sábado, 8 de junho de 2013

Caminhada Presbiteriana em Copacabana pela Cidadania – para ONU e Globo ver!?


Por Luciano Sena


Bem, a tal "caminhada" ano passado em Copacabana, foi, pelo que sei, uma manifestação presbiteriana sem impacto, e muito menos em favor do Evangelho. Houve esforço, mas sem grande significado mesmo para os presbiterianos brasileiros.

Os últimos acontecimentos envolvendo o principal expoente dessa passeata, o Rev Marcos Amaral, acendeu uma luz de alerta para a mim. Quando "voltei a fita" e comparei os temas abordados pela tal passeata, cheguei a seguinte conclusão - O reverendo Marcos Amaral está usando a IPB para se promover por meio desta passeata!

Veja os motivos:

1. A Rede Globo, deu cobertura antecipada em um site da emissora. Sabemos que a amizade de Amaral com a Globo não é de agora...

2. Curioso, a Globo cobrir um evento evangélico sem expressão significativa nem audiência!?

3. O tema da passeata não tem apresentação* alguma do Evangelho: “Cidadania, ponha Fé nessa ideia”. Isso se alinha com o liberalismo teológico que levou Jesus vomitar várias igrejas presbiterianas pelo mundo.

*Apesar de o Reverendo Hernandes ter pregado a Palavra no evento, enfatizando Cristo como salvador, porém, a meu ver, até ele foi usado neste interesse de Amaral, assim como toda a IPB.

4. Alguns trechos da postagem do site revela a sutil linguagem política que agrada a ONU. Observe:

“[os presbiterianos] a partir dessa caminhada, a ampliação de seu diálogo com a sociedade civil, tendo como base os valores cristãos: erradicar a extrema pobreza e a fome; atingir o ensino básico universal; promover a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres; reduzir a mortalidade infantil; melhorar a saúde materna; combater o HIV/AIDS, a malária e outras doenças; garantir a sustentabilidade ambiental e estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento.”
“manifestarão a importância da igreja (IPB) como defensora da cidadania e seu alinhamento com as metas da ONU para a construção de um mundo melhor, que a igreja compreende estarem de acordo com os ideais cristãos...”
O reverendo Marcos Amaral afirmou para o site: "'Todos que estão comprometidos com a construção de um mundo melhor são nossos convidados, religiosos ou não. O que desejamos é uma grande parceria na busca incansável por justiça, verdade, solidariedade e igualdade. Estendemos oficialmente nosso convite ao Prefeito de nossa cidade, ao Governador do Estado do Rio de Janeiro, ao Poder Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, bem como à ABI, OAB, a todas as igrejas protestantes e históricas e a tantas outras entidades representantes das variadas áreas da sociedade civil', declara o coordenador geral da Caminhada Presbiteriana, o Reverendo Marcos Amaral."
Fonte: Rede Globo

No site do Sínodo de Guanabara falou de sua missão de atender o chamado da ONU: 

“Ao vermos a sociedade levantar a bandeira contra a intolerância, ao vermos a ONU mandar emissários ao Brasil e receber relatório concluindo, após investigação sistemática que, das treze maiores capitais brasileiras pesquisadas, todas apresentam sinais de intolerância religiosa, diante do que, conclui o relatório entregue a ONU: É o Brasil é um país intolerante e os evangélicos estão na base desse grave problema social, político e ético; concluímos que nós presbiterianos somos intolerantes quando não levantamos a nossa voz para dizer à sociedade brasileira que não concordamos com a intolerância e que nosso olhar cristão não se alinha com tais práticas... Nesse momento a ONU conclui que 2/3 dos conflitos no mundo, têm em sua base a intolerância religiosa. O que ganharia a IPB? Seria reconhecida como única igreja brasileira, e verdadeiramente protestante, capaz de transparecer alinhamento ético com tema de tal relevância, e isso não é pouca coisa.”
Fonte: Sinodo da Guanabara

Como é que a executiva do Supremo Concílio ainda libera R$ 100.000,00 para este evento em 2013 (veja aqui), que obviamente envolve um nome que é alvo de polêmica e duras críticas por parte da maioria dos presbiterianos?

Quantas revistas (do modelo das revistas de escola dominical) poderiam ser impressas com a Confissão de Fé de Westminster e serem distribuídas aos crentes presbiterianos que nem sequer sabem desses símbolos, usando esse recurso de 100.000,00 Reais?

Espero que Deus mostre-nos que dinheiro "sagrado" é para coisas sagradas e não para interesses espúrios...