domingo, 16 de junho de 2013

Sobre o caso Marcos Amaral e a IPB: um esclarecimento necessário


Por Rev. Ageu Magalhães

Nos últimos meses muitos crentes de nossas igrejas têm nos questionado sobre as posições do Rev. Marcos Amaral na mídia e sobre a posição oficial da IPB sobre estes temas. (veja o vídeo abaixo)


Como presidente do Sínodo de Piratininga, concílio histórico da IPB, escrevo as linhas abaixo com o objetivo de prestar algum esclarecimento: 

1. A Igreja Presbiteriana do Brasil não aprova o ecumenismo.

Já em 1966 o Supremo Concílio da IPB declarou que "... embora respeitando o foro íntimo de cada indivíduo, a IPB não entende que a liberdade de exame implique na abertura de suas portas a toda a sorte de dúvidas e heresias; 3) Determinar que os professores dos seminários da IPB se dediquem ao preparo intelectual e espiritual de seus alunos e se abstenham de propaganda e práticas ecumenistas e ideológico-políticas" (SC-66-091)

Em 1980 a Comissão Executiva do SC-IPB tratou de uma denúncia de ecumenismo e instruiu o Presbitério a tomar "conhecimento da denúncia no que tange à prática de ecumenismo por obreiros e igrejas sob sua jurisdição, verifique a procedência das acusações e processe a quem de direito" (CE-80-097)

Mais recentemente, em 2006 a Igreja Presbiteriana do Brasil decidiu desfiliar-se da Aliança Mundial de Igrejas Reformadas (AMIR) por constatar ecumenismo e outros problemas teológicos naquela Aliança. Dentre outras medidas, a IPB resolveu: "... 3º) repudiar as recomendações da AMIR às suas igrejas-membros, decorrentes das decisões tomadas na reunião de Accra - 2004, quanto à Bíblia, às missões, ao ecumenismo, ao aborto, ao feminismo e à sexualidade; 4º) protestar, de forma veemente, na qualidade de membro fundador da AMIR, contra a visita da diretoria da AMIR ao Vaticano com vistas ao ecumenismo com a Igreja Católica Apostólica Romana; 5º) retirar-se da filiação da Aliança Mundial das Igrejas Reformadas (AMIR), e lamentar estas recentes decisões que ferem nossos padrões de fé e princípios éticos; 6º) determinar a publicação desta decisão no órgão oficial de divulgação da IPB, com destaque em primeira página; 7º) dar conhecimento desta decisão à diretoria da Aliança Mundial das Igrejas Reformadas (AMIR) e às igrejas parceiras." (SC-2006- Doc. 11)

2. A Igreja Presbiteriana do Brasil não tem qualquer comunhão com as religiões do ramo espírita.

Tendo a Bíblia como única regra de fé e prática, a IPB condena a necromancia e a salvação pelas obras. Nesta pequena devocional o Rev. Hernandes Dias Lopes, ministro presbiteriano, condensa a posição da IPB:

"Os mortos não se comunicam com os vivos? Isaías 8:19 - A favor dos vivos se consultarão os mortos? Há muitas pessoas aflitas que ao perderem um ente querido recorrem aos médiuns para, pretensamente, se comunicarem com os seus mortos? A Bíblia diz que não. Deus considera essa prática uma abominação. A palavra de Deus pergunta: Em favor dos vivos se consultarão os mortos? A lei e aos profetas, se eles não falarem assim, jamais verão a alva. O rico que desprezou Lázaro em sua porta e morreu, foi para o inferno. No tormento das chamas, rogou ao pai Abraão que enviasse Lázaro, já no paraíso, a casa de seus pais. Jesus lhe disse, ele tem seus pais e seus profetas, ouçam-nos. Ele redarguiu, não senhor se alguém levantar dentre os mortos, eles ouvirão. Jesus respondeu: Ainda que alguém ressuscite e venham falar-lhes, eles não crerão, se não tiverem dado crédito aos profetas. Não devemos consultar os mortos nem mesmo recorrer a Deus em favor dos mortos. A Bíblia diz que ao homem está ordenado morrer uma só vez, vindo depois disso o juízo." (Gotas de Esperança para Alma)

3. A IPB é representada pela CE e pelo presidente do SC.

O brasileiro tem alma episcopal. Mesmo presbiterianos, acostumados ao regime representativo, em que as decisões são tomadas por concílios e não por indivíduos, por vezes se confundem nesta questão. O fato é que a Igreja Presbiteriana do Brasil não é representada pelo pastor A ou B que possa aparecer na mídia. Ela é representada por sua Comissão Executiva (Art. 1º, CI-IPB) e pelo presidente do SC (Art. 5º, RI-CE-SC).

