sexta-feira, 12 de junho de 2015

A combinação exata de acessibilidade e separação


O Senhor Jesus combinou perfeitamente acessibilidade ao mundo ao mesmo tempo em que manteve a separação da imoralidade daqueles que o cercavam. Seu coração não era atraído por qualquer coisa no mundo. Isso é demonstrado no exemplo de sua fala com a mulher no poço de Sicar em João 4. 
Vemos uma combinação perfeita do Único que manteve a santidade enquanto permanecia acessível a todos ao seu redor. Ele demonstrou como vencer o pecado levando luz para aqueles que vivem em pecado. A história termina com a mulher sendo libertada de seus caminhos pecaminosos. Muitos outros na cidade também creram no testemunho. 

O fim da história de outra família onde havia uma mulher a quem Sansão amava é muito triste. Ela e toda a sua família foram destruídos pelos filisteus como resultado do compromisso de Sansão com eles. A vida dele contrasta com Aquele que sentou-se no poço de Sicar e libertou uma mulher de sua vida de pecado. Sansão, em estreita proximidade com os filisteus, desistiu de seu voto de separação para o Senhor.
 O propósito do voto de nazireu era dedicar a vida inteiramente ao serviço para o Senhor. Junto com o voto de separação estava a força dada a Sansão para superar todo o poder do inimigo. Isto aconteceu no momento em que a nação de Israel subjugada pelos filisteus. Enquanto Sansão manteve seu voto, ele tinha poder sobre os filisteus. Mas com o passar dos dias, e Sansão vivendo entre os filisteus, seu coração foi atraído por uma mulher que pouco a pouco o seduziu a abandonar o seu voto de separação. Isso resultou na perda de seu poder e o tornou um prisioneiro.

O voto nazireu

O voto nazireu tinha três partes e Sansão foi chamado para mantê-las. Ele não gostava de beber vinho ou até mesmo comer qualquer coisa da vinha. O vinho alegra o coração (Jz 9:13), mas também impede o discernimento (Prov. 20:1). Sansão começou a falhar ao viver para agradar a si mesmo. Ele disse a respeito da mulher filisteia, "Toma-me esta, porque ela muito me agrada" (Jz. 14:3). Assim, ele começou a comprometer seu chamado e a perder o bom discernimento.


O segundo aspecto para o nazireu era não se contaminar com qualquer coisa impura. A aplicação disso para Sansão era de contaminação física, mas aplicava-se a contaminação moral também. Ele pegou o mel de uma carcaça imunda, comeu e deu aos seus pais sem eles saberem. Sem dúvida, eles teriam recusado se soubessem de onde aquele mel tinha vindo. 
Aqueles que sucumbem as tentações e procuram a companhia de outras pessoas para aplacar sua consciência, não resolve a contaminação. Vemos que, quando Sansão viveu para agradar a si mesmo, ele levou consigo a impureza também. O exemplo do Senhor Jesus, enquanto conversava com a mulher em Sicar, revela Sua pureza e autocontrole. 
Com Ele não houve exercício de Sua própria vontade, nem qualquer compromisso com a impureza. Depois, quando os discípulos lhe trouxeram comida, Ele pode dizer: "Eu para comer tenho um manjar que vós não conheceis". Então Ele continuou a explicar como tinha prazer em obedecer. 
"Disse-lhes Jesus: A minha comida é fazer eu a vontade daquele que me enviou, e completar a sua obra" (João 04:32, 34). Não houve comprometimento da santidade; Seu prazer era fazer a vontade do Pai (Sl 40:8). Depois a mulher foi capaz de dizer a Ele: "Vinde e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito; porventura, não é este o Cristo?" (João 4:29). Todos os seus pecados secretos foram descobertos e levados para a luz onde o perdão é encontrado. Essa parte de sua vida tornou-se passado e ela foi retomada com Sua perfeição.

O terceiro ponto era não raspar seu cabelo. Esta foi a marca externa de sua separação para o Senhor para uma causa especial. A distinção de ter o cabelo comprido era para ser mantido até que o voto fosse encerrado. Esta foi a última coisa que Sansão abandonou, e quando o fez, o Senhor se apartou dele. O resultado foi que Sansão não tinha mais poder e os filisteus foram capazes de fazê-lo prisioneiro.
 Ele perdeu o poder de separação da santidade. Tem sido dito que o sal é uma figura disso. As escrituras dizem: " Bom é o sal, mas, se o sal se tornar insulso, com que o adubareis? Tende sal em vós mesmos" (Marcos 9:50). Neste sentido, poderíamos dizer que Sansão perdeu seu sal, ele perdeu seu poder de santidade por sua falta de separação para o Senhor.

O Senhor Jesus foi o nazireu perfeito como o Único moralmente separado do mal. Isto permitiu que ele ficasse fisicamente perto de pecadores sem ser contaminado. Ele é o Único que manteve perfeitamente o voto nazireu. Ao fazê-lo, Ele mostra como a separação moral pode afetar aqueles que o veem.
 Esse é o estilo de vida que tem poder para testemunhar para aqueles que estão no “mundo”, o estilo de vida que está próximo do mundo, mas separado moralmente dele. Resumindo, podemos dizer que o estilo de vida de Sansão é um exemplo do que acontece quando se professa ser separado do mundo, mas não permanece, enquanto o Senhor Jesus é um exemplo do que acontece quando se mantém a separação. 
A importância dessas coisas não pode ser subestimada para os cristãos nos dias de hoje. Estamos no mundo, mas não somos do mundo. Enquanto o mundo se degenera, a imundície se torna mais pronunciada e abertamente mal, ainda existe a oportunidade de viver um estilo de vida dedicado (ao Senhor*) que possui o poder para vencer o mundo.

D.C. Buchanam