segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

O GRANDE JULGAMENTO

Pregado nas sessões de tribunal, diante do Honorável Sir Edward Clive, Cavalheiro, um dos Juízes da Corte de Apelações Comuns de Sua Majestade, na Igreja de St. Paul, Bedford, na sexta-feira, 10 de Março de 1758; publicado na petição de William Cole, Escudeiro, Alto Xerife do condado e outros.
"Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo".  (Romanos 14:10)
1. Quantas circunstâncias concorrem para aumentar a enormidade da presente solenidade! – O concurso geral de pessoas, de todas as idades, sexo, posições e condições de vida, desejosamente, ou não, reunidas, não apenas das partes próximas, mas das partes distantes; criminosos, rapidamente trazidos, e não tenho como escapar; oficiais, esperando em seus vários postos, para executar as ordens que nós tão altamente reverenciamos e honramos. A ocasião igualmente desta assembléia acrescenta não uma solenidade pequena dela: ouvir e determinar causas de todos os tipos, algumas das quais são da mais importante natureza; das quais dependem não menos do que a vida ou a morte; a morte que revela a face da eternidade! Foi, sem dúvida, com o objetivo de aumentar o sério sentido dessas coisas, e não, nas mentes do comum, apenas, que a sabedoria de nossos antepassados não desdenharam indicar, até mesmo diversas circunstâncias precisas desta solenidade. Porque esses também, pelos meios do olho e ouvido, podem mais profundamente afetar o coração: e, quando observada, nesta luz, trombetas, aduelas, vestuário, não são mais superficiais ou insignificantes, mas subservientes, neste tipo e grau para as mais valiosas finalidades da sociedade.
2. Mas, por mais terrível que esta solenidade seja, uma muito mais terrível está à mão. Uma vez que, em pouco tempo, "deveremos todos estar diante da cadeira de julgamento de Cristo". "Porque, assim como eu vivo, diz o Senhor, todo joelho se dobrará a mim, e toda língua deverá confessar a Deus". E naquele dia, "cada um dará um relato de si mesmo a Deus".
            3. Tivessem todos os homens profunda consciência disto, quão efetivamente isto garantiria os interesses da sociedade! Porque qual motivo pode ser concebido, para a prática da genuína moralidade? Para uma busca firme e virtude sólida? Um caminhar uniforme na justiça, misericórdia e verdade? O que poderia fortalecer nossas mãos, em tudo que seja bom, e nos deter de tudo que seja mau, como uma forte convicção disto: "O Juiz está à porta"; e nós brevemente estaremos diante Dele?
            4. Não pode, portanto, ser impróprio, ou inadequado para o objetivo da presente assembléia considerar: --
            I. As principais circunstâncias que precederão nosso situarmo-nos diante da cadeira de julgamento de Cristo;
            II. O próprio julgamento; e,
            III. Algumas poucas circunstâncias que se seguirão a ele.
I
            1. Em Primeiro Lugar, vamos considerar as principais circunstâncias que precederão estarmos diante da cadeira de julgamento de Cristo.
            E, primeiro, Deus irá mostrar "sinais na terra" (Atos 2:19); particularmente, Ele irá "se levantar para estremecer terrivelmente a terra". "A terra deverá balançar, de um lado para o outro, como um bêbado, e deverá ser removida como uma cabana". (Isaias 24:20). "Haverá terremotos", kata topous (não no fundo do mar apenas, mas) "em todos os lugares"; não em um apenas, ou alguns, mas em toda a parte do mundo habitado(Lucas 21:2); até mesmo, "tais como não foram vistos, desde que os homens estão sobre a terra, terremotos tão poderosos e tão grandes".  Em um desses "toda a ilha desaparecerá, e as montanhas não serão encontradas".  (Apocalipse 16:20). Neste meio tempo, todas as águas do globo terráqueo sentirão a violência dessas concussões; "o mar e as ondas rugindo" (Lucas 21:25), com tal agitação, como nunca se soube antes, desde a hora em que "as fontes do grande abismo se arrebentaram", para destruir a terra, e que, então, "ficaram fora e dentro da água".  O ar será todo temporal e tempestade, cheio de vapores negros e "pilares de fumaça".(Joel 2:30) "E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça"; ressoando, de maneira assombrosa, de pólo a pólo, e se rasgando em dez mil raios. Mas a comoção não parará na região do ar;"os poderes dos céus também deverão ser estremecidos. Haverá sinais no sol, e na luz, e nas estrelas".  (Lucas 21:25-26); as que são fixas, e as que se movem em volta da terra. "O sol se transformará em escuridão, e a lua em sangue, antes do grande e terrível dia da vinda do Senhor".  (Joel 2:31). "As estrelas recolherão seu brilho". (Joel 3:15); sim, e "cairão do céu". (Apocalipse 6:13), saindo fora de suas órbitas. E, então, ouvir-se-á o grito universal, de todas as companhias do céu, seguidas pela "voz do arcanjo", proclamando a aproximação do Filho de Deus e Homem, "e a trombeta de Deus", soando um alarme, para todos que dormem no pó da terra (I Tessalonicenses 4:16). Em conseqüência disto, todas as sepulturas se abrirão, e os corpos dos homens se erguerão. O mar também desistirá do morto que está nele (Apocalipse 20:13), e cada um deverá ressuscitar com"seu próprio corpo": sua própria em essência, embora tão mudado em suas propriedades, como nós não podemos agora conceber. "Porque este corruptível", então, "se revestirá de incorruptibilidade" (I Cro. 15:53). Sim,"morte e Hades", o mundo invisível, "entregarão o morto que está neles" (Apocalipse 20:13). De modo que todo que sempre viveu e morreu, desde que Deus criou o homem ressuscitará incorruptível e imortal.
2. Ao mesmo tempo, "O Filho do Homem enviará seus anjos", sobre toda a terra; "e eles reunirão seus eleitos dos quatro ventos, de uma extremidade a outra". (Mateus 24:31). E o próprio Senhor virá com nuvens, em sua própria glória, e a glória de seu Pai, com dez mil de seus santos, até mesmo, miríades de anjos, e deverá se sentar no trono de sua glória. "E, diante dele, se reunirão todas as nações; e separará uns dos outros, e estabelecerá a ovelha", o bom, "de seu lado direito, e os bodes", o mau, "do lado esquerdo".  (Mateus 25:31, etc.). Concernente a esta assembléia geral é que, o amado discípulo fala assim: "Eu vi o morto", todo que estavam mortos, "pequeno e grande, de pé, diante de Deus; e os livros foram abertos" (uma expressão figurativa, referindo-se plenamente à maneira de proceder entre os homens), "e o morto foi julgado, por aquelas coisas que estavam escritas nos livros, de acordo com suas obras". (Apocalipse 20:12).
