sábado, 8 de junho de 2013




Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas - Mateus 6:24

No mundo dos negócios existe duas práticas, a do monopólio e a da concorrência. O monopólio acontece quando um empresa domina o mercado. Já na concorrência, esta mesma empresa terá de disputar os clientes com outras empresas.

A concorrência é boa, mas na vida espiritual é uma tragédia. Ter nossas mentes, desejos e vida divididos, ou seja, ter dois senhores, não é algo bom para a vida cristã. Na verdade é algo que anula o cristianismo, gerando uma série de problemas, como a seguir:

1 - O problema da preferência
“...porque há de aborrecer-se de um e amar a outro”.

As preferências sempre vão existir, elas surgem de comparações entre duas ou mais coisas. Quando estamos divididos entre dois senhores, no caso entre Deus e outras coisas, como algo próprio de nossa natureza vamos dar preferência a um, amando-o, e deixando de lado o outro.

O grande problema é que as coisas desta vida, apesar de efêmeras e por causa de nossa natureza pecaminosa, parecem ser  mais atrativas que as de Deus. O mundo nos é oferecido apenas com vantagens, ao passo que Jesus nos oferece uma cruz: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me” - Mateus 16.24.

No caso do mundo, é propaganda enganosa, fruto de uma visão fantasiosa em relação à vida. Por exemplo, nos filmes e novelas temos aquele sujeito que sempre está saindo com todas as mulheres, não se compromete com ninguém. A vida para ele é uma aventura! Mas não se fala de doenças ou do vazio da solidão no final de uma vida que se negou a ser dividida com alguém aos longos dos anos.

A mesma coisa ocorre no carnaval. Nas propagandas da televisão temos apenas gente dançando, alegre e feliz. Tudo muito colorido! Mas não se fala de quantos terão suas vidas cessadas por tragédias decorrentes de drogas, bebidas, brigas, ou daqueles inocentes seres humanos que, fruto de relações sexuais ilícitas, vêm ao mundo com AIDS ou são covardemente arrancados e mortos antes de nascer.
Esse é o problema da preferência, você pode atender ao convite de Cristo servindo apenas a Ele como seu Senhor ou pode viver como muitos que possuem a filosofia de vida: “comamos e bebamos porque amanhã morreremos.

2 – O problema da divisão 
“...ou se devotará a um e desprezará ao outro”

Quando se está dividido entre dois senhores, por consequência da preferência, um vai ter mais da sua dedicação e esmero, vai ser o senhor que se alegrará de ter você como servo. Já o outro ficará triste com você e pode até não aceitá-lo mais como servo.

Isso acontece porque está além da possibilidade humana dar uma atenção especial a duas coisas ao mesmo tempo.

A divisão enfraquece. Pense, por exemplo, no caso de alguém que se dedica em específico a uma área profissional. Essa pessoa se aperfeiçoa e consegue sucesso. Já quando se divide demais a atenção com outras áreas é bem possível que não haja tanto desenvolvimento. Há pessoas assim, tentam fazer um pouco de tudo e no final não conseguem fazer nada direito!

Imagine uma coluna de madeira sustentando um telhado, ela é larga e forte, sustenta bem o peso. Se tirarmos dois terços dessa coluna de madeira o que acontece? Enfraquece a estrutura de sustentação oferecida pela madeira, aí ela passa a deformar, envergar, o teto começa a ceder até que ela não aguenta mais o peso e se quebra.

Isso acontece conosco também quando nos dividimos para atender a dois senhores, enfraquecemos, suportamos mais o peso de um que o do outro e corremos o risco de desabar com o peso de um deles sobre nós. 

O mundo nos sobrecarrega, Jesus diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e achareis descanso para a vossa alma. Porque meu jugo é suave e o meu fardo é leve" - Mateus 11.28 a 30.
Jugo é o mesmo que carga, algo que possui um peso para se carregar. A lei interpretada como meio de salvação a havia tornado em um jugo de escravidão, um peso a ser carregado, mas Cristo nos oferece um jugo suave, um fardo leve.

O mundo sobrecarrega, nosso Senhor Jesus não, pelo contrário, não nos dá carga além de nossas forças.

3 - O problema da riqueza
“Não podeis servir a Deus e às riquezas”.

Aqui chegamos no cerne da questão. Em um mundo como o nosso, onde o dinheiro se tornou praticamente um deus, a advertência de Jesus é clara.

No Novo Testamento temos um triste exemplo de alguém que chegou a esta encruzilhada e tomou o caminho errado. O jovem rico (Mateus 19.22) sabia  todos mandamentos. Certa vez perguntou a Jesus o que ainda faltava e Cristo o manda vender os bens e dar aos pobres. Após fazer isso poderia seguir a Jesus e ganharia um tesouro nos céus.

Mas o que o jovem rico fez? Retirou-se triste, por ser dono de muitas propriedades. Fica evidente na a qual senhor ele escolheu.

Quem está ocupado com suas riquezas e as serve, acaba distante de Deus. Devemos trabalhar pelo tesouro no céu e não pelo da terra onde tudo passa. Não podemos servir a dois senhores.

Conclusão
Uma amiga tinha muitos diplomas na área de informática, certificações altamente reconhecidas e estava muito bem profissionalmente. Mas num dado momento de sua vida percebeu que perderia o privilégio de ver sua filha crescendo por ter o seu tempo totalmente tomado de tarefas. Em face disso ela deixou de trabalhar apenas para cuidar da filha pequena, optou pelo que lhe pareceu mais importante.

Será que nós somos capazes de deixar de lado o mundo e seus atrativos para servir a Deus? Que o Senhor nos de forças para continuarmos servindo-o dia-após-dia.


Danilo Cassemiro de Campos é pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil.