sábado, 16 de fevereiro de 2013

Arrependimento é o pré-requisito para libertação



Na Igreja, muitos querem ser libertos sem perceber que o arrependimento é um pré-requisito. Analise estas palavras de Jesus ao enviar os doze discípulos:

"Chamou Jesus os doze e passou a enviá-los de dois a dois, dando-lhes autoridade sobre os espíritos imundos, Ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, exceto um bordão; nem pão, nem alforje, nem dinheiro... Então, saindo eles, pregavam ao povo que se arrependesse; expeliam muitos demônios e curavam numerosos enfermos" (Mc 6.7, 8 e 12, 13).

Jesus enfatizou o arrependimento demonstrando que este cria uma atmosfera para a libertação. Há muitos que vêm a mim nas filas, e em particular, para receberem oração, desejosos de serem livres do tormento de alguns pecados particulares, mas não estão desejosos de mudar sua atitude com respeito ao pecado. Eles têm prazer com o pecado, mas não gostam das consequências ou da culpa que experimentam depois. Se eles pudessem continuar sendo cristãos, permanecendo envolvidos com seus pecados, eles o fariam, pois têm prazer nisso!

Antes de entrar no ministério, um pastor amigo meu, do sul da Califórnia, estava preso ao vício de fumar. Ele fumava dois pacotes de cigarros por dia e queria ser liberto. Ele havia implorado a Deus por dois anos e meio para ser liberto. Um dos seus amigos aceitou a Cristo num culto e foi liberto do cigarro imediatamente. Ele viu isso e ficou muito triste com Deus. 

Por que Deus havia libertado seu amigo tão rapidamente enquanto ele creu por dois anos e meio que seria livre? Ele deixou o culto furioso e foi para casa reclamar com Deus. Depois de reclamar por alguns minutos, explodiu, dizendo: "Por que o Senhor libertou meu amigo e não a mim?"

O Senhor lhe respondeu: "Porque você ainda gosta disso!" Ele disse que olhou para o cigarro aceso em suas mãos e o jogou longe. Ele ficou liberto e nunca mais segurou um cigarro em suas mãos.

Enquanto você gostar de seu pecado, você não será liberto dele. Precisará aprender a odiar o pecado como Deus odeia. Você poderá perguntar-me: "Como posso aprender a odiar algo de que minha carne gosta.

Primeiro, compreenda que foi o "Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro... (1 Pe.2.24). 

A segunda coisa que precisamos compreender é que o pecado é que nos separa de Deus: Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça.(Is. 59.2). 

A terceira coisa que precisamos compreender é que o pecado é um veneno revestido com mel: Portanto, irmãos, somos devedores, não à carne para vivermos segundo a carne; porque se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. (Rm. 8.12,13). 

Paulo está escrevendo para irmãos, não para incrédulos, ele adverte do trágico resultado de tolerar o pecado que pode ser temporariamente agradável, mas no fim gera morte.

Deus quer ver uma mudança do coração e da mente.

Ele nos chama ao arrependimento da natureza que alimenta e nutre o pecado.

Extraído do livro Unção profética - John Bevere

Por Litrazini