II
Estas são as principais circunstâncias que estão registradas nos oráculos de Deus, como precedendo o julgamento geral. Nós, Em Segundo Lugar, consideraremos o próprio julgamento, até onde agrade a Deus revelá-lo.
1. A pessoa, através de quem Deus julgará o mundo, é seu Unigênito Filho, cujas "saídas são da eternidade"; "que é Deus sobre todos, abençoado para sempre".  Junto a Ele, sendo "o irradiador da glória de seu pai; a imagem expressa de sua pessoa".  (Hebreus 1:3); o Pai "confiou todo julgamento, porque Ele é o Filho do Homem". (João 5:22, 27); porque, embora Ele fosse "na forma de Deus, e embora não fosse roubo ser igual com Deus, ainda assim Ele se esvaziou, tomando para si a forma de um servo, sendo feito na semelhança de homens".(Filipenses 2:6-7); assim, porque "sendo encontrado na atualidade como um homem, ele se humilhou", ainda mais além, "tornando-se obediente à morte, até mesmo, a morte na cruz. Pelo que Deus tem altamente exaltado a Ele"; mesmo em sua natureza humana, e "ordenado a Ele", como Homem, a experimentar os filhos dos homens, "a ser Juiz, tanto do desperto, quanto do morto"; ambos daqueles que estarão vivos na sua vinda, e aqueles que se reuniram antes aos seus antepassados.
2. O tempo, denominado pelo profeta, "o grande e terrível dia", é usualmente, intitulado o dia do Senhor, nas Escrituras. O espaço da criação do homem sobre a terra, até o fim de todas as coisas, é o dia dos filhos dos homens; o tempo que está agora passando sobre nós é propriamente nosso dia; quando este acabar, o dia do Senhor começará. Mas quem pode dizer por quanto tempo ele continuará?  "Para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia". (II Pedro 3:8).  E, desta mesma expressão, alguns dos antepassados esboçaram aquela inferência, aquele, que é comumente chamado o dia do julgamento, seria, de fato, mil anos; e parece que eles não foram além da verdade; mais do que isto: provavelmente eles não avançaram para ela. Porque, se nós considerarmos o número de pessoas que serão julgadas, e as ações que serão inquiridas nisto, não parece que mil anos serão suficientes para as transações daquele dia; de maneira que não pode ser improvável abranger diversos mil anos. Mas Deus deverá revelar isto também a seu tempo.
3. Com respeito ao lugar onde a humanidade será julgada, nós não temos relato explícito nas Escrituras. Um eminente escritor (mas não ele apenas; muitos têm sido da mesma opinião) supõe que seja na terra, onde as obras foram feitas, e pelas quais eles serão julgados; e que Deus, com este objetivo também, empregará os anjos de sua força --
Para suavizar e estender o espaço ilimitado;
E expandir uma área para toda a raça humana.
   
Mas, talvez, seja mais de acordo com o próprio relato do Senhor, de sua vinda nas nuvens, supor que será acima da terra, se não, "duas vezes uma altura planetária". E esta suposição não é pouco favorecida pelo que Paulo escreve aos Tessalonicenses: "O morto em Cristo ressuscitará, primeiro. Então, nós que permanecermos vivos, seremos arrebatados com eles nas nuvens. Para encontrarmos o Senhor no ar" (I Tessalonicenses 4:16-17). De maneira que parece mais provável que o grande trono branco será altamente exaltado acima da terra.
4. As pessoas a serem julgadas, quem pode contar, algo mais do que as gotas da chuva, ou as areias do mar? "Eu vi", diz João, "uma grande multidão que nenhum homem pode calcular, vestida com seu manto branco, e palmas em suas mãos".  Quão imenso, então, deve ser o total da multidão de todas as nações, e afins, e pessoas, e línguas, de todos que surgiram dos lombos de Adão, desde que o mundo começou, até que o tempo não mais existisse! Se nós admitirmos a suposição comum, que parece, de forma alguma, absurda de que a terra suporta, a qualquer tempo, não menos do que quatrocentos milhões de almas viventes, homens, mulheres, e crianças, o que uma congregação dessas gerações, que têm sucedido, umas às outras, por sete mil anos, deve fazer!
O mundo do grande Xerxes, em armas, o orgulhoso anfitrião de Cannae,
            Todos estão aqui; e aqui todos estão perdidos.
Os seus números avolumam-se, para serem discernidos em vão;
            Perdidos, como uma gota no alto-mar sem fim.
           
            Todo homem, toda mulher, toda crianças dos dias, que sempre respiraram o ar vida, ouvirão a voz do Filho de Deus, e voltar à vida, e aparecer diante Dele. E isto parece ser a significação natural daquela expressão: "o morto, pequeno e grande": todos universalmente; todos, sem exceção, todos de todas as idades, sexo, ou grau; todas que alguma vez viveram e morreram, ou foram submetidos a tal mudança, que será equivalente com a morte. Porque, muito tempo antes deste dia, a grandeza do espírito humano desaparece, e mergulha no nada. Até mesmo, no momento da morte, este desaparece. Quem é rico ou grande dentro da sepultura?
5. E todo homem deverá "dar um relato de suas próprias obras"; sim, um relato verdadeiro e completo de tudo que ele sempre fez, enquanto no corpo, se foi bom ou mau. Ó que cena será, então, descortinada, às vistas de anjos e homens! -- Enquanto não o mitológico Rhadamanthus [um dos três juizes do Hades, juntamente com Minos, Acacus]; mas o Senhor Deus Altíssimo, que conhece todas as coisas no céu e terra --
Sobre estes reinos lúgubres o inflexível Rhadamanthus reina;
Detecta cada vilão astuto, e o constrange
a reconhecer os crimes, por muito tempo encobertos aos olhos humanos:
Em vão! Agora tudo se apresenta na odiada luz.
Não somente todas as ações de todos os filhos dos homens serão, então, trazidas à vista, mas todas as suas palavras; uma vez que "toda palavra vã que os homens falarem, eles darão conta delas no dia do Juízo". (Mateus 12:36-37); de maneira que "pelas tuas palavras", assim como obras, "tu serás justificado; e pelas tuas palavras, tu serás condenado". Deus, então, não trará à luz toda circunstância também que acompanhou cada palavra ou ação, e se não reformou a natureza, ainda assim, diminuiu ou aumentou a bondade ou maldade deles? E quão fácil é isto para aquele que está "ao redor de nossa cama, ou ao redor de nosso caminho, e espia todos os nossos caminhos!".  Nós sabemos que "a escuridão não é trevas para ele, mas a noite brilha como o dia".
            6. Sim, Ele trará ao conhecimento, não apenas as obras ocultas da escuridão, mas os próprios pensamentos e intenções do coração. E qual a surpresa? Já que ele "sonda os desígnios, e entende todos os nossos pensamentos". "Todas as coisas são descobertas e reveladas aos olhos daquele, com quem lidamos". "Inferno e destruição estão diante dele, sem uma capa. Quanto mais os corações dos filhos dos homens!".
