terça-feira, 16 de junho de 2015

Encarando a realidade

Desde o início da história do homem, assim que o pecado entrou neste mundo, o homem tem o hábito de se recusar a encarar a realidade. 
Quando o Senhor confrontou Adão com seu pecado, ele tentou transferir a responsabilidade para Eva e ainda culpou a Deus para ela ter sido dada a ele. Caim mentiu e criou uma desculpa pelo assassinato de seu irmão Abel. E tem sido assim por todas as épocas. Em um sentido mais amplo, o homem sempre tende a ter ideias e ambições grandiosas sem qualquer esperança de realização. O Senhor Jesus usou essa tendência como uma figura em Lucas 14:28-30, onde um homem começou a construir uma torre, mas não tendo analisado os custos foi incapaz de terminá-la. Hoje, com alguns cliques no mouse, você pode editar suas fotos, literalmente pintar seus defeitos e descrever suas "supostas" habilidades. Uma página do Facebook ou um currículo mostram isso, mas está longe da realidade! 

Todos relutamos muito em admitir nossos pecados habituais e características ruins de caráter, até para nós mesmos. Como alguém já observou, muitas vezes, a verdade é tão horrível que nos recusamos a enfrentá-la e isso nunca é mais verdadeiro do que quando a verdade envolve enfrentar o que a nossa velha natureza pecaminosa é capaz de pensar ou fazer. Quantas vezes damos desculpas, encobrimos, racionalizamos ou mesmo negamos o que somos por natureza. 

O mundo da fantasia 
Nos últimos anos, no entanto, tenho observado que esta propensão para deixar de encarar a realidade tem sido grandemente multiplicada. A televisão está conosco há mais de 60 anos e tem feito um bom trabalho em injetar fantasia na mente humana. Isto é particularmente verdadeiro nas crianças pequenas, cujas mentes não são sempre capazes de separar a fantasia da realidade. Mais recentemente, mídias como a Internet, Facebook, jogos de computador e filmes têm agravado o problema. Até o mundo reconhece isso, como deixa claro o trecho a seguir de um site dedicado a vida saudável: 

"Infelizmente, a TV não é o somente o mundo de fantasia que as pessoas vivem; é apenas o mais comum. Incluído neste mundo de fantasia de nossas mentes estão filmes, jogos on-line, chats, histórias em quadrinhos, desenhos animados para crianças, consoles de videogame e, em menor grau, romances. 

Nenhuma destas coisas são necessárias para uma vida bem-sucedida e quando elas começam a tomar o nosso tempo, relacionamentos, trabalho, saúde e imaginação, a situação torna-se bastante grave. A questão é que as pessoas estão felizes em ver, ouvir e ler sobre a vida dos outros deixando seu próprio registro insignificante. Enquanto isso, elas estão perdendo toda a plenitude da vida!" 

Como o autor afirma nesta citação, o problema reside no fato de que estas coisas promovem a fantasia e "viver em um mundo irreal" pode assumir o controle de nossas vidas. O nosso tempo é gasto em algo que não é real e, portanto, pouco tempo resta para o que é real. Como crentes, devemos estar cada vez mais atentos a esta tendência, pois o que se passa no mundo inevitavelmente afeta a igreja de Deus. Como crentes, a falta de realidade pode permear nosso pensamento, que possuímos muito mais a nossa disposição em Cristo. Isso pode acontecer em relação a posses terrenas. Paulo podia dizer a Timóteo para ordenar aos que eram ricos "não ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente e sejam comunicáveis; que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna" (1 Timóteo 6:17-19). É só olhando as “realidades” e não somente a nós mesmos nesta vida, mas também a eternidade, que podemos entender um pouco melhor "o que é realmente a vida". 

Armadura falsa 
O indivíduo que não consegue encarar a realidade nunca poderá realmente honrar a Deus e muito menos ser verdadeiramente alegre. O incrédulo que recusa o conhecimento de Deus no evangelho tem necessidade de viver em um mundo irreal onde uma falsa armadura o protege de pensar sobre a incômoda verdade. A palavra de Deus é o único livro no mundo que nos dá a realidade, não apenas sobre o que pode ser visto, mas também sobre as coisas que não são vistas. Assim, um crente que não enfrenta a realidade também tem uma falsa armadura em torno dele, como por exemplo, se ele recusa a obedecer o que o Espírito de Deus pode ter trazido antes dele com base na palavra de Deus. Ou, o crente pode não querer confessar seu pecado e falha com o Senhor, e assim privando-se da alegria do Senhor. Como alguém apropriadamente já disse, Deus sempre nos encontrará onde estivermos, se estivermos dispostos a admitir onde estamos. É quando fingimos ser o que não somos que Deus deve ocupar nossos corações com a nossa atitude falsa. 

Uma visão de esperança 
Isso significa que nunca devemos desejar uma situação que não seja nossa imediatamente? Nunca podemos sonhar com algo que, no momento, Deus não nos deu? As escrituras não dizem isso. Pelo contrário, lemos que "onde não há visão, o povo se corrompe" (Provérbios 29:18 JND). Este versículo está sendo cumprida hoje, os homens olham para trás com saudade do passado, mas não vendo nenhuma esperança para o futuro, estão tirando toda restrição e vivendo apenas para a satisfação do presente. O crente tem uma visão, mas essa visão deve ser fundamentada na palavra de Deus e com o Senhor em primeiro lugar, não nós mesmos. Quantos crentes têm sido encorajados pelo exemplo de Jabez, que no meio das dificuldades teve uma visão de bênção para sua vida! Ele não quis apenas que o Senhor abençoasse e ampliasse suas fronteiras (1 Crônicas 4:10), mas ele também queria ser guardado do mal. Há registros de que "Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido" (1 Crônicas 4:10). Ele teve uma visão e como foi de acordo com a mente de Deus, ela foi concedida. Nós também podemos ter uma visão do que gostaríamos e o Senhor quer que tenhamos tal visão de grande alcance. Mas ela deve estar conectada com Ele e produzida em nós pelo Seu Espírito. Aquele que não tem o gozo das "grandes e preciosas promessas" que Deus nos deu, não será capaz de escapar "da corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo" (2 Pedro 1: 4), mas é descrito como um cego que "nada vê ao longe" (2 Pedro 1: 9). Quando nossa visão está nublada não podemos ver ao longe e, assim, as coisas presentes assumem nossas almas. 

Nestes últimos dias, com o mundo vivendo cada vez mais em negação e recusando-se a encarar a realidade, é ainda mais importante para os crentes sejam “reais”. Em primeiro lugar, temos que ser verdadeiros no nosso relacionamento com o Senhor, com o nosso relacionamento com outros crentes e, finalmente, nas nossas relações com o mundo que nos rodeia. Se a nossa relação com o Senhor está correta, então as outras se encaixarão facilmente em seus devidos lugares. O mundo a nossa volta procura por aqueles que, com a paz em seus corações a respeito da eternidade e do presente, podem viver e pregar a Cristo. Isso é um privilégio e uma responsabilidade para todos nós. 

W. J. PROST - Junho de 2014