domingo, 5 de janeiro de 2014

AS ADVERTÊNCIAS DA PALAVRA DE DEUS I

CAP I - L. R. SHELTON, JR.

I
Orando e esperando na presença de Deus para saber a Sua mensagem para o nosso coração, senti-me levado pelo Espírito Santo no sentido de transmitir uma série de mensagens sobre AS ADVERTENCIAS DA PALAVRA DE DEUS, dirigidas àqueles que não aceitaram a Cristo, confiando nEle como o objeto da verdadeira fé salvífica.

As Escrituras contêm muitas advertências assim, de modo que considero oportuno soar a trombeta das Escrituras, avisando que quem ficou sem Cristo, perdeu tudo. Por quê? Porque nEle “todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos” (Cl. 2:3). Nele se acha tudo quanto Deus deseja de bom para o homem pecaminoso, pois Cristo é o Caminho, e a Verdade, e a Vida, e ninguém pode chegar ao Pai e ao céu a não ser por Ele (Jo 14:6).

Preste atenção! As Escrituras declaram que EM CRISTO há perdão para os pecadores mais vis. EM CRISTO há doce paz para a consciência, a paz com Deus, porque Cristo nos comprou essa paz pelo sangue da Sua Cruz. EM CRISTO há repouso para a alma cansada. EM CRISTO temos o caminho para o Pai celeste, e a porta aberta para o aprisco de Deus. EM CRISTO temos a fonte das águas vivas, riquezas espirituais de valor incontável, e um pleno suprimento de graça e de verdade para a alma fraca e esgotada.

Somente EM CRISTO há a purificação de todo o pecado. Somente EM CRISTO há a perfeita justificação e, portanto, a perfeita aceitação diante de Deus. Somente EM CRISTO se acha a verdadeira luz para iluminar o nosso caminho através desse ermo triste e escuro em que vivemos. Somente EM CRISTO seremos inocentados quando Deus julgar o mundo. Somente os que estão EM CRISTO ouvirão essas palavras graciosas: “Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que meu está preparado desde a fundação do mundo” (Mt 25:34). Somente EM CRISTO há Livramento do poder e da penalidade do pecado. Somente EM CRISTO haverá gozo eterno na presença dEle quando, revestidos do nosso novo corpo, e eternamente separados da própria presença do pecado, passaremos a estar com Ele.

Veja bem, caro leitor: ficar sem Cristo é perder todas as riquezas de Deus e permanecer eternamente na Sua ira. Foi por isso que o apóstolo Paulo escreveu: “Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Jesus Cristo meu Senhor: por amor do qual, perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo, e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé” (Fp. 3:8-9).

Pergunto ao leitor, portanto: VOCÊ CONHECE O SENHOR JESUS CRISTO? Você o conhece de um modo realmente salvífico? Ele é tudo para você? Ele é uma realidade viva no seu coração? Você anda com Ele naquela união vital, por ser Ele sua Vida, seu Cabeça, seu Esposo, seu Senhor? Você o conhece naquela união amorosa da comunhão e da adoração, na qual Ele vale mais do que o mundo inteiro para você? Você está disposto a abrir mão de tudo, a fim de ser achado somente nele?

Pergunto de novo: VOCÊ CONHECE A CRISTO? Quero sondar seu coração nesse assunto, porque é esta a diferença entre o céu e o inferno: saber se o pobre pecador, merecedor do inferno, entrou pela graça nessa salvação viva que existe somente em Cristo.

Preste atenção de novo! Você tem a Cristo, ou uma mera decisão da boca para fora? Você tem Cristo, ou apenas a esperança proveniente do batismo? Você tem Cristo, ou apenas a esperança decorrente de ser membro da igreja? Você tem Cristo, ou somente a esperança que provém das suas boas obras, orações, contribuições, e melhores esforços? Você tem Cristo? Você pode dizer: Estou crucificado com Cristo e Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim (Gl 2:19-20)?