7. E neste dia, revelar-se-á toda obra interior de toda alma humana; todo apetite, paixão, inclinação, afeição, com as várias combinações deles, com todo temperamento e disposição que constituem todo o complexo caráter de cada indivíduo. Assim, será clara e infalivelmente visto, quem era reto, e quem não era; e em que grau toda ação, ou pessoa, ou caráter estava tanto com respeito ao bem, quanto com respeito ao mal. 
8. "Então, o Rei dirá a eles, do seu lado direito: 'Venham, vocês, abençoados de meu Pai. Porque eu estava faminto, e me deram alimento; sedento, e me deram de beber; um estranho, e me acolheram; nu, e me vestiram'". De igual maneira, todo o bem que fizeram sobre a terra será citado diante de homens e anjos; o que quer que tenham feito, tanto em palavra quanto em ação, no nome, ou por causa do nome do Senhor Jesus. Todos os seus bons desejos, intenções, pensamentos; todas as suas santas disposições, tudo será lembrado; e parecerá que, embora eles fossem desconhecidos ou esquecidos em meio aos homens, ainda assim, Deus os anotou no livro Dele. Todos os seus sofrimentos, igualmente, por causa do nome de Jesus, e do testemunho de uma boa consciência serão mostrados pelo Juiz reto, para o louvor deles; sua honra diante de santos e anjos, e o aumento desta "um peso de glória, muito mais excedente e eterno".
9. Mas seus maus feitos também (uma vez que consideramos que não existe um homem sobre a terra, que em toda sua vida, nunca pecou); esses também serão lembrados, naquele dia, e mencionados na grande congregação?  Muitos crêem que eles não serão; e perguntam: "Isto não implicaria que seus sofrimentos não estariam no fim, até mesmo, quando a vida terminou? – uma vez que eles ainda teriam tristeza, e vergonha, e embaraço para suportar".  Eles perguntam além: "Como isto pode ser reconciliado com a declaração de Deus, através do profeta, -- 'Se o pecaminoso, se voltar dos pecados que cometeu, e mantiver Meus estatutos, e fizer o que é lícito e correto; todas as transgressões que ele cometeu, não mais serão mencionadas junto a ele?' (Ezequiel 18:21-22). Como isto é consistente com a promessa que Deus fez a todos que aceitaram a aliança do evangelho: 'Eu perdoarei suas iniqüidades, e se seus pecados não mais me lembrarei?' (Jeremias 31:34)Ou, como o Apóstolo expressa: 'Serei misericordioso para com sua falta de retidão, e de seus pecados e iniqüidades eu não mais me lembrarei?'" (Hebreus 8:12)      
10. Pode ser respondido: isto é aparentemente e absolutamente necessário, para a completa ostentação da glória de Deus; para a clara e perfeita manifestação de sua sabedoria, justiça, poder e misericórdia, para com os herdeiros da salvação; para que todas as circunstâncias de suas vidas possam ser evidentes, juntamente com todos os seus temperamentos, e todos os desejos, pensamentos e intenções de seus corações: do contrário, como se tornaria aparente, da profundidade do pecado e miséria, que a graça de Deus os livrou? E, de fato, se toda a vida dos filhos dos homens não forem manifestadamente revelada, toda a contextura maravilhosa da providência divina não poderia ser manifestada; nem seríamos capazes, em milhares de instâncias, de "justificar os caminho de Deus ao homem".A menos, que as palavras de nosso Senhor fossem cumpridas em seu sentido mais extremo, sem qualquer restrição ou limitação: "Não existe coisa alguma oculta que não possa ser revelada; ou desconhecida que não possa ser conhecida" (Mateus 10:26); abundância das dispensações de Deus, sob o sol, ainda pareceria sem razão de ser. E, então, apenas quando Deus trouxe à luz todas as coisas da escuridão, foi possível ver que sábio e bom foram todos os seus caminhos; quaisquer que fossem os autores nela; que ele viu, através da grossa nuvem, e governou todas as coisas, através do sábio conselho de sua própria vontade; que nada foi deixado para a sorte ou capricho de homens, mas Deus dispôs tudo forte e docemente; forjou tudo dentro de uma corrente de justiça, misericórdia e verdade.
11. E no descobrimento das perfeições divinas, o reto regozijar-se-á com alegria inexprimível; longe de sentir alguma tristeza ou vergonha dolorosa, por alguma dessas transgressões passadas que desde então, se desfizeram como uma nuvem, lavadas pelo sangue do Cordeiro. Será abundantemente suficiente que todas as transgressões que eles cometeram não devam ser, uma vez mais mencionadas, em prejuízo deles; que seus pecados, e transgressões, e iniqüidades não devam mais ser lembrados, para a condenação deles. Este é o significado claro da promessa; e isto, todos os filhos de Deus deverão se certificar como verdade, para o conforto eterno deles.
12. Depois dos justos serem julgados, o Rei se voltará para aqueles à sua esquerda; e eles também deverão ser julgados; cada homem, de acordo com suas obras. Mas não apenas suas obras exteriores serão trazidas para o relato, mas todas as palavras pecaminosas que eles, alguma vez, falaram; sim, todos os desejos, afeições, temperamentos maus, que têm, ou tiveram um lugar em suas almas; e todos os pensamentos ou desejos maus, que alguma vez, foram nutridos em seus corações. A alegre sentença da absolvição será, então, pronunciada junto àqueles, à sua direita; e a terrível sentença da condenação, sobre aqueles à esquerda; ambos devendo permanecer fixos e imóveis, como o trono de Deus.
III
1. Nós podemos, em Terceiro Lugar, considerar algumas das circunstâncias que se seguirão ao julgamento geral. E a primeira é a execução da sentença proferida sobre o mau e sobre o bom: "Esses deverão seguir para a punição eterna, e o reto para a vida eterna". Deve-se observar, que se trata da mesma palavra que é usada, ambos no primeiro e no último caso. Segue-se que tanto a punição dura para sempre, quanto a recompensa virá também para um fim: -- Não, nunca, a menos que viesse para um fim, ou sua misericórdia e verdade falhassem. "Então, os retos brilharão, como o sol, no reino de seu Pai", "e deverão beber daqueles rios de prazer que estão à direita de Deus, sempre mais". Mas aqui toda descrição falha; toda linguagem humana falha! Apenas alguém que alcançou o terceiro céu poderá ter uma justa concepção dele. Mas, até mesmo este é um que não pode expressar o que ele tem visto: essas coisas não são possíveis do homem proferir.
