sexta-feira, 6 de setembro de 2013

AS NOSSAS MARCAS NA HISTÓRIA


Estando ele em Betânia, reclinado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher trazendo um vaso de alabastro com preciosíssimo perfume de nardo puro; e, quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus. 4 Indignaram-se alguns entre si e diziam: Para que este desperdício de bálsamo? 5 Porque este perfume poderia ser vendido por mais de trezentos denários e dar-se aos pobres. E murmuravam contra ela. 6 Mas Jesus disse: Deixai-a; por que a molestais? Ela praticou boa ação para comigo. 7 Porque os pobres, sempre os tendes convosco e, quando quiserdes, podeis fazer-lhes bem, mas a mim nem sempre me tendes. 8 Ela fez o que pôde: antecipou-se a ungir-me para a sepultura.9 Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua.” (Marcos 14.3-9)

Todos sonhamos em deixar nossa marca na história, ser reconhecido por aquilo que fazemos. Como cristãos, é preciso deixar um legado para as gerações futuras. Você não pode ser mais um que passará pela história sem ser lembrado! Somente aqueles que cultivam uma intimidade com o Senhor Jesus vão deixar marcas.

Não podemos viver um cristianismo sem expressão. Devemos fazer diferença no mundo e deixar nossa marca na história. Como você será lembrado? Segundo o que aprenderemos no texto lido, “Jesus exalta pessoas que deixam marcas na história”. Mas, como são estas pessoas que marcam a sua história? O texto de Marcos nos dá resposta. Aqueles que vão deixar sua marca na história são pessoas que:

INVESTEM ALTO NA OBRA DO SENHOR (V. 3)
São pessoas que se aproximam de Jesus para ofertar e não para pedir-lhe algo (v.3) – Possivelmente esta era Maria (irmã de Lazaro e Marta cf Jo. 12.1-8). Não podemos confundir a história passada com Maria Madalena em Lucas 7.36-50. Esta aqui não é Maria Madalena. Isso fica claro na narrativa de João: “Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus para Betânia, onde estava Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos. Deram-lhe, pois, ali, uma ceia; Marta servia, sendo Lázaro um dos que estavam com ele à mesa. Então, Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus...”. (Jo 12.1-3).  E Lucas diz que Jesus foi convidado para um jantar (Lc 7.36). Assim sendo, essa atitude de Maria, pode ter sido motivada, também, pela gratidão devido ao que Jesus havia feito; ressuscitado Lázaro (Jo 12.1; 11.1-46). Ofertamos a Deus não somente pelo que Ele pode nos dar, pelo que Ele já fez por nós! “Que darei ao SENHOR por todos os seus benefícios para comigo?Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do SENHOR.Cumprirei os meus votos ao SENHOR, na presença de todo o seu povo.”(Sl. 116:12-14).
Pessoas que não medem esforços para ofertar ao Senhor (v.3b-5) – De acordo com o relato de João, era Judas Iscariotes quem questionou a atitude de Maria (Jo 12.4). Mas os seus interesses não eram filantrópicos, e sim mercenários, pois ele era tesoureiro do colégio apostólico. A prova de que ele era mercenário foi a traição a Jesus por trinta moedas de prata (em torno de um salário de mês de trabalhador braçal).

Maria ofertou cerca de 330 gramas de perfume (cf Jo 12.3). A mulher não mediu esforços e deu o seu melhor para o Senhor. E não era Pouco porque João diz: “… ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.”(Jo 12.3). E Marcos diz que “derramou bálsamo sobre a cabeça de Jesus” (v.3c). Dessa forma, compreendemos que ela ungiu o corpo de Jesus como um prenúncio de sua morte (ler v.8). Ela gastou cerca de 300denários ou mais (v.5, Jo 12.5). O que seria isso? Mais de um ano de salário! Era suficiente para alimentar mais de trezentas famílias por um dia inteiro. O Nardo era um óleo aromático extraído de uma planta da Índia, o qual era de grande preço.  O desprendimento material foi um sinal da nova vida em Cristo (Ler Lc. 19.8-10).