4. O Evangelho não é inclusivista, mas exclusivista.

No século pluralista e inclusivista em que vivemos, ninguém gosta de exclusivistas, ou donos da verdade. Todavia, o próprio Jesus foi um exclusivista. Ele disse: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (Jo 14.6) e "Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus" (Jo 3.18)

Pode se dizer que o Evangelho é inclusivista no sentido de raças, idades, classes sociais, como nos ensina a Palavra de Deus: "Dessarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus." (Gl 3.28)

Todavia, no Evangelho, inclusão religiosa não existe. João Batista quando viu os religiosos fariseus e saduceus vindo para o batismo, os excluiu dizendo: "Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?" (Mt 3.7)

Os que praticam as obras da carne, pela Palavra de Deus, estão excluídos: "Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam." (Gl 5.19-21)

Outra lista de exclusão: "Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus." (1Co 6.9,10)

Jesus, no julgamento final, excluirá a muitos dizendo: "... nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade." (Mt 7.23)

E no paraíso, nossa habitação final, apenas os que lavaram suas vidas com o sangue de Cristo entrarão na cidade de Deus. Os demais serão excluídos: "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras [no sangue do Cordeiro], para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas. Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira." (Ap 22.13-15)

5. O Evangelho exige confrontação

As boas novas do Evangelho só fazem sentido quando entendemos quais são as más notícias. E as más notícias nos informam que o ser humano está totalmente morto espiritualmente, caminhando para o inferno. Sendo assim, impossível será pregarmos as boas novas de salvação se o receptor da mensagem não souber que está em perigo. Impossível será também qualquer arrependimento se os pecados daqueles que estão perdidos não forem  reconhecidos e confrontados.

Muitos crentes hoje entendem ser invasiva a confrontação dos pecados do próximo, todavia, não é isso o que nos mostra a Palavra de Deus. Vejamos alguns exemplos:

- Natã confrontou o Rei Davi em seu pecado de adultério e assassinato (2Sm 12.1-15)

- Elias confrontou os pecados do Rei Acabe (1Re 18.18) e o povo em geral (1Re 18.21)

- João Batista confrontou fariseus e saduceus (Mt 3.8-10), o povo (Lc 3.7-14) e o próprio Rei Herodes (Mt 14.1.12). Aliás, porque confrontou o adultério de Herodes, foi decapitado...

- Pedro confrontou Simão, o mágico, pelo pecado de querer comprar o dom de Deus (At 8.20)

- Paulo confrontou Elimas, outro mágico, por tentar impedir a pregação do Evangelho (At 13.8-12)

- Em Atenas, capital do saber antigo, Paulo confrontou o pecado de idolatria dos atenienses (At 17.16-34).

- Por fim, nosso Senhor Jesus, nosso mestre a quem devemos imitar, passou seu ministério confrontando pecadores, especialmente os religiosos. Certa ocasião, tratando com fariseus, disse: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nela a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim. Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida” (Jo 5.39,40). 

John MacArthur, no livro "O Caminho da Felicidade", Editora Cultura Cristã, faz uma importante constatação sobre este assunto:

"Jesus veio ao mundo e expôs o pecado do povo. Eles foram confrontados com a realidade do pecado. Se Jesus não tivesse vindo, poderiam tê-lo encoberto. Estavam se saindo muito bem acalmando as próprias consciências. Sua religião tinha literalmente fechado os olhos para a verdade e, em sua cegueira, estavam marchando para o inferno. Cristo rasgou o véu e disse: "Olhem para si mesmos!" Então viram seus pecados e odiaram-no pelo que fez. Na verdade, não nos odeiam. Odeiam a justiça. Odeiam a Cristo. Apenas tenha uma vida justa, ser sal da terra e aguarde para ver o que acontecerá. Você já colocou sal em uma ferida?Arde. Apenas seja reto em uma sociedade corrupta e verá qual será a reação." (p. 190)

6. A igreja não deve se imiscuir em assuntos do Estado.

A Igreja Presbiteriana do Brasil é uma igreja confessional, isto é, adota uma das confissões históricas como sistema expositivo de doutrina. A confissão de fé adotada pela IPB é a de Westminster. Pastores, presbíteros e diáconos de nossa denominação afirmam sua crença e compromisso com a Palavra de Deus e lealdade para com a Confissão de Fé e os Catecismos. 