Tendo em mente esses pensamentos, examinemos 1 Co 13:1-3, como primeiro texto bíblico que nos ensina que, não importa o que possuímos, se não temos CRISTO E O SEU AMOR, nada temos. Assim fala a Palavra de Deus: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver CRISTO E O SEU AMOR, serei como o bronze que soa ou como o metal que soa. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé ao ponto de transportar montes, se não tiver CRISTO E O SEU AMOR, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres, e ainda que queimado, se não tiver CRISTO E O SEU AMOR, nada disso me aproveitará.”

Vemos nesse texto que podemos possuir dons de todos os tipos; dons que edificam a nós mesmos e ao próximo, que são de beneficio para nós mesmos e ao próximo, que são de beneficio para nós e para os outros; mas, se não possuirmos o maior dom de todos, CRISTO E O SEU AMOR, todos os dons que se possa possuir ficarão sem valor. Vejam bem: estes crentes professos em Corinto atribuíam muito valor aos dons, e o estudo do capítulo 14 de 1 Coríntios nos deixa entender que fizeram muito abuso deles. Por isso, o Espírito Santo advertiu-os, através do apóstolo Paulo, que mesmo se falassem nas línguas dos homens ou dos anjos, sem terem CRISTO E O SEU AMOR, estavam vazios, ocos, sem a graça salvífica, e os sons que produziam não passavam de barulhos como de instrumentos metálicos inanimados.

QUE ADVERTÊNCIA! Vem do próprio Deus, e não de mim! Preste atenção! Trata-se de crentes professos que tinham mais esperança nos seus dons do que no Deus vivo em Cristo. Muitos erram nesse aspecto! A sua esperança se fundamenta num dom, e não Cristo, a esperança da glória. Confiam nalguma experiência, e não em Cristo, a âncora segura da alma. Caro leitor, você baseia sua esperança no fato de ter recebido um dom? Esse fato ocupa a totalidade da sua vida, da sua conversa, do seu testemunho? Então, seja advertido pela palavra de Deus. Você está enganado no tocante à sua esperança do céu se você não tiver CRISTO E O SEU AMOR. Preste atenção! Para cada crente, é Cristo, e não algum dom, que é precioso para a sua alma. é Cristo o assunto da sua conversa – aquilo que Ele tem feito pela sua alma imortal – e não o dom ou dons que porventura tenha recebido.

Esta advertência vem de Deus, e não de mim; nada mais faço do que proclamá-la, e ficar zangado comigo porque peço a sua atenção nesse assunto não altera os fatos. Pelo contrário, assim você meramente demonstra que você dá mais valor ao seu dom do que a Cristo, e que você não chegou a firmar-se nele como o alicerce de uma boa esperança mediante a graça.
No v. 2 de 1 Co 13 somos avisados que há aqueles que até mesmo possuem o dom da profecia; o dom da fé em entender todos os mistérios; o dom da fé especial ao ponto de remover montanhas, e todo o conhecimento das Escrituras, mas, se não possuem o dom maior de Deus; CRISTO E O SEU AMOR, não são nada, não possuem nada, e ficam por fora das coisas celestiais.

Que advertência! Só imaginar que um homem, uma mulher, ou um jovem pode possuir tudo isso e ainda ficar sem Cristo! Estremeço ao perceber que é possível chegar tão perto de Deus e ainda ficar fora do céu!
Caro leitor, você pergunta qual o significado de tudo isso, qual a natureza dessa advertência? Trata-se do seguinte: a pessoa pode ter a compreensão intelectual de toda a verdade, saber interpretar a Palavra dos Profetas, e entender os mistérios da Bíblia, e mesmo assim, ficar sem Cristo, porque ficou sem a convicção no Espírito Santo que era para colocar Jesus Cristo como a pedra Angular no seu coração e na sua vida, mediante a fé implantada por Deus.

Fico cada vez mais convicto, à medida que converso com as pessoas, frequento os estudos bíblicos e fico conhecendo diversos grupos, que aquilo que mais faz falta hoje em dia é a convicção do Espírito Santo.
Aquilo que não se acha frequentemente hoje em dia é o coração aberto pelo Espírito Santo de Deus, o coração que reconhece diante de Deus que está na praga do pecado e da culpa. Falta essa abertura do coração para reconhecer vazio da vida sem Cristo. Falta a convicção no Espírito Santo para levar o pecador a arrepender-se diante de Deus, e reconhecer a culpa pela sua condição pecaminosa, e confessá-la diante de Deus, e repudiá-la. Torna-se urgentemente necessário o poder do Espírito Santo para convencer e levar á verdadeira fé salvífica em Cristo, para nos revelar que não temos fé salvífica e que precisamos da obras do Espírito em nosso coração, pois a salvação vem do Senhor.

