segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Evita longas discussões ou como fugir de um debate


Por Jorge Fernandes Isah

Desde o dia 24 último que ando adoentado, mais na cama do que fora dela. Sem saber ao certo o que tenho, dada a escassez e, porque não dizer, recesso da maioria dos médicos no fim-de-ano, fui preliminarmente diagnosticado como tendo cólica renal decorrente de cálculos ou as famosas "pedras" nos rins. Dores terríveis e constantes no abdome e costas me levaram ao atendimento de urgência. Medicado, de volta para casa, após o dia 26 as dores retornaram ainda mais fortes. Novamente achar um médico foi uma dificuldade. Felizmente, havia uma clínica funcionando através do meu convênio, e a médica confirmou o diagnóstico inicial do outro clínico. Pediu-me uma ultrassonografia total do abdome. Com muito custo, depois de horas tentando encontrar um local para realizar o exame [parece que todos estão de recesso até o dia 06 de Janeiro], consegui, não pelo convênio mas pagando como particular, agendá-lo para o dia 28, sexta-feira, no Hospital Felice Rosso, em BH.

Exame realizado, as suspeitas de letíase renal foram afastadas, e direcionadas para possível problema de coluna. Como tenho três hérnias de disco, a médica encaminhou-me para um ortopedista que, possivelmente, terei acesso apenas na próxima semana, a fim de realizar exames mais complexos, ressonância magnética ou tomografia.

Mas o que isto tem a ver com o título desta postagem? Aparentemente nada, é verdade. Acontece que um texto meu, "A Incoerência do livre-arbítrio" publicado em 2009 e reproduzido por alguns blogs na semana passada, suscitou a indignação de alguns irmãos arminianos, especialmente, ou exclusivamente, os envolvidos no site Arminianismo.com, o que me fez sair da "tumba", tirar-me da reclusão forçada. Sei que alguns dos meus textos são divulgados por lá, e só não me alcunham de "santo" [sei disso por conta de visitas que chegam aqui oriundas de lá e que são possíveis de se detectar pelo blogger], o que nunca me causou incômodo algum. Então, eles se aventuraram por aqui, e publiquei todos os comentários a exceção do último, enviado após eu afirmar que não publicaria mais nenhum se eles não se concentrassem no foco do meu texto: a ilusão do livre-arbítrio.

Na verdade, há muito tempo que fujo dos debates, especialmente os teológicos, e foi, pela providência divina, que fui chamado para ministrar as aulas de EBD da minha igreja, e passei a postar o resumo delas por aqui, desde então. Com isso, a audiência do Kálamos caiu quase pela metade e o número de comentários chegou praticamente a zero, o que em momento algum me aborreceu ou desanimou; pois entendi que esta era a vontade de Deus, que eu primeiramente me instruísse mais, pesquisasse e estudasse mais antes de entrar em "polêmicas" como a do livre-arbítrio. Mas, sobretudo, que eu aprendesse a me dominar e não ver as críticas como ataques ou ofensivas necessitadas de respostas rápidas, de contra-ataques. Descobri, a duras penas, que nessas horas o que mais fala alto é o nosso orgulho e vaidade intelectual, que nos impede de "ficar por baixo" ou "para trás". Com isso, ofendemos, difamamos e nos fazemos mais e mais belicosos.

Não digo que não se deva responder, e a resposta é necessária, mas nunca como uma questão de "sobrevivência própria", mas por amor a Deus e à verdade, como fruto da bondade divina que me diz ser impossível amá-lo se primeiro não amo ao meu irmão. Devemos seguir os exemplos bíblicos de que ela se professe com mansidão e prudência, o que parece ser cada vez mais difícil encontrar entre debatedores, especialmente os profissionais. É o que eu chamo de estágio daquele que "se alegra com o som da própria voz", e somente nela se deleita. Como o meu blog é um quase desconhecido na web, e a maioria das pessoas que se manifestam são amigas, o clima, mesmo discordante, sempre se manteve no âmbito da decência e prudência. Recusei-me a responder aos arminianos em seus termos, e disse, por fim, que a nossa conversa estava encerrada. Especialmente por conta do meu estado atual de saúde, em que qualquer desgosto em nada me ajudaria. Preciso me concentrar em coisas mais elevadas; e a minha saúde, no momento, é o que posso reconhecer como de mais necessário.

