sábado, 1 de dezembro de 2012

Não Retenha a vara - Martin Girard


(A "surra" ainda tem lugar na época atual?)

"Castiga a teu filho enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo" (Provérbios 19:18).


O que a Palavra de Deus, a Bíblia, diz acerca da disciplina dos filhos? Há hoje em dia lugar para o castigo físico? O livro de Provérbios aborda este assunto repetidas vezes.
Os pais têm a responsabilidade, dada por Deus, de ensinar seus filhos no caminho em que devem andar (Provérbios 22:6). A disciplina é necessária, pois uma criança nasce com uma natureza pecaminosa. Não é preciso ensinar uma criança a fazer o que é errado – é algo que acontece naturalmente! E o método prescrito por Deus para tratar deste problema é, de fato, a disciplina física. "A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da disciplina a afastará dela" (Provérbios 22:15).
A disciplina deve começar quando a criança é ainda pequena, porque nesta idade há "esperança". Muitos pais, fracassando em disciplinar seus filhos desde a tenra idade, têm descoberto, através de dolorosas experiências, quão mais difícil é colocar as coisas em ordem depois. A Escritura declara: "Castiga a teu filho, enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo" (Provérbios 19:18). Até pode haver lágrimas – e algumas vezes as lágrimas precederão a disciplina! Mas não deixe que elas impeçam a correção, pois "se a fustigares com a vara, não morrerá" (Provérbios 23:13). Na verdade, a longo prazo o castigo terá um efeito de livramento sobre a criança: "Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno" (Provérbios 23:14).

MAS ISTO NÃO É AMOR!
Algumas pessoas argumentarão, dizendo: "O castigo físico é degradante. Os pais que fustigam seus filhos certamente não os amam!". Só que, a esse respeito, a Bíblia afirma exatamente o oposto: "O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina" (Provérbios 13:24). O amor de Deus por nós faz com que Ele nos discipline (Hebreus 12:6-7), e Ele espera que os pais terrenos exercitem o mesmo amor disciplinando seus filhos, ofertando uma disciplina que no fim será para o bem da criança. Uma criança indisciplinada nunca aprenderá o que significa o autodomínio, pois sempre terá em perspectiva o seu próprio caminho. Nenhum pai amoroso jamais apreciará aplicar castigo a seu filho, mas para o bem dele o verá como parte necessária de sua educação.

QUE VERGONHOSO!
O livro de Provérbios ensina o valor do castigo físico. Uma criança entregue a si mesma trará vergonha a seus pais, pois o seu comportamento indisciplinado os desabonará por falharem em aplicar a devida disciplina (Provérbios 29:15). Semelhante falta de respeito dos filhos pelos pais também fará com que eles experimentem vergonha e desonra (Provérbios 19:26).
O filho que se torna "insensato" em vez de "sábio" trará "tristeza para o pai e amargura para sua mãe" (Provérbios 17:25). Por outro lado, um filho sábio, fruto de disciplina e educação eficazes, alegrará seus pais (Provérbios 15:20). Os pais desta criança experimentarão, a tempo, "descanso" e "delícias" ao ver os efeitos da disciplina aplicada na tenra idade operando na idade adulta (Provérbios 29:17).

O CONFLITO
A fustigação pública nas escolas já foi banida em muitos países ocidentais. E o direito dos pais em aplicar castigo físico aos filhos vem sendo amplamente questionado. A "sabedoria" humana tem substituído cada vez mais os princípios da Sagrada Escritura. O resultado é uma geração de crianças mal-educadas e indisciplinadas, e os casos de violência e crime juvenil chegando a proporções alarmantes.
A disciplina dos pais e a inequívoca crueldade são duas coisas totalmente diferentes. Do ponto de vista bíblico, o castigo físico nunca foi tencionado a ser brutal ou agressivo – e as crianças devem ser protegidas das ásperas agressões de pais furiosos. Contudo, ainda há lugar para uma disciplina firme e sobretudo amorosa no lar, acompanhada do castigo físico quando necessário.
Os pais que desejam permanecer fiéis à Palavra de Deus enfrentarão um futuro cada vez mais difícil à medida em que as teorias humanísticas vão se enraizando nas leis de muitos países. Os pais cristãos precisarão de coragem para, como Pedro, afirmar ousadamente: "Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens" (Atos 5:29).