            O perverso, nesse meio tempo, deverá seguir para o inferno; mesmo todas as pessoas que se esqueceram de Deus. Elas serão "punidas com a destruição eterna, da presença do Senhor, e da glória de seu poder". Elas serão "lançadas no fogo com enxofre!",originalmente "preparado para o demônio e seus anjos"; onde corroerão suas línguas, por causa da agonia e dor; amaldiçoarão a Deus e olharão para o alto. Lá os cães do inferno, -- orgulho, malícia, vingança, raiva, horror, desespero, -- as devorarão continuamente. Lá "elas não terão descanso, dia e noite, mas a fumaça do tomento delas se elevará para sempre e sempre!". Porque "o verme delas não morre, e o fogo não é extinto" (Marcos 9:48).  
2. Então, os céus se contrairão, como um pergaminho, e desaparecerão com um grande barulho: Eles "fugirão da face Daquele que se senta no trono, e não se encontrará lugar para eles". (Apocalipse 20:11). A mesma forma da passagem deles é desvendada a nós, pelo Apóstolo Pedro: "No dia do Senhor, os céus, em fogo, deverão dissolver-se-ão". (II Pedro 3:12).  Toda a bonita estrutura será destruída, por aquele elemento feroz, a conexão de todas as partes destruídas, e cada átomo se separar, um do outro. Através do mesmo processo, "a terra também, e as obras que nela existem, se queimarão" (verso 10). As obras enormes da natureza, as colinas eternas, as montanhas que desafiaram a ira do tempo, e permaneceram imóveis por muitos milhares de anos, irão sucumbir em ruína ígnea. Quanto menos as obras da inteligência, embora do tipo mais durável, os mais extremos esforços da habilidade humana – túmulos, conquistador! Tudo; tudo irá morrer, perecer, desaparecer, como um sonho quando alguém acorda.
3. De fato, alguns grandes e bons homens têm imaginado, que, da mesma forma que se requer aquele mesmo poder altíssimo para aniquilar as coisas, assim se requer para criar; falar no vazio, ou fora dele; então, nenhuma parte dele, nenhum átomo no universo, será totalmente destruída finalmente. Antes, eles supõem que a última operação do fogo, que ainda é possível observarmos, será reduzir para vidro o que, por uma força ainda menor, reduziu-se a cinzas; assim, no dia em que Deus ordenou, toda a terra, se não os materiais celestes também, sofrerão esta mudança, depois do que, o fogo terá não mais poder sobre eles. E eles acreditam isto é anunciado por aquela expressão na Revelação, feita a João: "Diante do trono havia um mar de vidro, como cristal" (Apocalipse 4:6). Nós não podemos agora, nem afirmar, nem negar isto; mas nós deveremos saber daqui por diante. 
4. Se for inquirido pelos zombadores, os filósofos precisos: "Como essas coisas podem ser? De onde virá tal imensa quantidade de fogo, de maneira a consumir os céus e todo o globo terrestre?". Nós pediríamos licença,Em Primeiro Lugar, lembrando a eles, que esta dificuldade não é peculiar ao sistema cristão. A mesma opinião quase universalmente é obtida em meios aos ateus não devotos.
Mas, Em Segundo Lugar, é fácil responder, até mesmo, da nossa leve e superficial familiaridade com as coisas naturais, que existem abundantes depósitos de fogo, prontos, e empilhados, preparados para o dia do Senhor. Quão breve, um cometa autorizado por Ele pode viajar, vindo das partes mais distantes do universo! E fosse fixar-se sobre a terra em seu retorno do sol, quando ele está algumas milhares de vezes mais quente do que a bala de canhão incandescente, quem não vê qual deveria ser a conseqüência imediata? Mas, não subindo tão alto como nos céus etéreos, os mesmos raios que "fornecem luz ao mundo", não poderiam, se comandados pelo Senhor da natureza, causar ruína e a mais extrema destruição? Ou, para ir não mais além do que o próprio globo; quem sabe que enormes reservatórios de fogo líquido existem, desde os primórdios, contidos nas entranhas da terra? Aetna, Hecla, Vesúvio, e todos os outros vulcões que causam erupções de chamas e carvões de fogo, o que eles são muitas das provas e bocas daquelas fornalhas ígneas; ao mesmo tempo, que as tantas evidências de que Deus tem pronto o recurso para cumprir Sua palavra? Sim, onde observamos, não mais do que a superfície da terra, e as coisas que nos cercam, é mais certo (como provam milhares de experimentos, além de toda possibilidade de negação) que nós mesmos, nossos corpos todos, estão cheios de fogo, assim como tudo à nossa volta. Será que não é fácil tornar este fogo etéreo, visível, até mesmo a olho nu, e produzir, por meio dele, os mesmos efeitos na matéria combustível, que são produzidos pelo fogo culinário? É preciso, então, algo mais do que Deus, para abrir aquela algema secreta, por meio da qual este agente irresistível está agora preste a descer, e se estende imóvel em cada partícula da matéria? E quão logo ele não rasgaria a moldura universal em pedaços, e envolveria tudo em uma ruína comum!
5. Existe uma circunstância mais que seguirá o julgamento, e que merece nossa séria consideração: "Nós esperamos", diz o Apóstolo, "de acordo com sua promessa, por novos céus e nova terra, em que habitará o reto" (II Pedro 3:13). A promessa se coloca na profecia de Isaías: "Observe, eu crio novos céus e nova terra; e a anterior não deverá ser mais lembrada" (Isaías 65:17); tão grande deverá ser a glória da mais recente! Isto, João observou nas visões de Deus. "Eu vi",  disse ele, "um novo céu e uma nova terra; porque o primeiro céu, e a primeira terra já se passaram". (Apocalipse 21:1); E apenas o reto habitará nela: assim sendo, ele acrescenta:"E eu ouvi uma grande voz" do terceiro "céu, dizendo, observe, o tabernáculo de Deus está com os homens, e Ele habitará com eles, e eles serão seu povo, e o próprio Deus estará com eles, e será seu Deus". (21:3). Inevitavelmente, todos serão felizes: "Deus enxugará todas as lágrimas; e não haverá mais morte, nem tristeza, nem pranto, nem haverá mais dor alguma". (21:4)"Não haverá mais maldição; mas eles verão Sua face".(21:3-4), -- e terão acesso mais próximo a Ele, e de lá, a mais sublime imagem Dele. Esta é a mais forte expressão na linguagem das Escrituras, a denotar a mais perfeita felicidade. "E Seu nome estará em suas frontes"; eles, declaradamente, se reconhecerão como propriedade de Deus, e a gloriosa natureza Dele mais visivelmente brilhará neles. "E não haverá noite lá; e não necessitarão de velas, nem luz do sol; porque o Senhor dará luz a eles; e eles reinarão para sempre e sempre".  
IV
Resta apenas aplicar as considerações precedentes a todos que estão aqui diante de Deus. E nós não somos diretamente conduzidos a assim fazer, através da presente solenidade que tão naturalmente nos aponta para aquele dia, quando o Senhor julgará o mundo na retidão? Isto, portanto, por nos fazer lembrar daquela mais terrível ocasião, pode nos fornecer muitas lições de instrução. Em algumas poucas dessas, me é permitido tocar. Possa Deus escrevê-las em todos os nossos corações!