No capítulo XXXI da Confissão de Fé, dos Sínodos e Concílios, encontramos a seguinte prescrição:

"IV.Os sínodos e concílios não devem discutir nem determinar coisa alguma que não seja eclesiástica; não devem imiscuir-se nos negócios civis do Estado, a não ser por humilde petição em casos extraordinários, ou por conselhos, em satisfação de consciência, se o magistrado civil os convidar a fazê-lo."

Reafirma-se aqui a histórica separação entre Igreja e Estado, tão cara aos reformados. Este ponto não foi invenção dos reformadores, mas um resgate da verdade bíblica. Veja os textos prova:

Lc 12.13,14: Nesse ponto, um homem, que estava no meio da multidão lhe falou: Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança. Mas Jesus lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós?

Jo 18.36: Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui.

Mt 22.21: Responderam: De César. Então lhes disse: Daí, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.

Isto posto, ministros do Evangelho não devem misturar assuntos de Igreja com assuntos de cunho civil. Ministros presbiterianos, especialmente, devem tomar muito cuidado neste sentido, pois levam a imagem da igreja, automaticamente. Isso não quer dizer que os crentes devam ser omissos como cidadãos. Cada crente tem o dever e a responsabilidade de amar ao próximo como a si mesmo, denunciar as injustiças da sociedade e lutar por um mundo melhor. Todavia, deve fazê-lo como indivíduo, como crente. A Igreja, como instituição, está proibida de fazer isso, pelas razões acima.

7. A Igreja Presbiteriana do Brasil não aprova o homossexualismo

Sendo a IPB uma igreja que segue a Bíblia como única regra de fé e prática, automaticamente condenará a prática homossexual, por ser ela proibida nas Escrituras. Todavia, em 2007 a IPB se manifestou contrariamente ao tema, em documento público denominado "Manifesto Presbiteriano". Eis abaixo alguns trechos:

"... a Igreja Presbiteriana do Brasil repudia a caracterização da expressão do ensino bíblico sobre o homossexualidade como sendo homofobia, ao mesmo tempo em que repudia qualquer forma de violência contra o ser humano criado à imagem de Deus, o que inclui homossexuais e quaisquer outros cidadãos."

"... as Escrituras Sagradas, sobre as quais a Igreja Presbiteriana do Brasil firma suas crenças e práticas, ensinam que Deus criou a humanidade com uma diferenciação sexual (homem e mulher) e com propósitos heterossexuais específicos que envolvem o casamento, a unidade sexual e a procriação; e que Jesus Cristo ratificou esse entendimento ao dizer, “. . . desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher” (Marcos 10.6); e que os apóstolos de Cristo entendiam que a prática homossexual era pecaminosa e contrária aos planos originais de Deus (Romanos 1.24-27; 1 Coríntios 6:9-11)."

"Ante ao exposto, por sua doutrina, regra de fé e prática, a Igreja Presbiteriana do Brasil MANIFESTA-SE contra a aprovação da chamada lei da homofobia, por entender que ensinar e pregar contra a prática do homossexualidade não é homofobia, por entender que uma lei dessa natureza maximiza direitos a um determinado grupo de cidadãos, ao mesmo tempo em que minimiza, atrofia e falece direitos e princípios já determinados principalmente pela Carta Magna e pela Declaração Universal de Direitos Humanos; e por entender que tal lei interfere diretamente na liberdade e na missão das igrejas de todas orientações de falarem, pregarem e ensinarem sobre a conduta e o comportamento ético de todos, inclusive dos homossexuais."

8. A igreja não crê que sua visibilidade deva se dar por marchas ou caminhadas

Em 2006 o Supremo Concílio da IPB pronunciou-se sobre a "Marcha para Jesus" de modo contrário ao movimento. Segue abaixo parte da resolução:

