domingo, 5 de janeiro de 2014

AS ADVERTÊNCIAS DA PALAVRA DE DEUS II

L. R. Shelton, Jr.

II

Há duas verdades básicas que percorrem as Escrituras, e que são vistas em quase todas as suas páginas: DEUS É SOBERANO, e O HOMEM É UMA CRIATURA RESPONSÁVEL. Somente ao conservarmos o equilíbrio entre essas duas verdades é que ficaremos livres dos enganos. A soberania divina não deve ser levada ao extremo de excluir a responsabilidade humana, nem se deve ressaltar a responsabilidade humana ao ponto de desconsiderar ou negar a soberania de Deus.

Creio que a Bíblia ensina a soberania divina: o direito de Deus de fazer aquilo que Ele quer, como Ele quer, e quando Ele quer, porque é Deus. Acrescentamos, porém, que o Deus soberano da Bíblia somente age de conformidade com Sua natureza santa; logo, o Juiz de toda a Terra somente poderá fazer aquilo que é justo.

O Deus soberano criou a nós, Suas criaturas, segundo Seu plano soberano, RESPONSÁVEIS diante dEle por tudo quanto fazemos, dizemos ou pensamos. Temos a responsabilidade de amar a Deus de todo o coração, de toda a alma, de todo o entendimento, e de todas as forças, e de amar ao nosso próximo como a nós mesmos. Como criaturas responsáveis, devemos nos arrepender e crer; voltar-nos contra o pecado e para Deus; andar no caminho reto e estreito da santidade; e conservar-nos imaculados do mundo. Devemos desenvolver a nossa salvação com temor e tremor; orar e buscar a face de Deus; adorá-lo em espírito e em verdade, e viver nossa vida terrestre no temor do Senhor.

Por outro lado, devemos entender, pelas Escrituras, que Deus prometeu que, no fim, nos levará ao lar celestial em segurança, pois é Ele mesmo quem atua em nós segundo o Seu beneplácito, pelo Seu Espírito. Ele prometeu que nos apresentará imaculados naquele Último Dia; e que nada poderá separar de nosso Senhor os que estão nEle. Ninguém poderá arrancar um filho de Deus das mãos de Cristo.

Quando, porém, chegamos ao ensino bíblico da segurança eterna do crente, descobrimos que existem muitos mal-entendimentos a respeito dessa bendita verdade, nos dias de hoje. Essa verdade, da mesma maneira de todas as demais verdades nas Escrituras, tem dois lados: a soberania de Deus e a responsabilidade humana. Grandes danos e confusões têm sido provocados pela falta de reconhecer esse fato e de levá-lo em conta; por isso, é necessário prestarmos atenção à advertência divina.

Preste bem atenção! Tem havido aqueles que insistem ousadamente que, se Deus elegeu, desde a eternidade, determinado homem para ser salvo, aquele homem será salvo independentemente daquilo que faz ou deixa de fazer. Não é assim, porém, que a Palavra em 2 Ts 2:13 que Deus escolheu desde o principio as pessoas para a SANTIFICAÇÃO do Espírito e a FÉ na VERDADE, e que quem não crer na verdade nunca será salvo. Em Lc 13:3 nosso Senhor declara: “Se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis.” O pecador que não se arrepender não será salvo, portanto.

Seguindo a mesma linha de raciocínio, há aqueles que dizem: “Se alguém é um cristão genuíno, tem a certeza do céu, independentemente de como vier a comportar-se posteriormente, não importa até que ponto vier a desviar-se, e sem levar em conta quais pecados vier a cometer, tem certeza do céu. Mas não é assim que a Palavra de Deus ensina. Para alguém chegar ao céu, precisa andar no único caminho que leva até lá, o caminho da retidão e da verdadeira justiça. Deus não nos salvou com a finalidade de nos dar liberdade para andarmos nas concupiscências da carne, mas a liberdade de andarmos no caminho da santidade (Hb 12:14).

Já fiquei conhecendo muitíssimas pessoas que professam ser crentes, mas cuja vida diária não difere em nada de milhares de não-professos ao seu redor. São raramente, ou talvez nunca, achadas nas reuniões de oração; não têm adoração em família; raras vezes lêem as Escrituras; não falam com ninguém a respeito das coisas de Deus; nada sabem da preciosidade de Cristo; andam de modo totalmente ímpio, mas sentem certeza de que estão a caminho do céu. Se alguém lhes perguntar qual a base ou fundamento da sua confiança, responderão que há certo número de anos, aceitaram a Jesus como seu Salvador, e seu consolo é: “uma vez salvo, salvo para sempre.”

Digo, porém, de modo firme e positivo, tendo por base a Palavra de Deus, que se sua vida é assim, e se é essa a sua esperança do céu, você está nas areias movediças. Digo com todo o amor: você está perdido e precisa arrepender-se. A Palavra de Deus não ensina, pois, que o homem pode ser salvo e continuar nos seus pecados, no seu mundanismo, e no seu egoísmo; nosso Deus não oferece nenhuma salvação desse tipo. Ele nos salva dos nossos pecados, e não nos nossos pecados.
É para combater essa falsa doutrina que oferece-lhe uma falsa esperança da segurança, que as advertências da Palavra de Deus nos são feitas em tantos textos da Bíblia. São estas as advertências que estamos examinando nesta serie de mensagens.

