domingo, 12 de maio de 2013

Teologia: Necessária e Inevitável


Por J. Ligon Duncan III


As Escrituras mostram que a verdade, a doutrina e a teologia são necessárias e importantes para a vida cristã e que a teologia sistemática é, na verdade, inevitável.

Há uma ênfase por toda a Bíblia sobre a importância da verdade para a vida cristã, sobre a necessidade da doutrina para nossa caminhada com Deus e, se formos cuidadosos ao observar como a Bíblia constrói estes assuntos, também veremos por que a teologia sistemática é necessária e inevitável — não algo que você gostaria de evitar de qualquer modo, mas algo que to- dos queremos fazer bem. Observe, por exemplo, as seguintes passagens dos evangelhos e das epístolas paulinas.

Bem no meio da oração sacerdotal, Jesus deixa claro que a verdade de Deus é para nossa alegria e crescimento em santidade. Nesse contexto, a verdade não e a fidelidade ou uma pessoa, mas está claramente associada com a Palavra de Deus:

Mas agora vou para ti. E digo isso enquanto estou no mundo, para que eles tenham a minha alegria em plenitude. Eu lhes dei a tua palavra; o mundo os odiou, pois não são do mundo, assim como eu também não sou. Não rogo que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. Eles não são do mundo, como eu também não sou. Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade. (João 17.13-17)

Na própria Grande Comissão, Jesus fala aos seus discípulos que ensinem a igreja não somente a crer em sua instrução e transmiti-la por completo, mas a ensiná-la com o objetivo de que seu povo vivesse a verdade — a sua verdade:

E, aproximando-se Jesus, falou-lhes: Toda autoridade me foi concedida no céu e na terra. Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-lhes a obedecer a todas as coisas que vos ordenei; e eu estou convosco todos os dias, ate o final dos tempos. (Mt 28.18-20)

Em uma passagem crucial para compreender a teologia apostólica do ministério, Paulo diz a Timóteo, por um lado (negativo), para não permitir que pessoas preguem ou ouçam teologia de má qualidade, e por outro (positivo), que a boa teologia almeja um amor do evangelho nos cristãos que seja verdadeiro, arraigado no coração e praticado:

Conforme te pedi, quando partia para a Macedônia, permanece em Éfeso para advertires alguns de que não ensinem outra doutrina, nem se ocupem com fábulas ou genealogias intermináveis, pois produzem discussões em vez de favorecer o propósito de Deus, que tem como fundamento a fé. Esta orientação tem como objetivo o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé sem hipocrisia. (1 Tm 1.3-5)

Numa passagem importante sobre a lei na vida cristã, Pau- lo deixa claro que a doutrina e a ética estão inseparavelmente ligadas. Na verdade, ele diz que o próprio evangelho e a dou- trina estão inextricavelmente vinculados a certo tipo de vida:

Sabemos, porém, que a lei é boa, desde que usada de forma legítima, reconhecendo que não é feita para o justo, mas para transgressores e insubordinados, incrédulos e pecadores, ímpios e profanos, para os que matam pai e mãe e para homicidas, devassos, homossexuais, exploradores de homens, mentirosos, os que proferem falsos juramentos e para todo o que e contrario a sã doutrina, a qual esta em harmonia com o que me foi confiado, a saber, o evangelho da gloria do Deus bendito. (1 Tm 1.8-11)

Paulo mostra não somente uma preocupação com a doutrina ortodoxa, mas mostra que ele se importa até mesmo em reter o padrão das palavras do ensino de Jesus, e articula um princípio fundamental de sua teologia — que a doutrina tem como fim a piedade:

Ensina estas coisas. Se alguém ensina alguma outra doutrina e discorda das sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e da doutrina que é de acordo com a piedade, é arrogante e não compreende nada. (1 Tm 6.2-4)

Mais uma vez Paulo liga a verdade a piedade, porque o conhecimento da verdade é vital para a piedade:

Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, para conduzir os eleitos de Deus a fé e ao pleno conhecimento da verdade, que leva a piedade. (Tito 1.1)

Estas seis passagens mostram a legitimidade das categorias e a importância da verdade, da doutrina e da teologia.

_________________________________________________
Trecho do primeiro capítulo do livro “Proclamando uma Teologia Centrada na Cruz” (Editora Tempo de Colheita) escrito por J. Ligon Duncan III: “A Sã Doutrina: Essencial ao Ministério Pastoral Fiel”.