"... Considerando: 1. o que estabelece o art. 97, na alínea “m” e em seu parágrafo único; 2. que apesar de serem realizados eventos em locais diferentes por outras lideranças evangélicas, existe certa unidade entre eles quanto à natureza, ao propósito, às datas e à teologia; tanto no uso da marca e do nome “Marcha para Jesus”, quanto a inexistência de qualquer esforço para distinguir-se daquele realizado em São Paulo-Capital demonstram tal unidade. 3. que na “Marcha para Jesus” – SP houve participação de grupos gays, que se consideram evangélicos, com ampla divulgação na imprensa, sem qualquer pronunciamento por parte da liderança do evento. 4. que o caráter teológico do evento é contrário às Sagradas Escrituras e aos Símbolos de Fé da IPB, a saber: a) Teologia da Prosperidade; b) Confissão Positiva; c) Batalha Espiritual (inclusive Espíritos Territoriais); d) Teologia Triunfalista; e outros, O SC-IPB-2006 RESOLVE: 1.pronunciar-se contrário à participação de seus concílios e membros na “Marcha para Jesus” e movimentos ou eventos de natureza teológica similar; 2. determinar aos concílios e aos pastores que orientem suas igrejas para que não se envolvam em eventos e movimentos dessa natureza..." (SC-2006- Doc. 148)

Em agosto de 2012 aconteceu no Rio de Janeiro, promovida por concílios da IPB a "Caminhada Presbiteriana". Certamente que a teologia por detrás da "Caminhada Presbiteriana" nada tem a ver com a da  "Marcha para Jesus", todavia, em nossa opinião, há um equívoco: O alegado objetivo da visibilidade da Igreja, por meio de uma marcha ou caminhada, não encontra respaldo bíblico.

Não temos paralelo bíblico de manifestação do povo de Deus, nos tempos bíblicos, por meio de marchas. Naquele tempo, a marcha da igreja se dava de forma silenciosa e efetiva, tal qual o sal penetrando no alimento (Mt 5.13); pessoal e de relacionamento, como na igreja primitiva (At 8.4); cotidiana e sem cessar, como entre os primeiros convertidos (At 2.42-47).

Marchas, caminhadas ou passeatas têm caráter isolacionista, próprio de gueto, e não o que Cristo nos ensinou, a saber, envolvimento amplo na sociedade, como sal e luz (Mt 5.13-16), com irrepreensível testemunho cristão: “…mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação” (1 Pe 2.12).

Neste sentido, o Rev. Cláudio Marra, editor da Editora Cultura Cristã, publicou precioso texto no editorial do Jornal Brasil Presbiteriano de maio passado:

"Ocorre que as marchas, manifestações, caminhadas, etc., têm sido promovidas pelas minorias da sociedade, ou grupos isolados, de qualquer proporção e tamanho, como um meio de afirmação de sua identidade e reivindicação do livre exercício de seus direitos civis. Assim é que afro-descendentes, indígenas, homossexuais, mulheres, operários de uma mesma categoria profissional e outros grupos periodicamente ocupam os espaços públicos (espaços privados, às vezes!) para gritar suas palavras de ordem e apresentar as suas exigências. Aí vão os evangélicos para a rua com seus cânticos e bandeiras e, desse modo, anunciam para a sociedade que somos apenas mais um grupo barulhento no meio dessa babel pós-moderna de confusas facções. Não somos, porém, só mais um grupo. Somos minoritários, mas não somos apenas outra minoria no mosaico social. (...) O cristianismo fala à sociedade as palavras de Jesus: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Venham pessoas de todos os grupos, categorias, minorias, maiorias. Venham como estão. Certamente não continuarão como estão. Nos que vêm a ele Jesus opera por seu Espírito algo que a sociedade não pode proporcionar: a remissão de seus pecados, a comunhão com o Pai, a inclusão na família de Jesus. Isso não tem marcha que dê jeito..."

Tanta força, dinheiro e entusiasmo despendidos nestas marchas/caminhadas deveriam ser canalizados para preparar nosso povo na pregação do Evangelho. Quantos crentes que, há anos, não sabem o que é evangelizar? A maioria não sabe como testemunhar sua fé ou discipular um amigo. Sair em grupos, pelas ruas, com faixas e bandeiras é relativamente fácil. O desafio é marcharmos individualmente na escola, no trabalho, na faculdade, pregando o Evangelho, confrontando pecados. É isso o que nosso Senhor Jesus espera de nós.

Concluo este texto pedindo a Deus que abençoe a Igreja Presbiteriana do Brasil, bem como a igreja evangélica brasileira. Os dias são maus e, mais do que nunca a mentira se parecerá com a verdade. É preciso estarmos em comunhão com o Pai, em vigilância contra o erro e com o coração repleto da Palavra de Deus. Que Ele nos ajude. Amém.