sexta-feira, 24 de maio de 2013

O evangelho da política e o ativismo da fé: as almas, as pessoas, as causas e os votos

O evangelho da política e o ativismo da fé: as almas, as pessoas, as causas e os votos
A pregação do evangelho é uma atividade completamente distinta do ativismo. É baseada na fé em Jesus Cristo, tem como objetivo a salvação de almas, a transformação de vidas e tem a ver com o Reino dos Céus. O ativismo evangélico, ou qualquer outro, é baseado em posições políticas e tem como finalidade a defesa de ideologias, interesses de pessoas e de grupos políticos: é algo do reino da terra. Mostrando o desapego e a independência do Reino dos Céus e do reino da terra, Jesus disse: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”.Mateus 22:21.
Jesus Cristo também disse: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”. Marcos 16:15. Por si só, percebe-se que esta mensagem não é um chamamento para o ativismo, mas para a pregação. Quando Jesus mandou que fôssemos por todo o mundo, ele sabia que estava mandando também para lugares onde não teríamos cidadania, ou não seríamos bem recebidos, mas, ainda assim, deveríamos pregar. Mais do que isso, o Senhor Jesus disse: “Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome”. Mateus 24:9. Jesus Cristo deu a dica. Trata-se de uma tremenda ignorância desprezá-la. Por conta disso, fica evidente que a pregação do evangelho está associada a um confronto de posições que não agradam as pessoas que não querem rejeitar o pecado.
No meio do ativismo evangélico, ocorrem coisas semelhantes ao que sucede em todos os grupos políticos e que não podem ser atribuídas ao Evangelho. Neste caso, o nome evangélico ganha uma conotação de agregação de forças para fortalecer líderes que, no momento seguinte, sairão em defesa dos interesses que os convier. Dadas as contradições entre os frutos do evangelismo e do ativismo, os arregimentados para um movimento ativista, achando tratar-se de uma atividade evangelística, poderão ser frustrados.
Os que forem desavisados com relação à diferença entre evangelismo e ativismo poderão ter suas expectativas frustradas e terão o sentimento apontado no texto: “Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão”. Mateus 24:10. Como a política trabalha com interesses, os que pretendem propagar o Evangelho devem distinguir a diferença entre as atividades evangelística e política, para que não se envolvam em uma coisa usando a lógica de outra e se tornem instrumentos de manipulação alheia.
Os que têm a mente voltada para a política sabem lidar com estas situações com naturalidade, pois vivem em um mundo que cuida vigorosamente de interesses, muitas vezes dos próprios, mas tentando passar a ideia que estão cuidando do interesse coletivo. Neste aspecto, não é preciso ir muito longe para perceber o foco das pessoas. Basta seguir outro conselho dado por Jesus: “Portanto, pelos seus frutos os conhecereis”. Mateus 7:20.
A verdade é que uns buscam as almas, outros, seus interesses e outros, os votos. Nada impede de que os que buscam as almas, também busquem votos. Neste cenário, é importante que os comportamentos sejam bem distintos. A busca por votos e por alianças políticas não pode ser confundida com o objetivo evangelístico. As pessoas devem aproveitar as oportunidades de fazerem as suas escolhas e, com isso, não serem usadas politicamente por quem quer que seja. O que for focado no Reino dos Céus não deve se misturar com o que for baseado no reino da terra. A atividade evangelística e a política devem ser definidas de forma clara para que todos saibam que tipo de proposta estão aceitando.
Não me oponho a qualquer forma de ativismo sadio, respeitando a legislação brasileira, mas não gostaria que houvesse, por exemplo, recursos públicos para patrocinar ativismo de evangélicos. Isto porque, além de contemplarem uns líderes em detrimento de outros, promovendo a divisão, em nada contribui para a pregação da Mensagem da Cruz. É um exemplo para que outros grupos, ainda não contemplados com recursos públicos para a defesa de suas causas, possam exigir os mesmos direitos. Jesus não nos chamou para sermos ativistas, mas pregadores do evangelho. Os que apreciam a atividade ativista, podem exercê-la, mas não devem se esquecer que a pregação não é um discurso, mas uma mensagem que deve passar, necessariamente, pela Cruz de Cristo, por arrependimento, perdão e salvação.

Por