Você quer deixar suas marcas na História? Então, invista alto na vida cristã. Faça o seu melhor. E nunca se prenda a bens materiais. Jesus diz: “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”(Mt 6.21). Judas e os demais que estavam ali ficaram de olho na oferta porque pensaram no dinheiro. Muitos que pensam seguir a Jesus vão a ele em busca de “Pão”, mas se queremos marcar nossa história devemos buscar em primeiro lugar o Reino de Deus. John Wesley( Inglaterra, 1703 - 1791), foi o fundador do metodismo (Igreja Metodista). Ele sentiu o coração arder pela obra do Senhor. Seu legado:  Levou milhares de pessoas a conhecer a fé cristã, também realizou obras sociais dignas de destaque, como estas: Dinheiro aos pobres (Ele distribuía). Compêndio de medicina (Wesley escreveu e foi largamente difundido). Deu apoio a abolição da escravatura! Atualmente, o total de membros da comunidade metodista no mundo está estimado em cerca de 75 milhões de pessoas. Ele consagrou sua vida, ofertou a si mesmo ao SENHOR. São pessoas que exercitam sua devoção como uma expressão de entrega total ao senhorio de Jesus.
Ainda vemos que aqueles que vão deixar sua marca na história, São pessoas que:

SABEM LIDAR COM OPOSIÇÕES (V 4-5) 
Opressão dos adversários (v.4) - Eles  se “indignaram”.  A palavra grega traz a idéia de “desprezo”, “ira” e “revolta”.  Eles queriam  fazê-la desistir. Paulo diz que: “… todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.” (2Tm. 3.12). Interessante que a oposição veio de onde não se imaginava, daqueles que estavam servindo ao mestre, pois no registro de Mateus eram “os discípulos” (Mt 26.8). Aqui nos vem uma lição: não compreendemos o real sentido do Reino de Cristo só porque fazemos parte do seu povo, é preciso ter o coração ligado ao Senhor no sentido de adoração verdadeira e desprendimento das coisas seculares. Eles “murmuraram contra ela” (v.5c) pode ser entendido como “crítica”. Ninguém gosta de ser criticado. “Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica; e que em nada estais intimidados pelos adversários...”(Fp 28-29). A forma comum de vencermos oposições é viver o cristianismo puro e simples.
Os opositores da igreja de Cristo (1Jo 2.15; Gl 5.17) – O mundo: Sempre é tentação para o povo de Deus. Mas conseguimos vencê-lo cultivando amor e gratidão ao Senhor  em nosso coração: “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele” (1Jo 2.15). A carne: A “natureza humana pecaminosa”- Nossa natureza caída, pecaminosa, caracteriza-se pela sutileza e hipocrisia. Com ela empreendemos uma luta: “Porque a carne milita contra o Espírito…”(Gl 5.17). Ela faz inimizade contra Deus: “Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus…”(Rm 8.7). A vitória só é garantida com auxílio do Espírito Santo. Devemos “matar” a nossa natureza terrena (Cl 3.5; Gl 5.24).O diabo: As suas obras: Tenta nos desviar da verdade com suas armadilhas, distorcendo a Palavra de Deus, enganando os homens. Se queremos marcar nossa história, não podemos dar lugar ao diabo (Ef 4.26-27). Damos lugar ao diabo, por exemplo, quando a ira persiste em nosso coração.

Assim como Maria, para deixarmos nossa “Marca na história”, não podemos deixar que os opositores nos desanimem de servir ao Senhor Jesus e adorá-lo! Maria não deu a mínima para o que diziam dela. O seu foco era somente a glória de Deus! John Huss (1369-1415 - Husinec, República Checa) foi um pastor dedicado. Sua preocupação era agradar a Deus com uma vida santa e prover sólida alimentação espiritual ao povo. Criticava duramente os líderes da Igreja por usarem seus ofícios em benefício próprio, vivendo no conforto e na imoralidade. Foi um Homem que Enfrentou a oposição em nome de Cristo. Apesar da cobertura do Rei, surge no cenário o Arcebispo de praga, chamado Zbynek, um ex-militar e agora superior de Huss. Um estrategista, que usou de seus recursos financeiros e políticos para obter este poderoso cargo no arcebispo de Praga. A missão dele era a de erradicar a “heresias” naquela região  e com isso ganhar favores do papa. Zbynek tornou-se grande inimigo da causa reformista de Huss. Ele não se rendeu à oposição. Apesar de morto, John Huss não foi derrotado. Deixou um legado para a causa da Reforma Protestante que surgiria décadas depois, com Martinho Lutero. 
E por fim, vemos que aqueles que vão deixar sua marca na história, são pessoas que:

FAZEM O SEU MELHOR COMO OFERTA AO SENHOR (V 6-9)

Maria de Betânia fez o melhor ao Senhor (v.6) – “Boa ação”! Isso só vem de um coração transformado. São as boas obras que o Senhor nos chamou para realizar: “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.”(Ef 2.10). Um coração grato oferece o melhor a Deus. Jesus prontamente defendeu Maria, pois conhecia seu coração: “ ... Deixai-a; por que a molestais? Ela praticou boa ação para comigo.”(v.6a) – Jesus não está desmerecendo a atenção aos pobres, mas aqueles momentos eram momentos finais do ministério terreno do Senhor. Aqueles que fazem o melhor sabem dar às prioridades as coisas relacionadas ao Reino de Deus. A viúva pobre, quando foi ofertar deu o seu melhor ao Senhor (Mc 12.42). Era pouco, mas era tudo, não era o que estava sobrando! Ninguém será lembrado na história sendo mesquinho, avarento!

Fazem o melhor porque valorizam a presença de Deus (v.7-8) – Quanto a boa ação aos pobres eles poderiam fazer em qualquer momento, pois os pobres estavam sempre ao redor deles (v.7). Porém Jesus estava para ir junto do Pai. Jesus diz: ”Ela fez o que pôde: antecipou-se a ungir-me para a sepultura.”(v.8). Essa era uma demonstração de fé, pois cria nas palavras de Jesus e também um gesto de amor por e respeito. Considerar esses pontos nos levará a oferecer o melhor ao Senhor. O Senhor continua: “… mas a mim nem sempre me tendes.” (v.7b). O salmista diz: “Ó Deus, tu és o meu Deus forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água.”(Sl 63.1). Ninguém será lembrado na história se desprezar o Senhor, Sua presença, Sua igreja e a Sua lei! O Senhor merece o melhor e não as sobras. Assim como Davi, não podemos dar ao Senhor algo que não nos “custe nada”(1Cr 21.24).

Pessoas que deixam Marcas na História são pessoas que fazem o seu melhor para o Senhor. Maria de Betânia valorizava o Senhor, Sua vida e Sua morte. Ela fez uma “Boa ação”! Isso só vem de um coração transformado. Não vamos, de forma alguma, sermos lembrados na história se desprezarmos o Senhor e tudo o que está relacionado ao seu reino e sua igreja.Frances Jane Crosby (USA de 1820 -1915) também conhecida como Fanny Crosby, foi uma compositora lírica conhecida por tornar-se a mais prolífica autora de hinos sacros conhecida, a despeito de ter sido cega desde criança. Seu primeiro hino foi composto aos 45 anos de idade. Muitas de suas canções encontram-se publicadas em diversos idiomas por todo o mundo.

Fanny foi evangelizada por sua avó, que passava horas lendo a Bíblia para a menina, que demonstrava ter uma memória extraordinária: decorou diversos trechos do Livro de Rute e dos Salmos. Aos 15 anos, ela entrou para o Instituto de Cegos de Nova Iorque, para onde voltaria anos depois para ensinar Inglês e História. Como aluna e professora, Fanny passou 35 anos na mesma escola.
Fanny era membro da Igreja Episcopal Metodista, de Nova Iorque. Ela era uma oradora devota e freqüentemente preparava os cultos infantis da igreja. Ela deu o seu melhor ao Senhor! Alguns hinos:
“Meu Senhor sou Teu
Tua voz ouvi, a chamar-me com amor [...]
mais perto da Tua cruz leva-me, ó Senhor.” (HNC 222)
Que segurança tenho em Jesus,
Pois nele gozo paz, vida e luz!” (HNC 144).

Ninguém será lembrado se viver uma vida cristã medíocre sem expressão e amor e dedicação ao Senhor. Que possamos aprender com Maria de Betânia e Fanny Crosby. Façamos o melhor para o Senhor, mesmo em meio às dificuldades!

AS NOSSAS MARCAS NA HISTÓRIA - Você já pensou sobre suas marcas na história para as gerações posteriores?Será que alguém vai se lembrar de você daqui a 100 anos? Como você quer ser lembrado? Quais investimentos você tem feito na vida cristã para que estas marcas possam prevalecer? Você tem feito o seu melhor? Que legado você deixará para os seus filhos?

 Por Rev. Ronaldo P Mendes