Já falei e repito: se você não tem a CONVICÇÃO do Espírito Santo, você não tem ARREPENDIMENTO, e se você não tem ARREPENDIMENTO, você fica sem fé, e se você não tem FÉ, você fica sem CRISTO, e se você não tem CRISTO, você fica sem o CÉU, e se você não tem o CÉU, você está no caminho do INFERNO, e isso por toda a eternidade, por causa da sua rebelião pecaminosa contra Deus (Rm 8:7-9).

Hoje em dia, embora muita importância seja dada aos dons do Espírito Santo para o crente, é raro ouvir alguém proclamar com clareza os dons Espírito Santo para o descrente. O leitor pergunta: onde já se viu dons do Espírito Santo para o descrente? Quais seriam? Responderei da seguinte forma:
Primeiro, há o dom do Espírito Santo que é PODER PARA ACORDAR. E assim, o Espírito Santo diz: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará” (Ef 5:14). Considero que esta é a melhor dádiva que Deus, o Espírito Santo, pode dar ao homem: despertá-lo do seu estado dormente, morto, e levá-lo a Cristo, a luz do mundo.

Segundo, o dom do PODER DA CONVICÇÃO, da parte do Espírito Santo. “Quando o Espírito Santo vier convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo; do pecado, porque não crêem em mim” (Jo 16:8-9). Considero que essa é outra grande dádiva que o Espírito Santo nos dá, a de nos convencer do pecado da incredulidade, porque não aceitamos a Cristo de modo salvífico.

Terceiro: a dádiva do ARREPENDIMENTO mediante o Espírito Santo. “Deus, porém, com a sua destra, exaltou (Cristo) a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados” (At. 5:31). E como recebemos essa dádiva? Por Deus (At. 11:18). Essa dádiva é muito preciosa, portanto, posto que uma obra genuína de arrependimento é necessária para a salvação. Assim declarou nosso Senhor: “Se, porém não vos arrependeres, todos igualmente perecereis” (Lc 13:3).

Quarto, o dom da FÉ mediante o Espírito Santo. “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Ef 2:8). Veja bem: posto que nenhum tipo de graça atua a não ser quando a graça da fé entra em operação, esse dom da fé que o Espírito Santo nos dá é muito precioso para a nossa alma.
Vemos, portanto que sem termos recebido essas quatro dádivas da parte do Espírito Santo enquanto ainda éramos descrentes, todos os demais dons seriam inúteis, por terem areia por alicerce.
No último versículo do texto em estudo (1 Co 13:1-3) lemos: “E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres, e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver CRISTO E O SEU AMOR, nada disso me aproveitará.” Percebemos aqui que podemos praticar todos os atos exteriores do cristão, mas se não tivermos CRISTO E O SEU AMOR habitando em nós, e não estivermos motivados pelo amor de Cristo, tudo isso de nada nos aproveitará. Que advertência temos nesses três versículos juntos!

Tenho rogado a Deus que me deixe entregar essa mensagem com amor e humildade, para advertir contra o perigo de não termos Cristo em nós como nossa esperança da glória. Meu coração se estende ao leitor com amor, por compreendo a sua condição. Houve um tempo quando eu também estava assim, e foi exclusivamente pela graça e misericórdia de Deus que essas dádivas do Espírito Santo me foram dadas quando eu ainda era descrente.
Queira o Espírito Santo implantar em cada coração que está longe de Cristo essas quatro dádivas preciosas do DESPERTAMENTO, da CONVICÇÃO, do ARRPENDIMENTO, da FÉ! Que Cristo venha a ser precioso para o coração e a vida de você naquela união viva, amorosa e perpétua!

Autor: L. R. Shelton, Jr.
Digitação: Sabryna Santos com Autorização
Revisão: Robson Alves de Lima
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br