1. Em Primeiro Lugar, quão bonita é a determinação daqueles que são enviados pela sábia e graciosa providência de Deus, no executar justiça sobre a terra, no defender o injuriado, e punir o malfeitor! Eles não são os ministros de Deus para nos fazer bem; os grandes alicerces da tranqüilidade pública, os padrões de inocência e virtude; a grande segurança de todas as nossas bênçãos temporais? E cada um desses não representa, não apenas um príncipe mundano, mas o Juiz da terra? Ele, cujo "nome está escrito em sua coxa, Rei dos reis, e Senhor dos senhores?".Ó, que todos esses filhos, do lado direito do Altíssimo, possam ser tão santos, como Ele é santo! Sábio com a sabedoria que se senta ao seu trono, como Ele, que é a Sabedoria eterna do Pai! Que não olha as pessoas, como se fossem nada; mas retribui a cada homem, de acordo com suas obras; como ele, justa inflexibilidade, e inexorabilidade, embora cheio de compaixão e misericórdia terna! Assim, eles serão terríveis, de fato, para aqueles que fazem o mal, como não carregando a espada em vão. Assim, as leis de nossa terra terão uso pleno e honra devida, e o trono de nosso rei será ainda estabelecido na retidão.
2. Vocês homens verdadeiramente honrados, aos quais Deus e o rei têm comissionado, em um grau menor, para administrarem justiça; vocês não podem ser comparados àqueles espíritos ministrantes que atenderão ao Juiz vindo nas nuvens? Que vocês possam, como eles, amar a Deus e ao homem! Que vocês possam amar a retidão, e odiar a iniqüidade! Que vocês todos, ministros, em suas diversas esferas (tal honra Deus deu também a vocês, como a eles que serão seus herdeiros da salvação, e para a glória de seu grande soberano!) possam continuar os fundadores da paz, a bênção e ornamentos de nossa região, os protetores de uma terra culpada, os anjos guardiões de todos que estão em redor de vocês!
3. Você, cujo ofício é executar o que lhe é confiado em responsabilidade, por aquele diante de quem você está; quão proximamente vocês estão preocupados em assemelhar-se àqueles que estão diante da face do Filho do homem; aqueles servos Dele que fazem de acordo com seu prazer, e ouvem atentamente a voz de suas palavras! Não importa a vocês grandemente serem tão corruptos quanto eles? Mostrarem-se à altura dos servos de Deus? Fazer justiça e misericórdia amorosa? Fazer tudo que você gostaria que eles fizessem a você? Assim, aquele grande Juiz, sob cujos olhos você se situa continuamente, diz a você também: "Bem feito, bons e fiéis servos; regozijem-se de seu Senhor!".
4. Permita-me acrescentar algumas poucas palavras a todos vocês que estão, neste presente dia, diante do Senhor. Vocês não poderiam suportar em suas mentes, durante todo o dia, que um dia mais terrível está vindo? Que grande assembléia esta! Mas o que é isto, para aquela que todo olho irá, então, ver; a grande assembléia de todos os filhos dos homens que alguma vez viveu sobre a face de toda a terra? Hoje em dia, poucos estarão na cadeira de julgamento, para serem julgados no tocante ao que foi colocado sob a responsabilidade deles; e eles estão agora restritos em prisão; talvez, algemados, até que sejam trazidos para serem julgados e sentenciados. Mas nós todos deveremos "nos sentar na cadeira de julgamento de Cristo"; eu que falo, e vocês que ouvem. E estamos agora restritos nesta terra, que não é nosso lar, nesta prisão de carne e sangue; talvez, muitos de nós em algemas de escuridão também, até que sejamos trazidos adiante. Aqui, um homem é questionado, concernente a um ou dois fatos, que se supõe, ele tenha cometido; lá nós deveremos prestar contas de todas as nossas obras, do berço à sepultura; de todas as nossas palavras; de todos os nossos desejos e temperamento; todos os pensamentos e intentos de nossos corações; de todo o uso que fizemos de nossos vários talentos, quer de mente, corpo, ou fortuna, até que Deus nos disse: "Dá um relato de tua mordomia, porque tu não serás mordomo por muito tempo mais". Nesta corte, é possível que alguns que sejam culpados possam escapar por necessidade de evidência; mas não haverá falta de evidência naquela corte. Todos os homens, com os quais vocês têm o mais secreto intercurso, que foram privados de todos os seus desígnios e ações, estão prontos diante de sua face. Assim, estão todos os espíritos da escuridão, que inspiraram os maus desígnios e os assistiram na execução deles. Também estão todos os anjos de Deus; aqueles olhos do Senhor, que seguiram de um lado para outro sobre toda a terra, que vigiaram suas almas, e trabalharam para seu bem, tanto quanto vocês lhes permitiram. Assim está sua própria consciência; milhares de testemunhas em uma; agora não mais capaz de ser tanto cega quanto silenciada, mas constrangida a saber e a falar a verdade nua, no tocante a todos os seus pensamentos, e palavras e ações. E a consciência é como milhares de testemunhas? --- sim, mas Deus é como milhares de consciências! Ó, quem poderá situar-se diante da face do grande Deus, até mesmo, de nosso Salvador Jesus Cristo!
Veja! Veja! Ele vem! Ele faz das nuvens suas carruagens! Ele cavalga junto às asas do vento! Um fogo devorador vem antes dele, e depois Dele, uma chama flamejante! Veja! Ele se senta em seu trono, vestido com luz como um ornamento, enfeitado com majestade e honra! Observe, seus olhos são como a chama do fogo, sua voz como o som de muitas águas!
Como você escapará? Você pedirá às montanhas para caírem sobre você, as rochas para o cobrir? Ai de mim, as próprias montanhas, as rochas, a terra, os céus estão prontos para fugirem! Você pode impedir a sentença? Por meio do que? Com todos os materiais da sua casa; com milhares de ouro e prata? Pobre cego! Tu vieste nu do ventre de tua mãe, e mais nu para a eternidade. Ouve o Senhor, o Juiz! "Vem, abençoado de meu pai, herdeiro do reino, preparado para ti, desde a fundação do mundo". Som jubiloso! Quão amplamente diferente daquela voz que ecoa, através da expansão do céu: "Parta você, praguejador, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos!". E quem é aquele que poderá impedir ou retardar a completa execução de uma sentença ou outra? Esperança vã. Veja que o inferno se moveu abaixo para receber aqueles que estão prontos para a destruição. E as portas eterna se abrem, para que os herdeiros da glória possam entrar!
