quinta-feira, 27 de junho de 2013

UMA REFUTAÇÃO CONTRA A LIBERDADE COMPATIBILISTA - por Leonardo Dâmaso





(Breve exegese de Gn 50.20)

Obs:  Este artigo não é exaustivo sobre o tema em pauta (liberdade compatibilista), uma vez que é muito vasto e seria impossível ser abordado aqui com todas as implicações necessárias para um entendimento detalhado. Posteriormente, em outros artigos, irei discorrer de maneira mais PROFUNDA sobre esta questão, expondo assim os outros pontos para uma compreensão relevante do assunto num todo.

INTRODUÇÃO

     Em suma, a liberdade compatibilista tenta HARMONIZAR ou CONCILIAR a "liberdade" humana com a soberania de Deus; ou seja, que o homem, especificamente o cristão, é "livre" ou possui não o livre arbítrio, mas a livre agência, como isso se fosse algo a parte de Deus. Os compatibilistas afirmam que RESPONSABILIDADE humana pressupõe LIBERDADE humana.

Em vista disso, eles utilizam inúmeros textos da Escritura que "aparentemente" confirmam esta premissa. Contudo, se analisarmos ATENTAMENTE, de maneira MINUCIOSA, os textos que "aparentemente" tendem a favor do compatibilismo, iremos perceber que, na verdade, tais textos não dizem o que eles afirmam. Dentre os inúmeros textos, eu quero analisar Gênesis 50.20, que é um dos textos favoritos dos compatibilistas.

ESPLANAÇÃO

      Vamos analisar e observar o que REALMENTE diz esta passagem:

     Gênesis - 50.20 - Vocês (os irmãos de José) planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou (o mal) em bem, para que hoje fosse preservada a vida de muitos (a família de José). NVI

     Os que dizem, dentre estes, alguns CALVINISTAS, que o texto alume sustenta o compatibilismo, terão de mostrar, sobretudo, que a ATITUDE dos irmãos de José em vendê-lo com escravo foi "livre", isto é, que Deus não “determinou, por dizer assim, tal atitude DIRETAMENTE. Este é o primeiro ponto a ser exposto para que a premissa compatibilista possa ter alguma chance de continuar argumentando daqui por diante. Contudo, o verso em pauta não diz sobre se a ATITUDE dos irmãos de José foi livre ou não. Dizer que a ATITUDE dos irmãos de José aqui foi "livre" é forçar o texto e cometer, assim, uma ERREGESE pífia!

     Por outro lado, o texto menciona, sim, sobre o PROPÓSITO DE DEUS na atitude má dos irmãos de José para com ele, uma vez que o propósito de Deus DIFERE da ATITUDE MÁ dos irmãos de José. Desse modo, o compatibilista pode contestar o argumento com uma pergunta muito comum nesse caso. Veja a pergunta:

    "Como pode Deus decretar ou determinar uma ação humana e, todavia, a ação decretada ou determinada, que nesse caso, é a decisão e a atitude dos irmãos de José em vendê-lo como escravo (pecando contra ele e contra Jacó, o seu pai, mentindo para ele dizendo que José havia morrido por um animal selvagem, causando-lhe uma tristeza sem tamanho Gn 37.31-35), ainda ser LIVREMENTE realizada pela pessoa humana (ou pelos irmãos de José)?   

      Não obstante, se fizermos uma leitura não superficial do texto conforme muitos evangélicos, pastores e até alguns teólogos fazem, mas uma leitura ATENTA e METICULOSA, iremos perceber que, o verso 20, não deixa um vestígio sequer dessa idéia, ainda que implicitamente. Entretanto, o verso 20 nos fala sobre a intenção e a atitude dos irmãos de José para com ele e da “intenção” ou do PROPÓSITO de Deus nessa situação mediante a atitude dos irmãos de José. Portanto, o verso não ESTABELECE e nem REFUTA  o compatibilismo. Isto é claro no texto!

Por outro lado, as Escrituras abordam tenaz e axiomaticamente a Soberania Absoluta de Deus; ou seja, Deus controla todas as coisas, inclusive todos os detalhes e determina não somente os fins, mas também os meios e também controla e determina a vontade humana. Dentre tantos exemplos na Escrituras, quero mostrar apenas dois que elucidam esta verdade; ou seja, que Deus determina até mesmo os pequenos detalhes da atitude humana. Observe:

    João 19.28 – Depois, vendo Jesus que tudo já estava consumado, PARA SE CUMPRIR A ESCRITURA (o Salmo 69.21), disse: TENHO SEDE! Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam de vinagre uma esponja e, fixando-a num caniço de hissopo, lha chegaram à boca. ARA

      Note você que até este pequeno detalhe final antes de Jesus morrer entregando o seu espírito ao Pai consumando assim a obra da redenção na crucificação, onde os soldados romanos deram vinagre para ele beber, foi determinado por Deus que acontecesse.

