segunda-feira, 14 de março de 2011

Decepções.

Decepções!

Quantas vezes na vida somos surpreendidos?
Quantos momentos de desilusões?
E, enquanto tivermos vida, teremos de uma ou outra forma, decepções.

As pessoas ficarão decepcionadas conosco.
Nós ficaremos decepcionados com elas.
Sabe por quê? Somos seres humanos, falhos, fracos e pecadores.

(Lc. 24:13-35)- Trás o relato de duas pessoas decepcionadas.
Eles eram discípulos de Jesus. Homens que presenciaram coisas maravilhosas; feitos que até então, nunca haviam visto.

Mas, tudo o que viram, tudo o que presenciaram, não foi o suficiente. O desencanto, o desânimo e a decepção, tomaram conta de suas almas.

Aquele que curava cegos, que multiplicava pães, purificava leprosos e ressuscitava mortos, foi crucificado e sepultado.
(Lc. 24:19)- Jesus...,que foi varão profeta. Era assim que os discípulos pensavam de Jesus. Eles ainda não tinham consciência plena de sua divindade.

(Lc. 24:21)- Nós esperávamos que...,estavam desiludidos, esperaram em Jesus, e, nada pareceu ter acontecido.
Três dias se passaram, não havia mais esperança de restauração natural.

(Lc. 24:22-24)- Recebem a noticia de algumas mulheres, não podiam negar, o túmulo estava vazio, mas..., não havia evidência da ressurreição. Para eles, somente um aparecimento palpável poderia convencê-los.


O que precisamos para sermos convencidos, de Sua presença em nossa vida? Não será a falta de sua palavra em nosso coração? Ler mais? Crer mais? Duvidar menos?

(Lc. 24:25-27)- precisamos ouvir os que profetas disseram. Convinha(Gr.edei, era necessário), Tudo o que Cristo sofreu, foi propósito divino.

E, o único propósito foi o de salvar o homem. Aquele sangue precioso, foi derramado para nos dar vida, e vida eterna.
Não estamos livres das tragédias, ou coisas constrangedoras.

Não estamos livres de passar momentos difíceis na vida.
Nem tampouco, Cristo Jesus morreu para que ficássemos numa zona de conforto.

 (João 16:32-33)- Jesus diz que, seus discípulos se dispersariam quando Ele fosse preso. Mesmo assim, Ele providenciou a Sua paz. Uma paz, além daquela em meio ao conflito; uma paz que descansa, na certeza da realidade da vitória, que vence o mundo, por Cristo Jesus.

(João 16:32)- Iriam para casa. Cada um cuidando de sua vida. De seus afazeres. Porque cedemos tão facilmente?
O que nos tem feito dispersar?

(I João 2:15-17)- “Não amar o mundo”. Nossos pecados foram perdoados. Experimentamos vitória espiritual. Não podemos amar a Deus e o mundo. É como água e óleo, não se misturam.

O mundo é este sistema organizado, que age como inimigo de Deus. É aquilo “que encontra sua esfera e realização próprias em uma ordem finita e sem Deus” (Westcott, pg.63).

No mundo, encontramos muitas decepções. Mas, a realidade do amor de Deus, nos conduz a vida eterna, em Cristo Jesus, o Senhor.





Pr. Luiz Carlos Euzebio