5. "Que tipo de pessoas, então, devemos ser, em todo modo de vida e devoção santa!". Nós sabemos que não poderá ser muito tempo antes que o Senhor desça com a voz do arcanjo e a trombeta de Deus; quando cada um de nós deverá aparecer diante Dele, e dar um relato de suas próprias obras. "Pelo que, amados, vendo que vocês procuram por essas coisas"; vendo que vocês sabem que Ele virá e não tardará, "sejam diligentes, para que vocês possam ser encontrados por Ele, em paz, sem marca ou culpa". Porque vocês não deveriam? Porque algum de vocês deva ser encontrado, do lado esquerdo, no aparecimento Dele? Ele não vai querer que alguém pereça, mas que todos possam vir para o arrependimento; através do arrependimento, para a fé no Senhor que sangra; através da fé, para o amor puro, para a completa imagem de Deus, renovada no coração, e produzindo toda santidade de vida. Vocês podem duvidar disto, quando vocês se lembram que o Juiz de todos é igualmente o Salvador de todos? Ele não os comprou com seu próprio sangue, para que vocês não pudessem perecer, mas tivessem a vida eterna? Ó, façam prova de sua misericórdia, preferivelmente, do que de sua justiça; de seu amor, preferivelmente, do que do estrondo de seu poder! Ele não está longe de cada um de nós; e Ele está vindo agora, não para condenar; mas, para salvar o mundo, Ele se coloca no meio! Pecadores, agora, até mesmo agora, Ele não bate à porta de seus corações? Ò, que vocês possam saber, pelo menos neste dia, as coisas que pertencem a sua paz! Ó, que vocês possam agora dar a si mesmos a Ele que deu de Si mesmo por vocês, em fé humilde, em amor santo, ativo, paciente! Assim vocês se regozijarão com excedente alegria no dia Dele, quando Ele vier nas nuvens do céu.
            Introdução de Sugden
            Este sermão foi acrescido, na edição de 1771, parcialmente, por conta da ocasião sem paralelo de sua entrega; parcialmente, porque não havia sermão, no original quarenta e quatro, sobre este assunto. Wesley fala sobre ele em seu Diário, em 1º. De Setembro de 1778: "Eu não posso escrever um [sermão] melhor sobre o Grande Julgamento, do que eu fiz há vinte anos atrás". Era costumeiro para os juízes de Tribunal atenderem um serviço na paróquia da cidade, em que eles tivessem assento, em todo o esplendor de seu escarlate e arminho, com seus trombeteiros, lanceiros, e outros oficiais da Corte em atendimento; e era uma das obrigações do Alto Xerife do Condado realizar preparativos para a pregação do sermão. O Sr. William Cole, que era alto Xerife de Bedfordshire, naquele tempo, era amigo de Wesley, e foi seu anfitrião em Novembro de 1759. Ele viveu em Sundon, uma vila um pouco a leste da estrada principal de Luton para Bedford, cerca de cinco milhas norte de Luton. Provavelmente, ele fez os preparativos para o sermão do Julgamento, quando Wesley estava em Bedford, em Novembro de 1757; e na segunda-feira, 27 de Fevereiro, Wesley registra: "Tendo um sermão escrito em preparação para os Julgamentos, em Bedford, eu me retirei por alguns poucos dias para Lewisham" – sem dúvida, para a casa do Sr. Ebenezer Blackwell. Ele deixou Londres, na segunda-feira, dia 6 de Março, às sete da manhã, e alcançou a casa do Sr. Cole, em Sundon, pelas três horas da tarde. Na quinta-feira, ele cavalgou para Bedford, esperando pregar neste dia; mas, por alguma razão, provavelmente, porque os casos no Julgamento prévio tomaram mais tempo do que foi antecipado, o serviço foi adiado para o dia seguinte. O serviço aconteceu na manhã, na Igreja de St. Paul, um dos principais ornamentos arquitetônicos da cidade. Ela se situa no lado norte do Rio Ouse, e tem uma fina torre e um pináculo octogonal. A velha pedra do púlpito, da qual Wesley pregou, ainda está preservada na nave sul, e uma fotografia dela e da igreja pode ser vista na edição padrão do Diário – vol. 4. p. 403. O Diário recorda: "A congregação de St. Paul era muito grande e muito atenciosa. O juiz, imediatamente depois do sermão, enviou-me um convite para jantar com ele; mas não tendo tempo, eu fui obrigado a enviar minhas desculpas, e partir entre um e duas horas". Ele tinha que alcançar Epworth, para o Domingo, e chegou a Stilton, cerca de trinta milhas, por volta das sete horas. Na manhã seguinte, ele começou, entre quatro e cinco horas, e através da geada e inundação percorreu as noventa milhas para Epworth, por volta das dez daquela noite. Ele diz: "Eu estava pouco mais cansado, do que quando eu me levantei na manhã!" – Um homem baixo, magro, e resistente ele era!
            O juiz nesta ocasião foi Sir Edward Clive, que tinha sido feito Juiz das Contestações Comuns, e cavaleiro em 1753. Ele era exatamente um ano mais jovem do que John Wesley, e morreu em 1771. Uma caricatura dele pode ser encontrada na ilustração de Hogarth, "O Juiz", publicada neste mesmo ano, 1758. Ele está sentado entre o Ministro do Supremo Tribunal Willes e o Sr. Juiz Bathurst, que caiu no sono. Ele é representado como uma pequena cabeça, quase perdida em sua cabeleireira, funda, um nariz longo, fino, e um queixo quebra-nozes. O sermão foi publicado separadamente por Trye, naquele mesmo ano, a pedido do Alto Xerife e outros, e teve algumas dez edições durante a vida de Wesley. O Rev. Richard Green o chama de "um modelo de sermão", e diz: "Ele é bem estruturado, claro, prático, sincero; as afirmações são todas apoiadas nas Escrituras apropriadas, e a verdade fielmente aplicada à consciência". O título "O Grande Julgamento" foi um nome familiar para o Último Julgamento; ele é encontrado já no ano de 1340, em Remorsos da Consciência de Hampole, 5514, e diversas outras instâncias são dadas no Dicionário Oxford. "Assize".A nota preliminar, "Pregado, quando do Julgamento", etc, nas edições modernas é da página título da segunda edição, também publicado em Londres por Tyre; ele aparece na forma abreviada na edição de 1771, sem a última clausula "Publicada a pedido", etc.
            Dois pontos no sermão chamam para o criticismo [sistema filosófico de Kant, que procura determinar os limites da razão humana; racionalismo crítico], na visão de recentes investigações no ensino escatológico do Novo Testamento. Em Primeiro Lugar, Wesley identifica, sem discussão, o Dia de Jeová do Velho Testamento, profetas e os Apocalípticos escritores judeus, com o Dia da segunda vinda de nosso Senhor, a ressurreição geral, e o último Julgamento, dos documentos do Novo Testamento; e ele usa indiscriminadamente passagem de todas essas fontes para dar detalhes e caráter pitoresco à seu quadro. Além disso, ele adota a mais literal interpretação delas todas, o único ponto em que ele evita sendo a duração do Dia do Julgamento, que ele pensa "não pode improvavelmente compreender diversos milhares de anos"; e o abrir dos livros, que ele diz é "uma expressão figurativa".Dificilmente se poderá duvidar de que o ensino de nosso Senhor foi largamente influenciado pelo Velho Testamento e concepção apocalíptica, especialmente em Suas predições a respeito da destruição de Jerusalém e da política judaica; mas Ele acrescentou a isto, a idéia de um julgamento individual, assim como nacional, e estendeu seu escopo para o mundo todo.
