segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

CARTA DE UM DIABÃO SOBRE A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE.

Por Renato Vargens

Odiado Cramulhão Encardido Junior,

Espero que esteja comendo o pão que o nosso maldoso pai amassou. Escrevo-lhe esta missiva com vistas a lhe orientar quanto a melhor forma de complicar a vida dos pastores.

Primeiramente procure incutir na cabeça do pastor que ele precisa pregar sobre dinheiro. Incentive-o a falar sobre riquezas durante todo o culto.

Horroroso sobrinho, conduza a liturgia dos cultos sugerindo aos pastores que aqueles que depositam sua esperança no adversário precisam ser prósperos e endinheirados.

Maldito capeta, para tanto gostaria lhe ordenar algumas idéias mirabolantes:

1- Institucionalize os jargões no culto. Faça-os repetir versos soltos daquele horroroso livro. Use expressões como você é cabeça e não calda; tudo posso naquele que me fortalece, tá amarrado, rajada de glória e outras mais.

2- Leve-os adorar o nosso primo Mamom. Nosso primo precisa ser adorado. Tire o foco do nosso adversário e leve-os a cultuar nosso maléfico companheiro.

3- Instigue-os ao consumo. Faça-os consumir cada vez mais, endivide-os até a alma.

4- Incentive-os a criar novas doutrinas relacionadas ao dinheiro. Faça-os a acreditarem na doutrina das primícias e que precisam honrar seus líderes com suas riquezas.
Maldito Cramulhão, para ser bem sucedido nessa maféfica missão é fundamental que você incuta na mente deles valores diferentes daquele livro cujo nome não gosto nem de mencionar. (Só de pensar na Bíblia, meu ser estremece!)

Infeliz sobrinho, escravize-os ao dinheiro fazendo-os amar as riquezas desse mundo!

Espero que cumpra com esmero minhas recomendações.

Termino esta carta, desejando todo tipo de maldade,

Com ódio,

Seu tio diabão
Nota explicativa:

Há alguns anos, o conhecido autor evangélico C. S. Lewis, professor da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, escreveu uma série de artigos sob o título: "The Screwtape Letters" , ou seja, "Cartas do Inferno" , Edições Vida Nova SP, e os publicou no jornal "Guardian", conhecido órgão da imprensa britânica, lá pelos idos de 1940. Depois, essas cartas foram reunidas em um livro com o mesmo título, que se tornou a obra mais popular desse eminente escritor de temas cristãos. Nessas cartas, o autor imagina uma série de conselhos que Roldão, experiente oficial da hierarquia diabólica, envia a seu sobrinho Lusbim, um diabo neófito que recebeu a incumbência de corromper a fé de um homem que se tornara cristão. Visto que, daquela época para cá, tem-se multiplicado as artimanhas satânicas, é lícito imaginar mais alguns terríveis conselhos enviados pelo sinistro oficial ao seu infernal emissário, em plena ação diabólica para desviar os fiéis do caminho estreito. Usando os mesmos personagens, apenas mudamos os nomes, e tomando emprestado o gênero literário do autor mencionado, aqui apresentamos aos amados leitores uma nova carta imaginária, vinda dos abismos infernais.