sábado, 5 de março de 2011

Vamos, atirem pedras

Vamos, atirem as pedras!

Nós seres “humanos”, somos realmente incríveis.
Sorrimos, choramos. Fazemos paz, e, guerra. Amamos, e, odiamos. Fazemos amigos, nos tornamos inimigos. Falamos a verdade mas, como mentimos...

Até hoje, após trinta anos, ainda me lembro, como o Senhor Jesus me chamou. Um dia de muito sol, aquela voz sem igual, eu estava no meio da rua em que moro até hoje.

Não deu para resistir. O Senhor me conduziu até uma igreja, que passava por problemas sérios em sua direção.
Sem entrar em detalhes, ali eu aprendi que a maioria dos professos crentes, não conseguiam perdoar.

Mas, isso não é uma novidade. As escrituras relatam um fato interessante. Davi, o rei de Israel, adultera, quando a mulher fica grávida, chama o marido dela, um de seus guerreiros, para que vá para casa e entre a sua mulher. Como seu plano não dá certo, ele manda colocar aquele homem na linha de frente, para que morresse.

O tempo passa... tudo parecia estar bem; quando num belo dia, um profeta chamado Natã, entra no palácio e conta uma história de um homem rico, e um homem pobre(II Sm. 12:1-15).

Quando Natã termina a história, Davi com furor diz que tal homem deve morrer. Mas, quando Natã diz que o tal homem é Davi...seu furor passa, dando lugar ao arrependimento.

Percebe? Quando os outros caem em erros, a nossa tendência é atirar pedras. É rir. Apontar. Comentar com certo tom de ironia o ocorrido.  Vamos lá, continuem a atirar pedras!


 

Uma irmã e amiga em Cristo, me relatou um caso triste.

O dirigente de uma igreja, junto com outro irmão(a), riam e zombavam, de dois irmãos que adulteraram.

Esse não é um caso isolado, é o que ocorre todos os dias, em meio ao chamado povo de Deus. Em vez de amor, ódio. Em vez de perdão, rancor. Em vez de oração, choro e gemidos, risos e desprezo. Em vez de remédio, destilam veneno. Em vez de vida, oferecem morte.

João 8:1-11- Uma mulher pega em adultério, é levada a presença de Jesus. Eu não sei o que se passava na cabeça dela. Só sei que a única certeza que ela tinha, era a certeza da morte.

Uma morte brutal a espreitava, estava cercada por seus medos. Atormentada por seus erros. Sua vida parou ali.
Só. Sem amigos. Angustiada. Sem esperança de vida.

Seus acusadores ansiosos por cumprir a lei, aguardavam com pedras nas mãos, uma só palavra de Jesus, que confirmasse a lei, para arremessarem as pedras.

Mas, ali se encontrava quem era maior que a lei. Ali estava o que oferecia vida em lugar da morte. Amor em lugar do ódio.
Aquele que sonda rins e coração, viu arrependimento no coração daquela mulher, e diz: ”Nem eu tão pouco te condeno, vai e não peques mais”.

João 8:7- “atire a primeira pedra”.

Vocês não tem pecados? Então vão, atirem pedras!






E-mail: luiz.carloseuzebio76@gmail.com