Repetindo, pois: Nas Escrituras há muitas referências a essa graciosa verdade e doutrina da segurança eterna do crente; que, se realmente estamos em Cristo, feitos osso dos Seus ossos e carne da Sua carne, estamos realmente salvos, e isso por toda a eternidade. Nisso creio firmemente, e me regozijo; mas, por outro lado, nosso Deus vivo e soberano protegeu essa bendita verdade com o ensino da perseverança dos santos; ou seja: o crente tem a responsabilidade de andar diariamente nos caminhos da santidade, comprovando, assim, que realmente está em Cristo, e Espírito Santo habita nele.

A Lei e ao testemunho, portanto! Prestemos atenção à Palavra de Deus! Lemos em 2 Tm 2:19: “O firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem.” É essa a segurança eterna. Mas a última parte do mesmo versículo diz: “Aparte-se da injustiça todo aquele que professa o nome de Senhor.” É essa a perseverança cristã. O que comprova que estou em Cristo é que diariamente me aparto do pecado, ao invés de me afundar nele e dizer que sou um cristão carnal.
Hb 3:6 nos diz: “Cristo, porém, como Filho, sobre a sua casa; a qual casa somos nós.” É uma declaração certa a respeito de onde Deus nos coloca quando Ele nos salva: em Cristo; mas a comprovação desse fato acha-se na parte final do mesmo versículo: “Se guardamos firme até ao fim a ousadia e a exultação da esperança.” A comprovação de estamos em Cristo é guardarmos firmes, dia após dia, nossa confiança e segurança em Cristo, e, ao fazermos assim, regozijarmo-nos naquela esperança.

O v. 14 Hb 3 ressalta essa verdade com clareza: “Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se de fato guardarmos firme ate ao fim, a confiança que desde o princípio tivemos.”
Não somente devemos começar com Cristo, como também devemos chegar ao fim com Cristo. Pela Sua graça, devemos ficar firmes até ao fim, porque está escrito em Mt 24:13: “Aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo.”
Se o leitor achar que não devo exortar os crentes a perseverarem até ao fim, você não leu estes versículos em Atos: “Enviaram Barnabé até Antioquia. Tendo ele chegado e, vendo a graça de Deus, alegrou-se, e EXORTAVA a todos a que, com firmeza do coração, PERMANECESSEM no Senhor” (At. 11:22-23). “Paulo e Barnabé, falando-lhes, os persuadiam a PERSEVERAR na graça de Deus” (At. 13:43). “E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade, e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio e Antioquia, fortalecendo as almas dos discípulos, EXORTANDO-OS A PERMANECER FIRMES NA FÉ; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus” (At. 14:21-22).

Em 1 Co 10:12 temos a advertência baseada naquilo que aconteceu com Israel no deserto: “Aquele, pois, que pensa estar em pé, veja que não caia.” E em Hb 3:12: “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo.”
Nosso bendito Senhor, no Seu ministério terrestre, nunca deixou de advertir as pessoas quanto ao perigo de não irem até ao fim na vida da fé, de não levarem em conta a necessidade de perseverarem na fé. Ele nos adverte como segue: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás, é apto para o reino de Deus” (Lc 9:62). “Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos” (Jo 8:31). É somente à medida que continuamos na Sua Palavra e O seguimos que demonstramos que Seu Espírito realmente habita em nós.

Nosso Senhor disse aos Seus discípulos em Jo 15:10: “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor.” E no v. 14: “Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando.” Sempre apelava à responsabilidade deles. Nem nosso Senhor, nem Seus discípulos nas Epístolas destes, chegou a tratar os ouvintes como robôs ou pedras e paus, mas como criaturas responsáveis. É assim que as Escrituras nos exortam: “Guardai-vos no amor de Deus” (Jd. 21); “procurai…confirmar a vossa vocação e eleição” (2 Pe 1:10), “pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai ... a ciência, e a ciência a temperança ... a piedade ... o amor fraternal ... caridade” (2 Pe 1:5-7); “Fugi da impureza!” (1 Co 6:18); “fugi da idolatria” (10:14); “foge também das paixões da mocidade” (2 Tm 2:22); “guardar-se da corrupção do mundo” (Tg. 1:27); “Nada disponhais para a carne, no tocante às suas concupiscências” (Rm 13:14); “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena” (Cl. 3:5).
Que responsabilidade! Mas não há outra maneira de comprovarmos que estamos em Cristo, pois Ele mesmo disse: “Pelos seus frutos os conhecereis” (Mt 7:20).

O que, pois, faz o verdadeiro filho de Deus ao ver diante dele tanta demonstração bíblica da sua própria responsabilidade? Continuamente, dia após dia, lança seus cuidados no Senhor, pela fé, confiando nEle para combater o bom combate da fé. Clama ao Senhor e Salvador para guardá-lo segundo Suas promessas e operar nele a Sua vontade, levando-o a querer e agir segundo o Seu beneplácito.
Vê em Cristo a sua única esperança, e nEle confia, comprovando assim, dia após dia, que está em Cristo, pois dEle obtém as suas necessidades quotidianas. Continua confiando nEle, e comprova ser realmente mais que vencedor naquele que o amou.
Caro leitor, a vida do Crente verdadeiro é muito diferente daquilo que muitos cristãos professos imaginam. É uma vida da fé, de depender todos os dias inteiramente de Cristo, e pedindo a ajuda do Espírito. Você tem uma vida assim?

Autor: L. R. Shelton, Jr.
Digitação: Sabryna Santos com Autorização
Revisão: Robson Alves de Lima
Fonte: www.PalavraPrudente.com.br