quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O primeiro mandamento


Êxodo 20.1-3

Ao levar o povo até o monte Sinai, Deus marcaria uma nova etapa com Ele refazendo o Pacto estabelecido com os Patriarcas e estabelecendo normas e diretrizes, num concerto que se perpetuaria através de suas santas Leis. 

Ali, no Sinai, o povo sepultaria todas as dores e tristezas do cativeiro egípcio e também deixaria enterrados os deuses estranhos e a mentalidade poluída adquiridos no Egito. 
Quando Moisés sobe ao monte ninguém pode se aproximar. Deus desceria até o monte com tremendo poder e glória e daria as preciosas recomendações ao povo de Israel. 
Os Mandamentos seriam princípios de moral onde o homem aprenderia a amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. 
Vejamos os maravilhosos acontecimentos que antecedem os Mandamentos. 
a) Em primeiro lugar lemos as palavras de apresentação de Moisés: 
“Então, falou Deus todas estas palavras”.

As palavras da Lei de Deus não eram elucubrações filosóficas ou meras teorias saídas da cabeça de Moisés, eram a Palavra de Deus. Paulo diz em II Tm 4.16 que “Toda a Escritura é inspirada por Deus...”

E segundo o Reformador Calvino, soprada. Vemos isto de forma visível no Sermão do Monte quando o Todo-Poderoso, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, pronuncia os seus ensinos dando o cumprimento de toda a Lei e os Profetas. 
b) Em segundo lugar ouvimos as palavras introdutórias do próprio Deus: 
“Eu sou o SENHOR, teu Deus que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão”. Quatro coisas importantes Deus quer que saibamos aqui, antes de escrever a sua Lei: 
1) Sobre a Sua Soberania. “Eu sou o SENHOR” - Mostrando que Ele é o Criador, o Mantenedor, o Sustentador, e, portanto, o Soberano SENHOR. 
2) Sobre o Seu Pacto. – “...teu Deus...” - Revelando a sua Divindade que se torna pessoal a partir do Pacto que Ele faz conosco. Jesus revelou essa graça quando estabeleceu o Sacramento Ceia dizendo: “isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos.” (Mc 14.22). 
3) Sobre a Possessão. “que te tirei da terra do Egito”. Afirmando que havia resgatado com mão poderosa o seu Povo. Cristo nos resgatou do cativeiro do pecado.
4) Sobre a Libertação. “da casa da servidão”. Indicando que o livramento do seu povo tipifica a libertação espiritual de cada crente do poder do pecado, de Satanás, da morte e do inferno.
Notemos, agora, o que nos ensina o Primeiro Mandamento da Lei de Deus
1 – O PRIMEIRO MANDAMENTO É UMA GRANDE PROIBIÇÃO
“Não terás...” A grande rebeldia do ser humano se manifesta de duas maneiras: Ateísmo e Idolatria. 
Podemos afirmar que todo ateu é um idólatra, pois substitui sua crença no Deus Verdadeiro por uma infinidade de coisas materiais perecíveis, enquanto que o Idólatra é aquele que crê em muitos deuses e divindades, e pelo fato de não crer no Deus Único, também é um ateu, pois está sem Deus conforme nos mostra Paulo, em Ef. 2.11-12.
2 – O PRIMEIRO MANDAMENTO MANTÉM A MENTE LIMPA
“Não terás outros deuses...” Para entendermos a promiscuidade na qual vivem os homens nestes dias, como também do passado é só lermos com bastante atenção o que diz Paulo em Romanos 1.18-32, onde o apóstolo nos mostra que a origem de toda a promiscuidade está na idolatria. O homem muda a glória do Deus Santo e Seus Atributos divinos em coisas humanas e perecíveis: 

“e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do criador, o qual é bendito eternamente. Amém”. (1.23, 25).

A consequência é a que vemos no mundo:

“Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro. E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes,” (1.26-27).
A disposição mental para a prática de coisas inconvenientes, procede justamente da substituição do Deus Vivo e Verdadeiro, que imprime a sua Lei no coração do homens, a fim de que façam aquilo que é da vontade soberana dele.
3 – O PRIMEIRO MANDAMENTO ENSINA QUE SÓ DEUS É O VERDADEIRO DEUS.
“Não terás outros deuses diante de mim.” Ou além de mim.
Deus não compartilha a sua glória com ninguém, principalmente com coisas, com objetos ou ídolos. Deus vê e toma conhecimento dos ídolos que possamos abrigar no nosso coração que poderá ser a família, o trabalho, o lazer, o dinheiro, etc.
Ele quer que saibamos, primeiramente, que Ele, e tão somente Ele é Deus e tem primazia na nossa vida.
Passando disso é idolatria, é ter outros deuses diante dEle o que é um pecado grave, uma abominação terrível.