            Em Segundo Lugar, Wesley adota uma visão de que o Ultimo Julgamento terá lugar em algum tempo definido, na história futura do mundo, quando as vidas de todos os homens serão revistas e a sentença pronunciada junto a eles. Este é certamente o significado óbvio do ensino dos livros do Novo Testamento, que foram escritos antes da destruição de Jerusalém pelos romanos; mas quando aquela tremenda catástrofe tomou lugar, e tornou-se claro que o Grande Julgamento e o fim da Era não tinha vindo, encontramos nos escritos de João, uma nova maneira de ensino, implicando que o Julgamento é realmente contínuo e agora prossegue. Assim, "Ele que crê Nele não é julgado; ele que não crê já foi julgado... e este é o julgamento, para que a luz [conhecimento] viesse para o mundo, e os homens amaram a escuridão, preferivelmente do que a luz; porque as obras deles eram más".(João 3:18). Novamente: "Em verdade, em verdade, lhes digo que aquele que ouve minha palavra e crê Nele que me enviou terá a vida eterna e não virá para o julgamento... A hora vem e é agora, quando os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e eles que ouvirem, viverão". (João 5:24). Novamente: "Por causa do julgamento, eu vim para este mundo". (João 9:39). Novamente: "Agora é o julgamento deste mundo". (João 12:31). Ao mesmo tempo, João também fala de uma ressurreição futural geral, do "último dia", e "do dia do julgamento".  Parece claro: (1) que nosso Senhor falou nos termos da crente nacional corrente de Seu tempo, que era derivada dos profetas do Velho Testamento e dos Apocalipses dos períodos pérsios e gregos, o tempo "entre os Livros"; (2) que Ele usou de métodos de ilustrações, preferivelmente ao método abstrato de transmitir a verdade para Seus ouvintes. Ele pode, assim, seguramente dizer que os elementos essenciais de Seu ensino são: 1) que haverá um julgamento universal de todos os homens; 2) que Ele mesmo será o Juiz; 3) que o padrão do julgamento será Sua própria vida e ensino; tanto quanto aqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-lo estão preocupados; 4) que para o pagão, o padrão será a própria consciência dele; 5) que os resultados do julgamento são decididos nesta vida, e 6) que a decisão será final. Mas quanto à extensão para a qual Suas representações do Último Julgamento deverão ser tomadas, quando expressando fato físico literal, nós deveríamos ser mais sábios, se confessássemos nossa ignorância e nossa inaptidão para alcançarmos alguma conclusão dogmática. Quanto ao texto, a melhor leitura atestada é: "Nós deveremos todos nos situar diante da cadeira de julgamento de Deus"; na verdade, este texto é usado por alguns dos Antepassados para provar a divindade de Cristo, porque ele deixa claro, em muitas passagens que Ele será o Juiz; e o Juiz é aqui chamado de Deus.
            Notas de Rodapé - Sugden
            1. "Nosso gracioso Soberano" é George II. Wesley foi sempre intensamente leal. Em 1744, ele escreveu um Discurso de suas Sociedades para o Rei no qual ele diz: "Estamos prontos a obedecer à sua Majestade ao extremo, em todas as coisas que concebemos esteja de acordo [com a Palavra de Deus]. E nós exortamos sinceramente todos com os quais convivemos, a assim como eles temem a Deus, honrarem o Rei".  O Discurso não foi enviado, principalmente porque poderia significar que os Metodistas eram "um corpo distinto da Igreja Nacional". Em 1745, o ano da invasão da Inglaterra, pelos Jovens Pretendentes, ele escreveu ao Prefeito de Newcastle: "Tudo que eu posso fazer pela Sua Majestade, a quem eu honro e amo – Eu penso não menos do que eu faria ao meu próprio pai – é isto: eu clamo a Deus, dia a dia, para colocar todos os seus inimigos em confusão", etc. Quando George II morreu em Outubro de 1760, ele registra em seu Diário (25 de Outubro): "Rei George reuniu-se aos seus antepassados. Quando a Inglaterra terá um Príncipe melhor?". Alguém pensa de Carlyle (Sartor 1.9). "A sua peruca de crina de cavalo dependurada, pele de esquilo, e luva de pelúcia, por meio dos quais todos os mortais sabem que ele é um JUIZ. A sociedade, que, quanto mais eu penso nela, mais me espanto, é alicerçada em junto ao Clero". Wesley nunca menosprezou a forma e o cerimonial; ele próprio vestia trajes cerimoniais para seus estudos bíblicos, com suas sociedades em Londres e Bristol, e para seus serviços [pregações] no campo.
2. Este parágrafo, finamente e impressivelmente composto, como ele é, é um desafio a toda exegese profunda. Algumas das palavras citadas referem-se à invasão de Judá pelos Assírios; algumas, à vinda do Espírito Santo; algumas à destruição de Jerusalém pelos Romanos; algumas à queda da própria Roma. Todas essas foram, em um sentido, "dias de Jeová"; mas não havia garantia para transferir todos esses sinais ao dia final de julgamento, nem para a interpretação literal deles. 
Esta justa observação sobre a diferença entre o presente e a ressurreição dos corpos é desenvolvida, em detalhes, no sermão 138, "Sobre Afligir o Espírito Santo", originalmente escrito por Benjamim Calamy, e revisado e resumido por Wesley em 1732. "Essência" e "propriedades" são aqui usadas em seu sentido filosófico; o corpo será o mesmo em essência (não composto das mesmas partículas materiais), mas suas propriedades, por exemplo, suas características e qualidades serão inteiramente mudadas. Acima de tudo, ele será um corpo "pneumático", e não um corpo "físico"; por exemplo, ele estará bem adaptado para o uso e manifestação do espírito, como o corpo presente é adaptado para o uso e manifestação da psique ou alma animal.
           
            "Hades" é muito propriamente substituído por "inferno", que está aqui, e, de fato, em todas as passagens, onde está a tradução de Sheol, ou Hades, que mais impressão errada dá ao leitor inglês. Ele é o mundo dos espíritos que partiram, e não o lugar de punição do Diabo e seus anjos.