      Gênesis 15.13-16 – Então o Senhor lhe disse: "Saiba que os seus descendentes serão estrangeiros numa terra que não lhes pertencerá, onde também serão escravizados e oprimidos por quatrocentos anos. Mas eu castigarei a nação a quem servirão como escravos e, depois de tudo, sairão com muitos bens. Você, porém, irá em paz a seus antepassados e será sepultado em boa velhice. Na quarta geração, os seus descendentes voltarão para cá, porque a maldade dos amorreus ainda não atingiu a medida completa". NVI

     Deus aqui promete a Abraão que os seus descendentes, o povo de Israel, seria levado como estrangeiro a uma outra terra, isto é, no Egito, onde eles seriam escravizados e oprimidos pelo governantes desta terra, a saber, Faraó (Ex 1.11-14), e isto seria por um período de 400 anos (Ex 12.40). Contudo, Deus ainda diz que, depois libertaria o povo de Israel e que eles a levariam bens preciosos do Egito para si (Ex 12.36; At 7.6-7), além de mostrar os detalhes de como seria a morte de Abraão, ou seja, que ele morreria de velhice (Gn 25.8) e que, na quarta geração, os descendentes de Abraão, os israelitas retornariam a terra prometida (Gn 12.41-42). Portanto, vemos aqui que Deus não somente determinou os fins, assim como os meios e todos os detalhes da história do povo de Israel.

Vemos também, mais adiante, em (Ex 3.12), quando Deus comissiona Moisés como o libertador do povo de Israel do Egito, o detalhe de como os Israelitas iriam cultuar a Deus no monte Sinai, o que de fato aconteceu em (Ex 19.3). Observe:

     Êxodo 3.12 – Deus lhe respondeu (a Moisés): Certamente eu serei contigo, e isto será um sinal  de que eu te enviei: Quando houveres tirado o meu povo do Egito, prestareis culto a Deus neste monte (no monte Sinai).  
     Se afirmamos que Deus é Soberano e onisciente, então, concluímos que todas as nossas atitudes que venhamos a cometer na vida e o dia da nossa morte, Deus sabe de antemão porque ele já determinou tudo o que há de acontecer. Deus não determinou a POSSIBILIDADE de eu “fazer isso ou aquilo”, porque a palavra “possibilidade” implica em algo incerto, que pode ou não vir a acontecer. Deus não determina POSSIBILIDADES, que é uma idéia INCOERENTE e ANTIBÍBLICA, mas antes, FATOS e EVENTOS que aconteceram, acontecem e vão acontecer. Até mesmo as “aparentes mudanças” de atitude e de propósito de Deus na Escritura faziam parte do seu propósito soberano e imutável, conforme foi no caso de Ezequias (Is 38.1-8). Basicamente é isso!

CONCLUSÃO

     Finalmente, como então entender Gênesis 50.20?

    Simplesmente, Deus DETERMINOU um propósito bom por meio da atitude má dos irmãos de José. Deus DETERMINOU SOBERANAMENTE a atitude má dos irmãos de José sendo que por de trás disso havia um propósito bom e maior. O fim último do mal aqui foi bom! Deus DETERMINOU algo bom (o bem para a família de José) quando ele fez com que os irmãos de José o vendessem como escravo. Essa atitude má dos irmãos de José não foi LIVRE, eles apenas cometeram essa atitude má! Deus, então, fez o BEM a José e a sua família (inclusive aos seus próprios irmãos) mediante a atitude má realizada não por Deus, mas pelos irmãos de José. Sendo assim, Deus foi justo como sempre é, e os irmãos de José moralmente culpados porque pecaram contra Deus e contra o próprio José! Se formos dizer que o homem é livre, ele é, todavia, livre EM DEUS então e dentro dos seus propósitos soberanos. Na verdade somos PRESOS nos propósitos Soberanos de Deus! Toda a humanidade! A premissa correta não seria: RESPONSABILIDADE humana pressupõe LIBERDADE humana, mas RESPONSABILIDADE humana pressupõe JULGAMENTO de Deus! Eu afirmo a Soberania Absoluta de Deus sobre tudo, e não uma Soberania PARCIAL (Sl 115.3).

Extraído de: http://www.materiasdeteologia.com