Então, hoje, li a seguinte citação do grande prof. e filósofo Mário Ferreira dos Santos a qual  transcreverei, no desejo de que meditemos em sua mensagem, e que não seja vista como mais uma simples provocação ou resposta a quem quer que seja. Ela me falou muito, especialmente no sentido de que devemos ter, cada vez mais, o cuidado, diligência e estudo naquilo que dizemos ou afirmamos. Mesmo o Kálamos sendo um blog pessoal, escrito como um hobby, sem intenção de ser o "norte" de ninguém, entendo que tenho responsabilidade diante do leitor, naquilo em que escrevo. Contudo, não quero e jamais quis formar um "séquito" ou discipulado, mas muito mais chamar os irmãos e amigos à reflexão, ao estudo e à meditação. Por várias vezes assumi a minha condição de ignorante, e ainda que a minha linguagem seja um pouco dura [principalmente nos escritos de alguns anos atrás], jamais quis me colocar como infalível, inquestionável ou inerrante. Falo com convicção, o que muitos confundem com truculência, um pouco excessiva, reconheço, mas nada tem a ver com a atitude de superioridade ou de desprezo em relação ao pensamento discordante.

Penso que estar certo ou melhor, seguir e proclamar a verdade é fundamental, mas mais importante que isto é fazê-lo com humildade e amor fraternal. O desprezo e o discurso infalível de quem quer que seja apenas assevera que o conhecimento sem entendimento é acumulo de informações, de dados, o que qualquer computador pode fazer muito melhor do que o homem. O que nos diferencia é a capacidade de ligar os pontos soltos e concluir a partir deles. Mas o trabalho racional perde a sua importância se, especialmente entre os cristãos, ele é apenas objeto de disputas onde os contendedores querem exaltar-se, o que os levará a querer vencer na marra, de qualquer jeito, e muitas vezes passar como "rolo compressor" sobre o oponente.

Por essa razão, já fui convidado a participar de vários fóruns de debates, inclusive como mediador, e recusei-os agradecido. Parece que tenho verdadeiramente um estômago fraco para a coisa... Mas, sobretudo, sei das minhas limitações e de que para ser útil preciso caminhar muito e muito mais, estudar e pesquisar ainda mais para, se for possível, um dia chegar à condição de entender alguma coisa e poder transmiti-la. Ao contrário da geração atual que, dispondo de um conhecimento mínimo se arvora a entendedora, professoral, mestre, e esforçada proclamadora da verdade. Ao ponto de, um deles, ter escrito no blog de um amigo e irmão:

"Agente do [...] já ta cansado de ensinar a vocês calvinistas, o que é o arminianismo. Mas vocês parece estarem viciados em uma visão distorcida. Sendo assim, irei passar um artigo pra ver se vocês aprendem alguma coisa".

É a esta arrogância e desprezo que me referi várias vezes, e tanto pode ser de cristãos, não-cristãos, arminianos, calvinistas, etc.

Sei que há coisas muito mais importantes em minha vida: família, igreja e trabalho, por exemplo, aos quais dedico muito mais tempo do que aqui, que até anda meio abandonado, exatamente por falta de tempo; então, não compreendo a comoção que gerou em algumas pessoas um texto pessoal, como reflexão pessoal, ao ponto de não o lerem corretamente e buscarem questões que sequer são o alvo da matéria. Percebi que o intuito era de embate, de disputa, e de prevalecer, ao estilo deles, uma forma improdutiva e mal-direcionada de discussão. E, definitivamente, se eu já estava descrente com os debates já há algum tempo, não seria agora que me veria seduzido por um. Por isto, encerrei-o antes que começasse, com pena de me arrepender se não o fizesse.

Bem, as costas começaram a doer novamente, vou-me para a cama, mas deixo as palavras de quem, muito mais sábio do que eu, pode realmente nos ensinar algo:

"Evita as longas discussões, sobretudo com pessoas dispersas, que juntam argumentos sobre argumentos, sem ordem e sem disciplina, misturando juízos apenas de gosto com algumas pseudo-idéias mal-formadas e mal-assimiladas. Evita essas discussões que não são em nada benéficas.
Se não for possível conduzir o colóquio com alguém em boa ordem, segundo boa lógica, cuidadosa e organizada, é preferível que te cales. Sempre sê disciplinado no trabalho mental. Essa é a regra importante, e nunca ceder às vagabundagens do pensamento em conversas diluídas, dispersas, em que se fala de tudo e não se fala de nada.” [Mário Ferreira dos Santos citado no "Conservadorismo Brasil"].

Com isto quero concluir que todo debate é possível, mas nem todo debate é necessário, e muitos são completamente dispensáveis.

Que todos os irmãos e amigos tenham um ótimo 2013, debaixo da graça maravilhosa do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

Abraços fraternos!

Fonte: Kálamos