quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Devo protestar contra videos de humor?


De vez em quando recebo o convite de algum cristão bem intencionado para protestar contra algo ou alguém que esteja desrespeitando Cristo, o cristianismo e os cristãos. Nos últimos dias recebi pelo menos dois emails me convidando a participar de um protesto contra uma produtora de vídeos de humor. Em que pese a boa intenção de quem promove tais campanhas, vejo isso como total falta de entendimento do quê é o mundo e da posição do cristão nele. 



“Este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo. Do mundo são, por isso falam do mundo, e o mundo os ouve. Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro” (1 Jo 4:3-6). 

O cristão tem cidadania celestial, não terrena, portanto seus interesses não estão aqui, mas no céu. A teologia do pacto, encontrada tanto no catolicismo como no protestantismo, leva as pessoas a terem uma visão equivocada do lugar do cristão e de sua relação com o mundo. Basicamente essa teologia enxerga a igreja como herdeira das promessas feitas por Deus a Israel no Antigo Testamento, que eram no sentido de dar àquele povo um lugar neste mundo e ser respeitado por todas as nações. 

Sempre que essa teologia foi levada ao extremo os cristãos pegaram em armas para conquistar territórios com a desculpa de fazê-lo para Cristo, como aconteceu nas Cruzadas e em outras ações colonialistas. Mas existem iniciativas mais brandas, como exigir do governo que no dinheiro seja impressa a frase “Cremos em Deus” ou que em repartições públicas sejam colocados crucifixos ou ainda lutar por “direitos cristãos”. Tudo isso nada mais é que os cristãos desejarem deixar uma marca na política e na sociedade. Ao invés de buscarem resgatar almas para Cristo procuram transformar o mundo em um espaço cristão. 

O erro está em não entender que Deus não deu à Igreja sequer o espaço de terra de um pé neste mundo, o que foi tipificado na vida de Abraão, o peregrino que não tinha lugar nesta terra. “E não lhe deu nela herança, nem ainda o espaço de um pé” (At 7:5). Quando lemos da vida de Abraão é proveitoso enxergá-lo como figura do cristão que não tem lugar no mundo, em contraste com seu sobrinho Ló, que representa o cristão que busca por uma posição no mundo entre os incrédulos. Em seu desejo de se estabelecer aqui ele foi armando suas tendas até ir morar em Sodoma e acabar assumindo uma posição entre os juízes daquela cidade iníqua. 

“E levantou Ló os seus olhos, e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada, antes do Senhor ter destruído Sodoma e Gomorra, e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, quando se entra em Zoar. Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o oriente, e apartaram-se um do outro. Habitou Abrão na terra de Canaã e Ló habitou nas cidades da campina, e armou as suas tendas até Sodoma. Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o Senhor” (Gn 13:10-13). 

O testemunho de Abraão em meio aos incrédulos era: “Estrangeiro e peregrino sou entre vós” (Gn 23:4). O testemunho que a vida de Ló dava era visto assim pelos incrédulos habitantes de Sodoma: “Como estrangeiro este indivíduo veio aqui habitar, e quereria ser juiz em tudo?” (Gn 19:9). Portanto, sempre que um cristão quer interferir no mundo os seus habitantes incrédulos têm toda a razão de dizerem: “Como estrangeiro este indivíduo veio aqui habitar, e quereria ser juiz em tudo?”

Os habitantes de Sodoma suportaram Ló enquanto ele lhes era útil, e nesse período até mesmo tentaram conquistar Abraão. Em um episódio em que Abraão libertou seu sobrinho Ló das mãos de reis inimigos, e por tabela salvou também os habitantes de Sodoma, o rei de Sodoma ofereceu a Abraão vantagens financeiras e Abraão recusou. Quão diferente é isso do que fazem hoje os líderes religiosos que comem na mão de governantes de olho nos votos que irão obter através deles em seus "rebanhos"! 

“Não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tg 4:4). 

O mundo é inimigo de Deus, sempre foi e sempre será até Cristo vir estabelecer o seu Reino em poder e glória. Mas aí será ele, e não os cristãos, quem fará a faxina. Tentar mudar isso é querer maquiar o diabo para deixá-lo parecido com anjo, e os cristãos não precisam se dar ao trabalho porque o próprio diabo já faz isso muito bem consigo mesmo. Se vemos Satanás querendo parecer bom, e seus ministros querendo parecer ministros de justiça, será que agora alguns cristãos ainda vão querer que o mundo vista a fantasia de amigo de Deus? Fala sério! 

“E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça” (2 Co 11:14-15). 

Se você estranha quando comediantes fazem pouco da fé dos cristãos é bom considerar que boa parte do combustível que usam para suas piadas é fornecido pelos próprios cristãos. Graças a muitas “igrejas” e “pastores” que estão por aí o cristianismo hoje é piada pronta nas mãos dos humoristas. Também não adianta querer consertar isso, pois o próprio Espírito Santo, em Apocalipse, dá à cristandade apóstata um nome que não é nenhum elogio: “A Grande Meretriz”

E o que pensar quando os próprios cristãos também têm seu repertório de piadas sobre a Bíblia, Deus e Jesus? Ou você nunca ouviu algum irmão contá-las? Nos Estados Unidos existem até “clubes cristãos” onde humoristas no estilo “stand up” fazem graça usando o nome de Deus e as coisas santas. É claro que ali não se conta “piadas sujas”, como costumamos chamar as de sexo, mas só piadas que profanam as coisas de Deus e usam o seu nome em vão. 

