segunda-feira, 14 de março de 2011

Que bela fruta!

Que bela fruta!

Uma pessoa para o carro no farol, o farol abre e fecha várias vezes. Um guarda se aproxima e diz ao motorista: Não temos nenhuma cor que lhe agrade?

Muitas pessoas estão em busca de uma cor.
Um sentido para a vida. Uma realização pessoal.
Mas, parece que não conseguem se realizar.
Buscam preencher o vazio em shows, na prostituição, nas drogas, nas compras...

Por mais que tenham, por mais que possuam, por mais que curtam, que riam...o vazio e a falta de cor continuam ali.
Mas. o que dizer, dos que “tudo possuem”, e querem mais?
Sedução, esta é a palavra.

Gn. 3:1-7- O diabo escolhe o animal mais malicioso e sutil, controla-o por completo para sua desastrosa missão.
A serpente (neiheish, sig. sibilante), “mais sagaz” que qualquer outro animal; ardilosa...maliciosa...

Distorceu a ordem de Deus, plantando na mente de Eva, dúvidas. Quando a fé falha, a conduta moral entra em ruína.
A desconfiança é despertada em Eva, Duvidou da bondade de Deus, no que se refere a proibição, da sua retidão ao dizer que morreriam, da sua santidade, quando satanás garante que não morreriam.  
 
E, por fim, a incredulidade levou a desobediência, ao pecado, e a desgraça.
Ai, o sedutor diz: como Deus, sereis. Um argumento poderosíssimo; dando a entender, que Deus, através de sua proibição, frustrou o desejo do homem, de ser igual a Ele.

Pois, o Criador era egoísta e não queria que suas criaturas tivessem algo que as tornasse iguais a Ele, Onisciente.
v.6- Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao seu marido, e ele comeu.

Algo aconteceu no raciocínio da mulher. O fruto era agradável aos olhos, gostoso e tinha o poder para dar sabedoria. Eles queriam mais do que já possuíam, queriam poder.

Acreditavam que o fruto lhes daria tudo o que desejassem.
Novas “cores” poderiam ser contempladas. Mas, o que conseguiram, foi conhecer a dor do bem perdido.

v.7- Abriram-se...os olhos...percebendo que estavam nus. As “cores” que viram, não eram as ”cores” que procuravam. Viram sua nudez física e espiritual. Vem a vergonha, o medo..., perdem o contato com Deus.

As “cores” que viam agora eram: Solidão, medo e culpa.
 Ah...que bela fruta...que terrível decepção.
Mas, o amor de Deus não os abandonaria. Pelo sangue de Jesus, novas cores e frutos, nos serão concedidos.

Ap.22:1-3- Então...o rio da água da vida...sai do trono de Deus e do Cordeiro...No meio da sua praça...está a árvore da vida...as folhas são para a cura...Nunca mais haverá maldição. Os seus servos o servirão.

Pr. Luiz Carlos Euzebio


E-mail: luiz.carloseuzebio76@gmail.com