" (Filipenses 2:14-18). Ele seria como uma oferta de bebida (libação) de vinho derramado na alegria sobre o seu sacrifício a Deus na pregação do evangelho aos outros. No dia de Cristo, quando Ele se manifestar, eles se alegrariam juntos com Ele. Sendo os sacrifícios feitos para Cristo, haverá alegria, agora e com Cristo na sua vinda. 

Vemos no exemplo a seguir como a alegria de Paulo estava ligada em ver a alegria dos filipenses. Epafrodito foi enviado pelos filipenses para ajudar Paulo em Roma. Em Roma, Epafrodito ficou doente e quase morreu; mas “Deus se apiedou dele”. Os filipenses estavam preocupados sobre sua condição. Enviar Epafrodito de volta para Filipos em boa saúde faria com que os filipenses se alegrassem. 

Qualquer tristeza que Paulo teria pela saída de Epafrodito seria compensada pela alegria dos filipenses em vê-lo novamente. " Por isso, vo-lo enviei mais depressa, para que, vendo-o outra vez, vos regozijeis, e eu tenha menos tristeza. Recebei-o, pois, no Senhor, com todo o gozo, e tende-o em honra: porque, pela obra de Cristo, chegou até bem próximo da morte, não fazendo caso da vida, para suprir para comigo a falta do vosso serviço"(Filipenses 2: 28-30). Quando alguém  busca o bem do outro, há alegria. 

No último capítulo, temos um versículo curto e pequeno que fala por volumes e é muitas vezes cantado em coro feliz. "Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, alegrai-vos!" Esta alegria levanta nossas almas acima de todas as circunstâncias para nos ocupar com a pessoa do Senhor Jesus. Seu prazer está em nós e nós podemos ter prazer nEle. O tempo e as circunstâncias nunca mudarão Aquele que é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Que nossos corações permaneçam da satisfação dEle. Ele, embora na glória, tem um coração que corresponde a ela na alegria. 

D. C. BUCHANAN -