3. "Todas as nações" -- mais exatamente "todos os gentios". Este relato do julgamento refere-se apenas ao julgamento das nações pagãs, que não têm ouvido de Cristo; e o padrão do julgamento não está de acordo com a relação deles para com Ele, mas o cumprimento de suas obrigações comuns de delicadeza e caridade lá demonstradas. É um suplemento das três parábolas precedentes do Mordomo, das Virgens, e dos Talentos; a primeira descrevendo o julgamento do ministro cristão; a segunda e terceira de dois lados do julgamento daqueles que ouviram o evangelho; primeiro do ponto de vista da fé; segundo, do ponto de vista das obras.
"O amado discípulo". É certo que Wesley aceita a autoria do Apocalipse como sendo de João.
4. "Resplendor", mais exato do que "esplendor", O Filho é para o Pai como os raios de luz são para o sol. 
"Embora não seja roubo": melhor, "embora não seja um propósito procurar alcançar" ser igual com Deus. Ele colocou de lado por um tempo Sua igualdade com o Pai, que Lhe foi, no entanto, restaurada, quando Deus deu a Ele o nome que está acima de todo nome.
5. Pole cita de Joseph Mede, "Quod jam dixi diem judicii, non intelligi velim de die brevi, sive paucarum horarum; sed de spatio mile annorum quibus dies illa durabit"; isto é: "O dia do Julgamento não é entendido como um dia curto de vinte e poucas horas, mas como um espaço de milhares de anos, durante o que este dia durará".
6. "escritor eminente" é Edward Young, o autor de Pensamentos Noturnos. A citação é de seu poema "O Último Dia" (1721) O original transcorre assim:
Suavizar e estender
Teu espaço ilimitado,
Duas vezes a altura planetária
            Young diz: Agora o triunfo descendente interrompe sua luta da terra ocupada, duas vezes a altura planetária. Presumivelmente, ele quer dizer duas vezes tão distante, quanto a terra é do planeta mais longínquo. Tudo isto parece preferivelmente de pouco valor solene. 
            7. "Quatrocentos milhões"; está agora estimado como, mais ou menos, cento e quinze milhões. Mas alguns poucos milhões, mais ou menos, não merecem consideração em tal cálculo completamente indeterminado como este. A citação é novamente de Young. Wesley protesta contra alguém que altere os versos de seu irmão; mas ele nunca hesita em fazer a mesma coisa com outras pessoas; a passagem original em Young transcorre: --.
O mundo do grande Xerxes, em armas, o orgulhoso anfitrião de Cannae.
Onde Carthage ensinou Roma vitoriosa a se render.
A imortal Belém, a celebrada anfitriã de Ramillia
Todos estão aqui; e aqui todos estão perdidos.
Os seus milhões vendidos para serem discerníveis em vão;
            Perdidos, com uma onda em teu alto-mar sem fim.
8. a citação é de Aeneide de Virgílio. O assunto dos verbos é Rhadamanthus, o juiz místico do morto. Nenhuma tradução é fornecida em 1771 ed. Edições Modernas dão a versão de Dryden. O significado é "Rhadamanthus de Gnosus aqui mantém o seu bastão de ferro, e os açoita e ouve suas fraudes, e compele cada homem a confessar as expiações proteladas até a morte (ai de mim! Muito tarde!), que foram devidas para os crimes que ele cometeu na terra, regozijando-se em esperança vã de que eles pudessem ser ocultos".
9. "Para justificar o caminho de Deus para o homem": do Paraíso Perdido de Milton. No original a última linha é "homens".
10. "O terceiro céu". Paulo (II Cor. 12:2) diz como ele alcançou o terceiro céu, ou paraíso, e ouviu palavras indizíveis que não estão no poder do homem falar. É, duvidoso, se ele pensou de três céus apenas -- a saber, o céu da atmosfera e nuvens, o céu do sol e estrelas, e o céu do morto abençoado – ou aceitou a crença judaica no sete céus, do qual o Paraíso foi o terceiro em ordem de baixo para cima.
Wesley admite nenhuma esperança final para o impenitente, e interpreta literalmente essas passagens que falam do julgamento deles. No primeiro, contudo, Inferno é Sheol, e tudo o que o salmista diz é que todas as nações (não as pessoas) que esqueceram Deus irão partir para o mundo do morto. No Sermão 73, Sobre o Inferno, ele é completamente explícito quanto à sua crença no tormento sem fim do mau, em material de fogo. Nenhum desses sermões é, contudo, parte da doutrina padrão Metodista.

11. A destruição final da terra, pelos fogos está completamente dentro dos limites de possibilidade. O impacto de algumas estrelas viandantes geraria calor suficiente para o propósito; ou pode ser aquela gravitação que irá, por fim, dominar a força centrífuga e o arco irá cair no sol. Mas tais especulações são tão infrutíferas quanto incertas; e a idéia no próximo parágrafo da origem do mar de vidro é meramente grotesca.
            12. Cícero é o autor da frase "filósofos precisos". Ele fala no Senect de "Quidam minuti philosophi," significando levianos, insignificantes. No uso inglês ela preferivelmente significa meticulosos, precisos, especuladores. Toda esta discussão quanto à quantidade de fogo é absurda: fogo não é uma coisa, mas um estado de violenta combinação química; um palito de fósforo é completamente suficiente para causar uma conflagração, se houver combustível suficiente. Wesley estava ardentemente interessado no fenômeno elétrico, e foi o primeiro homem na Inglaterra a fazer uso dele como agente curativo. Seu panfleto chamado "O Desideratum; ou Eletricidade Feita Clara e Útil",publicado em 1760, detalha muitos dos experimentos de Franklin, tais como extraindo faíscas do corpo humano ou da pele de um gato. Isto é o que ele pensava quando ele disse que nossos corpos estão cheios de fogo.
"Livre-Pensador" foi o nome reivindicado pelos Deístas e outros que rejeitaram a revelação cristã, no início do século dezoito. Aqui Wesley o usa de Ovídio, o poeta romano, com uma espécie de sugestão de que os livres-pensadores modernos eram semelhantes a ele em suas visões religiosas. A citação é de Metamorfose, 1256, onde Júpiter, preparando para arremessar seus raios com trovões, hesita em fazê-lo, a fim de que ele não fixasse o éter chamejante, "porque ele se lembra que isto está entre os decretos do destino, de que um tempo virá quando o mar, a terra, e o palácio do céu pegarão fogo e queimarão, e a massa do mundo, tão laboriosamente construída colocar-se-á em perigo".
13. "Em sua sã consciência"; assim o autor do antigo Poema Kentish Morale diz: Elch man sceal him then biclupien and ecach sceal him demen; His aye weorc and his ithanc to witnesse he sceal temen, que traduzido é: Todo homem deverá acusar a si mesmo lá, e todo homem julgará a si mesmo; sua própria obra e sua consciência, ele trará para testemunharem.
"Veja! Veja! Ele vem". Uma das mais refinadas e mais comovidas perorações de Wesley.
[Editado por Jennette Descalzo, estudante da Northwest Nazarene College (Nampa, ID), com correções por George Lyons para a Wesley Center for Applied Theology.]
 John Wesley