domingo, 10 de fevereiro de 2013

Hipocrisia no cristianismo




Por Kevin DeYoung


Muitos cristãos não compreendem a natureza da hipocrisia. É comum pensar que hipocrisia é a diferença entre suas ações e seus sentimentos.

Então, se eu fizer alguma coisa sem ter o meu "coração" nele, então eu sou um hipócrita.

Evangélicos são especialmente sensíveis a essa acusação porque acreditamos (com razão) que o cristianismo é mais do que "apenas se movimentar."

Nós sabemos que ter um relacionamento pessoal com Cristo é crucial. Nós acreditamos que a fé deve ser sincera. E, no entanto, podemos facilmente desviar nossos bons instintos. Alguns cristãos se perguntam se devem ainda ir à igreja se não se sentir bem.

Eles se perguntam se é certo cantar as canções de louvor, se não querem adorar naquela manhã. Eles hesitam a dar generosamente, porque "Deus ama ao que dá com alegria" e, assim, dando não os torna mais felizes.

Eles não têm certeza de que se arrependeram de seus pecados ou trabalham para perdoar seu agressor, a menos que eles se sintam com muita vontade de perdoar. Muitos cristãos temem que fazendo a coisa certa, sem os sentimentos certos, os torna hipócritas.

Mas isso é realmente hipocrisia? Outra palavra para descrever este comportamento pode ser "maturidade".  Crianças só fazer o que querem fazer. Adultos aprendem a fazer coisas que deveriam fazer, mesmo que não estejam animados a fazer.

É claro que, como cristãos, queremos crescer, e de uma forma que nos sentimos bem sobre o que é bom.

Hipocrisia é a incapacidade de praticar o que prega: “Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem.” Mateus 23:03. Aparecendo exteriormente justo para os outros, enquanto na verdade, cheio de impureza e auto-indulgência, que é a definição de hipocrisia.

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.” Mateus 23:25-28

O hipócrita não é o cristão que luta contra o pecado, luta contra a tentação, e continua fazendo o que é certo mesmo em seus dias piores sentimentos. Isso é um herói. O hipócrita é o cristão que usa o verniz da virtude pública para cobrir a podridão do vício privado.

Ele é o homem que vive uma vida dupla ou o aluno que orgulhosamente responde as perguntas de escola dominical e tão orgulhosamente maquina imoralidades no resto da semana.

O pecado da hipocrisia não é que estamos mais confuso do que parece. Isso é verdade para todos nós. O pecado está em usar a aparência de bondade para encobrir as obras do mal.

Traduzido e adaptado por Carlos Reghine | Reformando-me | original aqui