Enquanto isso o mundo continuará a zombar de Cristo e da fé cristã, e o que se poderia esperar de um mundo que declarou “Não queremos que este reine sobre nós” (Lc 19:14)? Ou que gargalhou quando soube que o Filho de Deus estava morto? “Vós chorareis e vos lamentareis, e o mundo se alegrará” (Jo 16:20)? O espírito que prevaleceu no mundo quando Cristo morreu é o mesmo que prevalece hoje e será o mesmo no futuro, quando em Apocalipse vemos a reação do povo incrédulo diante da notícia da morte das testemunhas fiéis: 

“E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros. E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra” (Ap 11:9-10). 

Você já viu uma festa de natal bem animada, com todos trocando presentes, se beijando e soltando fogos de artifício? Pois é este o sentimento real do mundo quando vê o testemunho de Deus na terra se dar mal. Se você ainda se surpreende por humoristas fazerem piada de Cristo ou por cristãos serem perseguidos você não conhece as Escrituras ou é muito ingênuo em pensar que um dia este mundo será um lugar maravilhoso com todos alegremente dando tapinhas nas costas dos cristãos. 

Os versículos abaixo podem ajudar a refrescar a memória de quem se ilude pensando existir no mundo algum respeito por Cristo e pelos cristãos: 

“Meus irmãos, não vos maravilheis, se o mundo vos odeia (1 Jo 3:13). 

“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim” (Jo 15:18). 

“Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia (Jo 15:19). 

“Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno (1 Jo 5:19). 

Mas o que fazer quando humoristas ímpios fazem gozação com a Pessoa de Cristo? Como agir quando cristãos são humilhados e perseguidos? Bem, existe a maneira humana e a maneira divina de reagir a isso. A humana é bem conhecida. Protestar, fazer abaixo assinados, entrar com petições públicas, exigir direito de resposta e coisas do tipo. Muitos cristãos irão argumentar que como a Constituição faculta estas coisas a todo cidadão não há nada de errado em utilizá-las para garantir o respeito a Cristo e aos cristãos. 

A maneira divina de reagir nós temos claramente demonstrada pelo modo de agir do próprio Senhor Jesus quando era humilhado e perseguido: 

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus (Fp 2:5). 

“Porque é coisa agradável, que alguém, por causa da consciência para com Deus, sofra agravos, padecendo injustamente. Porque, que glória será essa, se, pecando, sois esbofeteados e sofreis? Mas se, fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus. Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós,deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas... O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente” (1 Pe 2:19-23). 

“Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos” (1 Ts 5:15). 

Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12:19-21). 

Portanto fica muito clara a reação que cabe ao cristão quando seu Senhor é ofendido ou quando o próprio cristão é humilhado e perseguido: entregar tudo ao Senhor. Assim foi também o exemplo deixado pelos apóstolos do Senhor, como explica Paulo: 

“Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos” (1 co 4:11-13). 

Talvez você argumente aqui que Cristo, quando viu o Templo ser invadido por mercenários, pegou um chicote e os expulsou dali. Pois é exatamente o que estou dizendo para você fazer: deixar Cristo cuidar do assunto. Quanto às perseguições que cairiam sobre seus discípulos o Senhor lhes disse, falando profeticamente como eles estando no caráter do remanescente de judeus fiéis que se converterão na grande tribulação: 

“Tenho-vos dito estas coisas para que vos não escandalizeis. Expulsar-vos-ão das sinagogas; vem mesmo a hora em que qualquer que vos matar cuidará fazer um serviço a Deus. E isto vos farão, porque não conheceram ao Pai nem a mim (Jo 16:1-3). 

“Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima” (Lc 21:28). 

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mt 5:11-12). 

O que o Senhor diz ali? Quando vos injuriarem e perseguirem e disserem o mal contra vós por minha causa, protestem, procurem seus direitos, façam abaixo assinados? Não! Ele diz: “Exultai!... Levantai as vossas cabeças!”

Agora que você sabe qual é a vontade do Senhor quanto a como deve agir, caso você ainda assim insistir em “procurar seus direitos” ou “fazer cumprir a lei” ou protestar de algum modo, saiba que então você estará agindo exatamente como os incrédulos comediantes. A diferença será que eles estarão desobedecendo a Deus por atacarem e você estará desobedecendo a Deus por se defender. 

"Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse; Mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis.  Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus; quanto a eles, é ele, sim, blasfemado, mas quanto a vós, é glorificado. Que nenhum de vós padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como o que se entremete em negócios alheios; Mas,se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte(1 Pe 4:12). 

por Mario Persona